Lições de Palmares mantêm relevância hoje, diz historiador

Fundação promoveu seminário na Serra da Barriga, sede do quilombo

O Quilombo dos Palmares precisa ser entendido como momento fundador dos movimentos de resistência negros no Brasil, defende o historiador Zezito Araújo. O professor lecionou por 29 anos na Universidade Federal de Alagoas e fez parte da comissão que propôs, em 1988, a criação da Fundação Cultural Palmares. “Coloca-se Palmares apenas no passado, mas as lições de Palmares estão presentes”, enfatizou o pesquisador, que trabalhou pelo reconhecimento da Serra da Barriga, no local onde era a sede do quilombo, como espaço memorial.

Segundo o historiador, de maneira geral, são colocados como marcos as organizações negras fundadas no século 20, como o Movimento Negro Unificado, surgido na década de 1980. “Mas foi com Aqualtune que tudo começou, em 1597”, diz em referência à princesa congolesa, que após fugir da escravidão, teria organizado a resistência na região. O pesquisador participou de seminário promovido pela Fundação Palmares como parte das celebrações do Dia da Consciência Negra.

Conceito de liberdade

Para além das batalhas travadas por liberdade, Araújo destaca a necessidade de entender Palmares a partir da capacidade de construção social. “Nós queremos entender Palmares como lição e experiência de sociedade e, não apenas, como a tradição hegemônica de escritores brasileiros faz, de colocar escravizados versus colonizadores. Você simplifica a importância de Palmares”, afirma. A comunidade resistiu por cem anos antes de ser destruída por uma expedição militar comandada por bandeirantes.

Como elementos que mostram o nível de organização dos aquilombados, o professor lembra que os próprios registros dos colonizadores à época trazem testemunho sobre a relevante capacidade tecnológica dessa comunidade. “As bigornas, os vinhos que eles produziam, a manteiga que eles produziam”, enumerou.

“Esse é o nosso patrimônio imaterial que está registrado na história”, enfatiza Araújo. Para o professor, é preciso disputar mesmo conceitos como liberdade, muito associado a Revolução Francesa, que aconteceu 200 anos depois da fundação do quilombo. “A ideia de liberdade esteve, aqui, em Alagoas, com Zumbi dos Palmares e com os outros e outras que foram assassinados aqui. Esse é o grande patrimônio nosso essa que é a nossa grandeza”, diz.

+ sobre o tema

Simonal: Fabrício Boliveira vive a fama e as dificuldades do cantor em primeiro trailer

A cinebiografia do músico chega aos cinemas em agosto. Por Amanda...

Ritos fúnebres africanos desafiam modernidade no Caribe colombiano

Na Colômbia, onde se concentra a segunda maior comunidade...

Venus não encontra dificuldades para vencer na sua estreia em Madri

Americana bate Stefanie Voegele por 2 sets a 0,...

para lembrar

Beyoncé contrata 200 dançarinos africanos para novo clipe

Beyoncé contratou mais de 200 bailarinos africanos para o...

Exposição Virtual “Ensaio Negradê” está no ar

O site www.negrade.com.br já está no ar com o...

Botucatu, no interior paulista, lança Plano pela Igualdade

Botucatu/SP - Botucatu, cidade de 130 mil habitantes...
spot_imgspot_img

Itamar Vieira Junior estreia nos livros infantis com trama de crianças trabalhadoras

"O público infantil não deve ser poupado de conhecer essa realidade", afirma Itamar Vieira Junior que em seu primeiro título infantojuvenil, "Chupim", quer direcionar o olhar atento...

Alcione e Conceição Evaristo gravam clipe que faz crítica ao machismo: ‘Marra de feroz’

Veja que linda a foto de Alcione ao lado de Conceição Evaristo, em meio a gravação do clipe da canção “Marra de feroz”. Gravado em uma...

A esperança de Martinho em “Violões e cavaquinhos”

Martinho da Vila já brincou mais de uma vez que estava cansado de cantar que a vida ia melhorar, em referência ao refrão do clássico...
-+=