Levada ao pé da letra, lei do impeachment deixaria poucos de pé

Levada ao pé da letra, a lei do impeachment não deixaria de pé grande parte dos governadores e, possivelmente, quase todos os prefeitos. Refiro-me aos crimes de responsabilidade praticados todos os dias em larga escala pela administração pública e que se traduz no descumprimento de tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário.

por Hédio Silva Jr. no UOL

Hédio-Silva-Junior

Prevê a lei que constitui crime de responsabilidade “deixar de tomar, nos prazos fixados, as providências determinadas por lei ou tratado federal e necessário à sua execução e cumprimento”, preceito este que também consta na lei do impeachment de prefeitos.

A importância dos tratados internacionais como instrumentos de afirmação e proteção de direitos pode ser medida pelo fato de que a prisão civil por dívida, prevista expressamente na Constituição de 1988, deixou de ser aplicada justamente porque contraria tratado ratificado pelo Brasil.

Desta forma, a pergunta que poderia ser feita é: quantos governadores e prefeitos adotaram, desde as cerimônias de posse, medidas administrativas concretas para prover alimentação, vestuário e habitação para crianças carentes? Trata-se de obrigação jurídica prevista expressamente na Convenção sobre os Direitos da Criança, ratificada pelo Brasil no longínquo ano de 1990.

A aplicação seletiva da lei do impeachment, especificamente contra a presidente da República, desonerando governadores e prefeitos passíveis de acusações, faz lembrar a perniciosa e infame seletividade do sistema penal brasileiro.

Antes do advento do mensalão, Lava Jato e congêneres, os famosos três “pês” (preto, pobre e prostituta) eram agraciados com uma sinistra predileção por parte do sistema penal, o qual apenas recentemente resolveu adotar cotas para brancos endinheirados no acesso ao sistema prisional.

Não se trata aqui de propor anistia geral e irrestrita a todos os gestores públicos que descumprem com suas obrigações, mas sim lembrar que a aplicação seletiva de determinadas leis desmoraliza o sistema jurídico, alimenta a descrença nas instituições e corrói a democracia.

O instituto do impeachment será tão mais valioso à cidadania quanto mais for aplicado indistintamente a todos os gestores que insistem em subordinar o interesse público às suas convicções ou conveniências pessoais.

+ sobre o tema

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira...

para lembrar

Transporte ao estádio é ponto fraco na avaliação de estrangeiros

O transporte aos estádios das seis cidades-sede da...

Carrefour é excluído do quadro de sócios do Instituto Ethos

Fez recomendações à empresa Ações serão avaliadas no período Em 6...

Deixe seu filho longe desse ódio todo

Salvem o Gui. Salvem nossos filhos Por RITA LISAUSKAS, do Estadão Quando...

A maioridade penal e o voto pela exclusão

Por: Marta Machado Um dos pontos questionados por Marina Silva para...

É sórdido condenar vítima de estupro por aborto

É sórdido e apequena a política o Projeto de Lei que ameaça condenar por homicídio meninas, jovens e mulheres que interromperem gestações, ainda que...

Geledés repudia decisão da Câmara sobre aborto

Geledés – Instituto da Mulher Negra vem a público manifestar sua indignação e repúdio à decisão da Câmara dos Deputados, aprovada nesta terça-feira, 12,...

Mulheres vão às ruas contra PL que equipara aborto a homicídio; confira locais dos atos

Mulheres vão às ruas de diversas partes do país em protesto contra o avanço, na Câmara dos Deputados, do projeto de lei que equipara...
-+=