Janot defende enquadrar homofobia como crime de racismo

O procurador-geral da República afirma que existe “clara ausência” de norma que regulamente a questão, o que torna inviável o exercício da liberdade de orientação sexual e identidade de gênero

A homofobia deve ser enquadrada como crime de racismo, na avaliação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Na falta de uma lei específica sobre o tema, Janot enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) manifestação favorável para aplicar as penas de racismo nos casos de homofobia e transfobia. A pena para quem pratica, induz ou incita a discriminação ou preconceito de raça, cor, religião ou procedência nacional, pela lei, é de reclusão de 1 a 3 anos e multa.

O procurador considerou que a alternativa seria aplicar as sanções previstas no Projeto de Lei 122, de 2006, que criminaliza a homofobia; ou o Projeto de Código Penal que tramita no Senado, até que o Congresso Nacional edite legislação específica. No parecer, Janot afirma que existe “clara ausência” de norma que regulamente a questão, o que torna inviável o exercício da liberdade de orientação sexual e identidade de gênero.

Prazo

A avaliação do procurador é de que a legislação atual não dá conta da discriminação em razão de orientação sexual. Para Janot que considera “patente” a duração excessiva no Legislativo da proposta sobre o tema, é importante que o Supremo se manifeste para acelerar a produção normativa que criminaliza a homofobia.

Por isso, afirma no parecer que cabe a fixação de prazo razoável para que o processo legislativo se encerre. A Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) sugere que o prazo seja de um ano. A associação entrou no STF com a ação pedindo a criminalização.

Fonte: O Tempo

+ sobre o tema

Câmara dos Deputados analisa projeto sobre equidade de gênero no serviço público

Pesquisa da Organização Internacional do Trabalho aponta que mulheres...

Mãe negra, criança negra: identidade e transformação

Desde os relacionamentos que geram uma gravidez até o...

Diário de viagem: o melhor é se conectar com quem produz a arte local

Na semana passada, fiz uma viagem para o Peru...

para lembrar

Mulheres que fazem seus países avançarem

São líderes defensoras dos direitos das mulheres e outros...

Sou um pai gay, então por que me preocupo com a sexualidade de meu filho?

assei os últimos 30 anos me esforçando para me...

‘Meu útero foi removido sem eu saber e só descobri 11 anos depois’

Uma mulher sul-africana contou à BBC como ela foi...
spot_imgspot_img

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a disparidade salarial entre os gêneros no Brasil se mantém em...

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...
-+=