Lucia Xavier recebe homenagem por valorização e defesa dos Direitos Humanos

Na última sexta-feira, dia 23 de março, Lúcia Xavier, coordenadora geral de Criola foi uma das agraciadas na IV Homenagem Maria do Espírito Santo Silva Pela Valorização das Defensoras dos Direitos Humanos. Promovido pela Justiça Global, o evento aconteceu no Salão Nobre do Largo São Francisco de Paula do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IFCS-UFRJ), no Centro do Rio.

Do Criola 

Reprodução/ Facebook

Em sua fala, Lúcia lembrou da vereadora e ativista negra Marielle Franco, assassinada no último dia 14 deste mês. “Ela é presente em nossa vida porque ela é uma de nós. Por isso que resguardar sua memória, sua força e sua capacidade política é tão necessário”. Ela  frisou ainda que a luta pelos direitos humanos e por um mundo melhor é extremamente difícil porque ainda é vista por setores da sociedade como uma luta sem sentido.

Em nome de Criola, especialmente em nome de todas as mulheres negras, o agradecimento de Lúcia a esta homenagem vinda de uma organização de direitos humanos majoritariamente branca foi um convite à transformação. “Eu recebo este prêmio com o maior carinho, mas a maior homenagem que quero receber na vida é saber que cada um de vocês disse não a um privilégio, não a um bem-viver a custa desse sacrifício, porque o racismo nos mata e oferece a quem não abre mão dos privilégios dinheiro, boa vida, boa comida, água e terra. Vocês devem fazer esse trabalho e abrir mão dos privilégios”, disse.

Não faltaram exemplos para a plateia. “Quando vocês se recusam a assinar a carteira da empregada doméstica, a gente morre. Quando vocês não acreditam nas mães que perdem seus filhos, a gente morre. Quando vocês acreditam que as mulheres com muitos filhos devem ser esterilizadas, a gente morre”, completou.

A coordenadora de Criola explicou sua dor ao ouvir durante toda sua vida e militância cada mulher negra que se sentiu ofendida, que não pode enterrar um filho, que tem que lutar para viver e que não pode exercer a vida com a mesma plenitude que homens e mulheres brancos. “Teríamos todos, brancos e negros, uma vida melhor quando soubermos que vocês abriram mão de um privilégio em nome de uma mulher negra”.

+ sobre o tema

Taís faz um debate sobre feminismo negro em Mister Brau

Fiquei muito feliz em poder trazer o feminismo negro...

Conheça a história de Shirley Chisholm, primeira mulher a ingressar na política americana

Tentativas de assassinato e preconceito marcaram a carreira da...

Roda de Conversa: Mulher, raça e afetividades

O grupo de pesquisa Corpus Dissidente promove a roda...

Entristecemos

A recessão nos tirou festa e regalos e nos...

para lembrar

Caneladas do Vitão: Uma vez Anielle, sempre Marielle 2

Brasil, meu nego, deixa eu te contar, a história...

Cida Bento – A mulher negra no mercado de trabalho

Sinceramente eu nunca dei para empregada domestica acho que eu...

Primeira vereadora negra eleita em Joinville é vítima de injúria racial e ameaças

A vereadora Ana Lúcia Martins (PT) é a primeira...

Representantes da AMNB fazem reunião com ministra Luiza Bairros

Por volta do meio dia desta quinta-feira (14), as...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=