Liderança de mulheres quilombolas é tema da websérie que será lançada no Dia Internacional da Mulher por grupo de pesquisa da UFV

 Iyalodè, palavra iorubá para “aquela que lidera”, nomeia a primeira temporada da websérie “Meios de Prosa”. Nela, quatro mulheres de comunidades quilombolas de Minas Gerais falam sobre  os desafios de ser mulher, quilombola e negra, ocupando este espaço de liderança na articulação  entre os territórios e a esfera pública. A websérie, produzida pelo grupo de pesquisa Meios – Comunicação, Relações Raciais e Gênero da Universidade Federal de Viçosa (UFV), será lançada nesta sexta-feira, 8 de março, Dia Internacional da Mulher, e segue com o lançamento de um episódio por semana durante o mês inteiro, no YouTube e Instagram.

 No episódio de abertura, Maria Luiza Marcelino, 66 anos, mestra dos saberes de MG e liderança do quilombo urbano Namastê (Ubá), destaca a interseccionalidade na opressão de ser mulher preta, gorda, quilombola e de religião de matriz africana. E afirma: “Sou tudo aquilo que a sociedade não gosta”. Efigênia de Castro da Gama Catarino, 73 anos, líder da Comunidade Quilombola de Fátima (Ponte Nova), enfatiza em sua fala a preocupação com os jovens da comunidade e a falta de oportunidades: “Agora nós lutamos com conhecimento. Trabalhamos muito na valorização da nossa cor, da nossa roupa e do nosso cabelo”.

Patrícia Diniz Moreira Alves, 44 anos, segunda capitã do Congo, e liderança do Quilombo Nossa Senhora do Rosário de Justinópolis (Ribeirão das Neves), fala do desafio das mulheres passarem a ocupar o papel de líderes comunitárias: “As mulheres sempre foram lideranças, elas organizavam, mas quem aparecia à frente eram os homens”. Outra liderança da temporada Iyalodè é Carina Aparecida Veridiano, 33 anos,  da Comunidade Quilombola Buieié (Viçosa), que destaca sua motivação na luta: “É igual Umbuntu: eu sou porque somos. Se nós somos uma família todo mundo precisa viver bem, todo mundo precisa ter as coisas que dão dignidade para as pessoas.”

A coordenadora do Meios, professora Ivonete da Silva Lopes, informa que a temporada é um recorte da pesquisa “Dos quilombos às favelas: mulheres negras, interseccionalidade e acesso às tecnologias da informação e comunicação”, apoiada pelo CNPq e Fapemig. “Todas as entrevistas mostram como ao longo do tempo as mulheres têm sido essenciais na luta pelos direitos quilombolas. Elas falam das avós, mães, tias e outras mulheres quilombolas que as inspiraram a continuar na luta, apesar de racismo, machismo e outras discriminações”. 

 Cronograma dos episódios:

08/03 – Maria Luiza Marcelino  

15/03 – Efigênia Catarino

22/03 – Carina Verdiano

29/03 – Patrícia Alves

+ sobre o tema

Beyoncé dá destaque a designers de moda africanos

Na sua conta de Instagram, Queen Bey fez questão...

Beyoncé homenageia Meghan Markle a transformando em rainha

Bey aproveitou o Mês da História Negra para homenagear...

Slash, guitarrista do Guns N ’Roses fala sobre quem foi Michael Jackson realmente

Slash concedeu recentemente entrevista ao site Kerrang e revelou...

Rihanna escala modelo de 67 anos para campanha de sua grife “FENTY”

Além de ter se tornado uma verdadeira magnata da...

para lembrar

Mulheres Negras ocupam hoje as ruas de São Paulo em marcha

Negras marcham contra as opressões de raça, gênero e...

Estudantes quilombolas são aprovados no vestibular da UFBa

  Os cinco jovens aprovados na última seleção...

Menina-moça e negra: YouTubers fazem uma bela homenagem às adolescentes

“Ninguém era a rainha da popularidade do colégio”, alfineta...
spot_imgspot_img

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=