John Henson recebe R$ 11 milhões por ano. Mas uma joalheria dos EUA preferiu barrar a entrada dele

John Henson, pivô do Milwaukee Bucks, franquia de Wisconsin na NBA, passou por apuros nesta segunda-feira (19). Tudo por conta de mais um grave episódio de racismo.

Por Rafael Nardini, do Brasil Post 

Henson contou ter sido barrado na porta da luxuosa joalheria Schwanke-Kasten, em Milwaukee. Segundo o atleta, com a sua chegada, a porta foi trancada e ele foi mandado embora. Em seguida, policiais apareceram para só então o acesso de Henson ser liberado.

MILWAUKEE, WI - APRIL 30: John Henson #31 of the Milwaukee Bucks goes up for a shot against the Chicago Bulls in Game Six of the Eastern Conference Quarterfinals of the 2015 NBA Playoffs on April 30, 2015 at BMO Harris Bradley Center in Milwaukee, Wisconsin. NOTE TO USER: User expressly acknowledges and agrees that, by downloading and/or using this photograph, User is consenting to the terms and conditions of the Getty Images License Agreement. Mandatory Copyright Notice: Copyright 2015 NBAE (Photo by Gary Dineen/NBAE via Getty Images)

Em sua conta no Instagram, Henson decidiu expor o caso. “Este foi um dos casos de preconceito racial mais degradantes que já vi e não desejo isso a ninguém. Essa loja precisa ser denunciada, e é o que estou fazendo”.

Thomas Dixon, proprietário da joalheria, disse que seus funcionários negaram a entrada de Henson por conta de orientações da polícia, que pedia que eles fossem chamados caso um Chevrolet Tahoe vermelho se aproximasse dali.

O Milwaukee Bucks saiu em defesa de Henson, classificando o caso como “muito preocupante”. Na atual temporada, Henson tem salário anual garantido de US$ 2,9 milhões, algo em torno de 11 milhões de reais. Ele joga pela equipe da cidade desde 2012.

+ sobre o tema

O mito da igualdade

por Jorge Ramos* A última moda nos Estados Unidos é...

Estratégias do Racismo e Ações Afirmativas: um embate necessário

RESUMO : O presente texto busca discutir o tema...

para lembrar

Mães de motoboys assassinados se encontram em missa em São Paulo

Família de Alexandre dos Santos, morto na semana passada,...

Aquele que não pode errar

Gosto da arte porque ela tem um poder sobrenatural...

Médica sofre racismo por usar dreads

Sugerido por Fernando J. Ofensiva Negritude - Facebook, no GGN   Boa...
spot_imgspot_img

Senado aprova prorrogação e ampliação da política de cotas para concursos públicos

O Senado aprovou, nesta quarta-feira (22), o projeto de lei (PL) 1.958/2021, que prorroga por dez anos a política de cotas afirmativas para concursos...

Morte de senegalês após ação da PM em SP completa um mês com investigação lenta e falta de acesso a câmeras corporais

Um mês após a morte do senegalês Serigne Mourtalla Mbaye, conhecido como Talla, que caiu do 6º andar após ação policial no prédio em que morava...

Maurício Pestana: escola de negros e o Terceiro Vagão

Em vários artigos já escritos por mim aqui, tenho apontado como o racismo no Brasil utiliza a via da questão econômica e educacional para...
-+=