Levada ao pé da letra, lei do impeachment deixaria poucos de pé

Levada ao pé da letra, a lei do impeachment não deixaria de pé grande parte dos governadores e, possivelmente, quase todos os prefeitos. Refiro-me aos crimes de responsabilidade praticados todos os dias em larga escala pela administração pública e que se traduz no descumprimento de tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário.

por Hédio Silva Jr. no UOL

Hédio-Silva-Junior

Prevê a lei que constitui crime de responsabilidade “deixar de tomar, nos prazos fixados, as providências determinadas por lei ou tratado federal e necessário à sua execução e cumprimento”, preceito este que também consta na lei do impeachment de prefeitos.

A importância dos tratados internacionais como instrumentos de afirmação e proteção de direitos pode ser medida pelo fato de que a prisão civil por dívida, prevista expressamente na Constituição de 1988, deixou de ser aplicada justamente porque contraria tratado ratificado pelo Brasil.

Desta forma, a pergunta que poderia ser feita é: quantos governadores e prefeitos adotaram, desde as cerimônias de posse, medidas administrativas concretas para prover alimentação, vestuário e habitação para crianças carentes? Trata-se de obrigação jurídica prevista expressamente na Convenção sobre os Direitos da Criança, ratificada pelo Brasil no longínquo ano de 1990.

A aplicação seletiva da lei do impeachment, especificamente contra a presidente da República, desonerando governadores e prefeitos passíveis de acusações, faz lembrar a perniciosa e infame seletividade do sistema penal brasileiro.

Antes do advento do mensalão, Lava Jato e congêneres, os famosos três “pês” (preto, pobre e prostituta) eram agraciados com uma sinistra predileção por parte do sistema penal, o qual apenas recentemente resolveu adotar cotas para brancos endinheirados no acesso ao sistema prisional.

Não se trata aqui de propor anistia geral e irrestrita a todos os gestores públicos que descumprem com suas obrigações, mas sim lembrar que a aplicação seletiva de determinadas leis desmoraliza o sistema jurídico, alimenta a descrença nas instituições e corrói a democracia.

O instituto do impeachment será tão mais valioso à cidadania quanto mais for aplicado indistintamente a todos os gestores que insistem em subordinar o interesse público às suas convicções ou conveniências pessoais.

+ sobre o tema

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

Degola, linchamento e cassação: gente negra pode mesmo eleger e ser eleita?

Imagina se uma vereadora negra de Catanduva (SP) e...

Entrevista: o dinamismo de Cidinha da Silva

por Júnia Puglia    foto André Frutuôso  Em seu novo livro, “Racismo no Brasil...

Peritos das Nações Unidas avaliam condições de vida dos africanos em Portugal

Por: António Pereira Neves Genebra, 14 mai...

para lembrar

Lula afirma que quem quiser vencê-lo deverá acordar cedo e pôr “pé no barro”

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva transformou o...

Em toda a América Latina, mulheres lutam contra violência na política

Atualmente, a América Latina é líder global em cargos...

Até quando a sabotagem conservadora poderá resistir?

por Saul Leblon A Folha quer ser...

Rápido como uma bala

Rápido como uma bala. Sob o título "É um...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=