Joaquim Barbosa diz que há ‘grande déficit de Justiça’ entre os brasileiros

No discurso de posse, o novo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Joaquim Barbosa, afirmou que há “um grande déficit de Justiça” entre os brasileiros e que nem todos são tratados da mesma forma quando procuram os serviços do Poder Judiciário. “É preciso ter honestidade intelectual para dizer que há um grande déficit de justiça entre nós. Nem todos os brasileiros são tratados com igual consideração quando busca o serviço público da Justiça. O que se vê aqui e acolá, nem sempre, é claro, é o tratamento privilegiado, o by-pass (ignorar, em inglês), a preferência desprovida sem qualquer fundamentação racional”, disse.

Joaquim Barbosa afirmou que aspira a um Judiciário “sem firulas, floreios e rapapés”. “Buscamos um Judiciário célere e justo”, destacou. Para o novo presidente do STF e do CNJ, de nada adianta um sistema sofisticado de Justiça informatizado ou prédios suntuosos se a Justiça não presta os seus serviços em prazo razoável. Caso isso não ocorra, destacou Barbosa, o Brasil pode “afugentar” investimentos essenciais para a economia.

“(É preciso) Tornar efetivo o princípio constitucional da razoável duração do processo. Se não observada estritamente e em todos os quadrantes do Judiciário nacional, (a demora) suscitará em breve o espantalho capaz de afugentar os investimentos de que tanto necessita a economia nacional”, afirmou.

O presidente do STF disse que, nos últimos 60 anos, o Brasil foi ungido da condição de “de quase pária” das nações para frequentar o seleto grupo das nações que podem servir de modelo para outras, com instituições sólidas. O ministro ressaltou que, nesse contexto de uma economia moderna e uma sociedade dinâmica, o juiz não pode se manter “distante” e “indiferente”, alheio aos valores e anseios sociais. “O juiz é um produto do seu meio e do seu tempo. Nada mais indesejado e ultrapassado o juiz que está isolado e encerrado, como se estivesse numa torre de marfim”, afirmou.

familiaJoaquim Barbosa fez questão de ressaltar a necessidade de que se mantenha a independência dos juízes, “figuras tão esquecidas às vezes”. E pediu para os magistrados de primeira instância que não recorram aos laços políticos para subir na carreira. “Nada justifica, a meu sentir, a pouco edificante busca de apoio para uma singela promoção de um juiz do primeiro para ao segundo grau de jurisdição”, disse.

Na fala de pouco mais de 15 minutos e na qual em nenhum momento mencionou o processo do mensalão, ação que lhe deu notoriedade pública por ser relator, o presidente do STF tratou como “muito bom” e “muito positivo” a maior inserção da Corte e do restante do Poder Judiciário na vida dos brasileiros. Barbosa concluiu o discurso, sob aplausos, cumprimentando sua “querida mãezinha”, Benedita Gomes da Silva, seu filho, irmãos e os “queridos amigos estrangeiros” que prestigiaram a posse dele.

Fonte: O Estadão

+ sobre o tema

Geledés repudia decisão da Câmara sobre aborto

Geledés – Instituto da Mulher Negra vem a público...

Mulheres vão às ruas contra PL que equipara aborto a homicídio; confira locais dos atos

Mulheres vão às ruas de diversas partes do país...

Taxação dos super-ricos tem que ser encarada de frente, diz Neca Setubal

Maria Alice Setubal diz que não saiu ilesa daquele 2014....

Salário menor na advocacia é mais frequente entre mulheres e negros

A proporção de advogados na menor faixa salarial da...

para lembrar

Boechat para Cunha: “Então esses US$ 5 milhões não são seus? Posso pegar esse dinheiro para mim?”

” Deputado, diante dessa sua negativa tão contestada pelos...

Brasil omite violações sistemáticas a negros em relatório sobre direitos humanos à ONU

O governo Jair Bolsonaro (PL) tornou pública nesta semana em relatório...

Mia Couto: é preciso resolver o passado de Moçambique para curar o presente

    ESTEVAN MUNIZ/RBA Escritor vê seu país, Moçambique, enfrentar novo conflito,...

Insegurança alimentar na infância afeta desenvolvimento socioeconômico do país

Com os R$ 150 que sobram após pagar as contas, Brenda Ketlin, 24, consegue comprar pão, arroz e feijão. Essa se tornou a base...

Lei que implantou escola cívico-militar em SP fere modelo educacional previsto na Constituição, diz PFDC

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão do Ministério Público Federal (MPF), alerta que a lei do estado de São Paulo que...

Ação enviada ao STF pede inconstitucionalidade de escolas cívico-militares em SP

Promotores e defensores públicos encaminharam ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira (5) um pedido para tornar inconstitucional a lei estadual que criou as...
-+=