Lei de cotas para negros em concursos públicos é reconhecida pelo STF

Ministro Luís Barroso aproveita para pedir desculpas por ter se referido a Joaquim Barbosa como “negro de primeira linha”; gafe ganhou repercussão

Do Ultimo Segundo

É constitucional: a lei que reserva a negros 20% das vagas oferecidas em concursos públicos foi reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira (8). A decisão foi unânime. A lei garante a negros a reserva de 20% das vagas oferecidas em concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos na administração pública federal direta e indireta, no âmbito dos Três Poderes.

Os ministros que votaram pela procedência da ação declaratória de constitucionalidade foram Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Celso de Mello e a presidente da Corte, Cármen Lúcia. Anteriormente, os ministros Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Luiz Fuz e Edson Fachin já haviam votado pela procedência da ação.

Por conta do julgamento que poderá caçar a chapa Dilma Temer, acontecendo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nos últimos dias, o ministro Gilmar Mendes não votou. Por estarem presentes na mesma sessão, Weber e Fuz não estavam presentes durante votação desta quinta-feira.

“A discriminação étnico-racial constitui sem dúvida uma perversão do censo moral, refletindo distorcida visão de mundo de quem busca construir hierarquias artificialmente fundadas em suposta hegemonia de certo grupo étnico-racial sobre demais existentes formações sociais”, declarou Celso de Mello.

O julgamento havia começado em maio, quando o relator do caso no STF, o ministro Luís Roberto Barroso, votou pela constitucionalidade da norma. Em seu voto, ele declarou que a Lei de Cotas (12.990/2014), embora crie uma vantagem competitiva para um grupo de pessoas, não representa nenhuma violação ao princípio constitucional da igualdade.

Barroso considerou, entre outros fundamentos, que a lei é motivada por um dever de reparação histórica decorrente da escravidão e de um racismo estrutural existente na sociedade brasileira. “É uma reparação histórica a pessoas que herdaram o peso e o custo social e o estigma moral, social e econômico que foi a escravidão no Brasil e, uma vez abolida, entregues à própria sorte, sem condições de se integrarem à sociedade”, argumentou.

A ação que defendeu a constitucionalidade da Lei de Cotas foi apresentada  pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Gafe racista

O ministro Barroso, relator da ação, pediu desculpas por ter cometido uma gafe no início da sessão, por ter chamado o ex-ministro Joaquim Barbosa de “negro de primeira linha”, em cerimônia na quarta-feira (7).

Com a intenção de narrar “sua trajetória vitoriosa e pretendia fazer referência que ele se tornou um acadêmico negro de primeira linha”, conforme ele mesmo disse, concordou em ter escolhido uma expressão “infeliz”.

+ sobre o tema

Parques de Santo André terão ação contra á intolerância, preconceito sexual e racial

Prefeitura inicia projeto de conscientização e combate à intolerância A...

Quem cata suas latinhas é trabalhador?

Todo Carnaval tem seu fim. E com ele toneladas e mais toneladas...

“Eu não tinha ideia do racismo que eu sofreria como Miss USA”

Deshauna Barber revela como usar o seu cabelo natural...

para lembrar

Amigos de músico que foi agredido se reúnem para pedir providências

No Recife, músicos, familiares e representantes do sindicato local...

Barbárie, tortura e linchamento público, em plena Vila Prudente, em São Paulo

Jhonny Ítalo da Silva, de 18 anos, negro, foi algemado e...

Mais um na lista dos incontáveis invisíveis

Por que não escrevi sobre o assassinato de Herinaldo...

Keeanga-Yamahtta Taylor reflete sobre a força que vem do ativismo negro

As eleições que levaram a afro-americana Kamala Devi Harris...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=