Liderança de mulheres quilombolas é tema da websérie que será lançada no Dia Internacional da Mulher por grupo de pesquisa da UFV

 Iyalodè, palavra iorubá para “aquela que lidera”, nomeia a primeira temporada da websérie “Meios de Prosa”. Nela, quatro mulheres de comunidades quilombolas de Minas Gerais falam sobre  os desafios de ser mulher, quilombola e negra, ocupando este espaço de liderança na articulação  entre os territórios e a esfera pública. A websérie, produzida pelo grupo de pesquisa Meios – Comunicação, Relações Raciais e Gênero da Universidade Federal de Viçosa (UFV), será lançada nesta sexta-feira, 8 de março, Dia Internacional da Mulher, e segue com o lançamento de um episódio por semana durante o mês inteiro, no YouTube e Instagram.

 No episódio de abertura, Maria Luiza Marcelino, 66 anos, mestra dos saberes de MG e liderança do quilombo urbano Namastê (Ubá), destaca a interseccionalidade na opressão de ser mulher preta, gorda, quilombola e de religião de matriz africana. E afirma: “Sou tudo aquilo que a sociedade não gosta”. Efigênia de Castro da Gama Catarino, 73 anos, líder da Comunidade Quilombola de Fátima (Ponte Nova), enfatiza em sua fala a preocupação com os jovens da comunidade e a falta de oportunidades: “Agora nós lutamos com conhecimento. Trabalhamos muito na valorização da nossa cor, da nossa roupa e do nosso cabelo”.

Patrícia Diniz Moreira Alves, 44 anos, segunda capitã do Congo, e liderança do Quilombo Nossa Senhora do Rosário de Justinópolis (Ribeirão das Neves), fala do desafio das mulheres passarem a ocupar o papel de líderes comunitárias: “As mulheres sempre foram lideranças, elas organizavam, mas quem aparecia à frente eram os homens”. Outra liderança da temporada Iyalodè é Carina Aparecida Veridiano, 33 anos,  da Comunidade Quilombola Buieié (Viçosa), que destaca sua motivação na luta: “É igual Umbuntu: eu sou porque somos. Se nós somos uma família todo mundo precisa viver bem, todo mundo precisa ter as coisas que dão dignidade para as pessoas.”

A coordenadora do Meios, professora Ivonete da Silva Lopes, informa que a temporada é um recorte da pesquisa “Dos quilombos às favelas: mulheres negras, interseccionalidade e acesso às tecnologias da informação e comunicação”, apoiada pelo CNPq e Fapemig. “Todas as entrevistas mostram como ao longo do tempo as mulheres têm sido essenciais na luta pelos direitos quilombolas. Elas falam das avós, mães, tias e outras mulheres quilombolas que as inspiraram a continuar na luta, apesar de racismo, machismo e outras discriminações”. 

 Cronograma dos episódios:

08/03 – Maria Luiza Marcelino  

15/03 – Efigênia Catarino

22/03 – Carina Verdiano

29/03 – Patrícia Alves

+ sobre o tema

Haiti, país ocupado

por: Eduardo Galeano  Se perguntar a qualquer enciclopédia qual foi...

Conheça lugares em São Paulo para praticar danças afro

5 lugares em São Paulo para fazer danças africanas Do...

Experiência de dor, resistência e liberdade: Pequenas Histórias de Escravas Fugidas

Não são expressões de própria lavra de escravas no...

Ao menos 161 morrem em supostos conflitos étnicos no nordeste do Congo

Ao menos 161 pessoas foram mortas em uma província...

para lembrar

Dona Jacira: “Pelo preconceito que sofri, cresceu uma fera dentro de mim”

Em Café, livro recém-publicado, a artista de 54 anos...

O NORDESTE TEM SOLUÇÃO.

É uma relação comum do homem nordestino com a...

PELOTAS: Semana Oficial da Consciência Negra

Fonte: Amigos de Pelotas -   Com um...

Exposição no Smithsonian revela a força de Oprah Winfrey

Mostra revela carisma e empatia da apresentadora que chegou...
spot_imgspot_img

Mostra sobre Lélia Gonzalez vê negros e indígenas como centro da cultura nacional

As escolas de samba do Rio, os blocos afro da Bahia, as congadas de Minas Gerais, as comemorações da Semana Santa e do Natal. O que todas essas celebrações têm...

Gilberto Gil afirma que não se aposentará totalmente dos palcos: “continuo querendo eventualmente cantar”

No fim de junho, saiu a notícia de que Gilberto Gil estava planejando sua aposentadoria dos palcos. Segundo o Estadão, como confirmado pela assessoria do...

Ex-seguranças da Chic Show, amigas se emocionam em festival: ‘Chorei muito’

A Chic Show, festa/baile black símbolo da resistência cultural negra paulistana, celebra 50 anos em grande estilo com um festival no Alianz Parque neste...
-+=