Lei 10.639 completa 21 anos reafirmando-se como marco na luta da população negra

Ensino da história afro-brasileira impede que período escravocrata seja visto como único fato histórico a ser lembrado

A Lei 10.639/2003, também conhecida como Lei do Ensino da História e da Cultura Afro-Brasileira e Africana, completa 21 anos em janeiro de 2024. Sancionada pelo então presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, a medida estabelece que as instituições de ensino, tanto públicas quanto privadas, devem obrigatoriamente incluir em seus currículos o ensino da história e da cultura afro-brasileira e africana durante toda a formação escolar.

Essa lei representa uma importante conquista para a população negra, sobretudo por representar uma ruptura com um projeto político pedagógico que por séculos invisibiliza as contribuições da população africana na formação cultural, econômica e social do Brasil.

A implementação desta lei possibilita promover a luta contra o racismo através de práticas pedagógicas que incidem diretamente na formação da consciência racial, autoestima e valorização do povo negro nas diversas áreas de atuação na sociedade, ao passo que aponta caminhos para a promoção da igualdade racial.

Para sua efetivação, na prática, a lei demanda a inclusão da temática em todas as disciplinas da grade curricular, além da formação de gestores e professores na educação para as relações étnico-raciais. No entanto, ainda há muito a ser feito para que a medida seja implementada de forma efetiva nas escolas do Brasil. Os principais desafios dizem respeito à formação inicial e continuada de professores e à escassez de materiais didáticos e pedagógicos adequados.

A maioria dos livros e outros recursos disponibilizados ainda possuem o conteúdo com base majoritariamente eurocêntrica, que estigmatiza tanto a população africana quanto os negros na diáspora, impondo o lugar de subalternidade e desprestígio social, negando uma história de realeza e o protagonismo nas lutas pela retomada da liberdade frente a colonização e o imperialismo. Diante dessas dinâmicas, se nega o direito à memória aos estudantes, sobretudo aos estudantes negros.

Essas reflexões sobre o direito à memória partem de uma conversa extremamente sensível e potente com Edson Cardoso, militante do movimento negro, jornalista e escritor. Ele nos falou sobre a importância da Lei 10.639/2003 como uma forma de honrar a dignidade e a memória de nossos ancestrais, que contribuíram com suor e sangue para construção desse país. E mais do que isso, essa lei possibilita que tomemos a África como ponto de partida da nossa identidade originária, que foi sequestrada pela colonização.

Como educadoras antirracistas, sabemos também da urgência de começarmos a abordar as relações étnico-raciais no Brasil sem tomar o período colonial-escravocrata como ponto de partida e único fato histórico a ser memorado. Obviamente, não se pode negligenciar o estudo acerca desses processos, diante das suas implicações diretas na maioria das mazelas que afetam a população negra até os dias atuais.

No entanto, diferente de nós, queremos que crianças e jovens negros e negras tenham o direito de construir sua autoimagem, autoestima e formas de identificação individual e coletiva que não comecem pela perspectiva da dor e da perda. Além disso, também é de suma importância que haja uma descolonização do ensino da história e geografia africana nas escolas. Não é à toa que muitas pessoas acham que ao falarmos de África estamos nos referindo a um país, e não a um continente.

Completar duas décadas da Lei 10.639/2003, torna-se um marco na história de lutas, resistências e conquistas dos movimentos negros do Brasil, pois encara o racismo de frente, por compreender e evidenciar que o racismo na sua construção estrutural, se fortaleceu a partir do apagamento sistêmico dos saberes, das práticas socioculturais, das histórias que constroem os territórios e os povos sequestrados do continente africano e trazidos para o Brasil.

Tê-la como instrumento legal contribui para que o campo da educação avance no que diz respeito ao direito que a sociedade brasileira tem, sobretudo os afro-brasileiros, à uma educação de fato democrática e que atenda as necessidades das diversidades que tem contribuições significativas para a formação do Brasil.

A experiência educacional no Brasil tem sido marcada pelo racismo, seja pela ausência de conteúdos que valorizem as culturas negras, seja pela falta de formações específicas e materiais didáticos, seja pela reprodução de práticas racistas por parte do corpo das gestões escolares.

Ainda há muitas mudanças que são necessárias serem adotadas para a efetivação de uma educação que combata o racismo e atue pela equidade racial. Nesse sentido, é importante ressaltar que somente a lei não dá conta das lacunas deixadas pela escravidão.

Termos a lei, não necessariamente garante que tenhamos a sua efetivação, já que o cenário da educação brasileira nos mostra que ainda enfrentamos inúmeras barreiras para a sua institucionalização nas políticas públicas educacionais. É preciso que o governo, em todas as suas esferas (federal, estadual e municipal), assuma o compromisso de trabalhar em conjunto com os movimentos e organizações negras na criação de mecanismos eficazes de avaliação e fiscalização da aplicação da lei.

Isso é fundamental para obtermos uma compreensão realista sobre o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana nas instituições educacionais.


Hallana de Carvalho*

Mestra e doutoranda em sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco, pesquisadora em relações raciais no Brasil, ações afirmativas e desigualdade de oportunidades educacionais e integrante do Afronte Coletivo

Lilica Santos*

É cearense e artista multilinguagem, Cientista Social pela Universidade Federal do Ceará. Gestora Cultural do Festival Negruras e do Soulest – Espaço Criativo.

+ sobre o tema

Acusada de racismo, líder da extrema-direita da França perde imunidade

O Parlamento Europeu suspendeu hoje a imunidade da...

Polícia Militar: Segurança Pública é um direito do cidadão de Sérgio Martins

A segurança pública é um dever constitucional do Estado,...

Enfrentar o racismo na nova gestão Dilma

Reeleita presidente do Brasil, Dilma Rousseff acena para o...

para lembrar

Racismo sibilante na Europa que assobia

  A Eslováquia está em estado de choque, depois do...

Com 50 anos de atraso, Brasil discute cotas no STF

    NESTA SEMANA, BARACK OBAMA SENTOU NO MESMO BANCO DE...

Jogador sofre racismo no basquete e parte para cima de torcedores; veja!

Atos racistas e descontrole do atleta ocorreram em partida...
spot_imgspot_img

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...
-+=