Macaé sanciona lei com penalidades para a intolerância religiosa

Foi aprovada e sancionada a Lei nº 5.154/ 2023 que institui sanções administrativas para quem causar danos aos praticantes, estruturas físicas ou simbologias de quaisquer religiões por motivos de intolerância.

De acordo com a Secretária de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Zoraya Braz, esse instrumento municipal é muito importante, pois reforça e desperta a consciência que intolerância religiosa também é crime, conforme a Lei-11.635-2007.

“A divulgação é essencial principalmente quanto aos atos criminosos de pessoas físicas e jurídicas que discriminam os praticantes de religiões de matrizes africanas, que são mais afetados. A Lei municipal é um respaldo, que dá mais visibilidade a essa questão e reforça a lei federal, responsabilizando pessoas físicas e jurídicas. A proposta é fazer reflexão de valores e posturas quanto à vida, racismo e intolerância religiosa”, pontuou.

Conforme a lei, também deve ser realizada produção e fixação em local visível de cartaz com conteúdo relacionado ao respeito à diversidade religiosa e combate ao racismo religioso, contendo, obrigatoriamente, os meios de denúncia de tais atos.

Todavia, em caso de reincidência ou de retirada do cartaz antes do prazo será aplicada cumulativamente a multa de R$ 2.000,00 (dois mil reais) por ato para custear programas e campanhas contra o racismo religioso promovidos pelo Poder Público.

Vale lembrar, que as sanções previstas nesta Lei não excluem outras de natureza penal e a obrigação de indenizar os danos de ordem material e moral

Macaé segue a Lei 4.942/2022, sancionada pelo prefeito Welberth Rezende, que dispõe do Estatuto Municipal de Promoção da Igualdade Racial. O documento tem como objetivo a superação do preconceito, da discriminação e das desigualdades raciais.

A Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial conta ainda com o Disque Racismo, que atende pelo número (22) 99244-7709. A ferramenta continua sendo um canal de acolhimento e orientação, servindo como instrumento para a identificação de comportamentos racistas e discriminatórios (cor, etnia, religião, idade, deficiência ou gênero).

Foto em destaque: Reprodução/ Macaé Prefeitura

+ sobre o tema

Leci Brandão sai em defesa da Vai-Vai: ‘Nenhuma instituição está acima da crítica’

'A crítica social é necessária na medida em que...

Nota de esclarecimento GRCSES VAI-VAI

Em 2024, a escola de samba Vai-Vai levou para...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO),...

para lembrar

Ato inter-religioso marca aniversário da Comissão de Combate à Intolerância

Nielmar de Oliveira, Representantes de várias religiões estiveram presentes na...

“Ser macumbeiro e morar na favela é risco de vida”

Opinião sobre a situação da intolerância religiosa atualmente no...

Secretaria da Justiça vai criar uma Coordenadoria de Diversidade Religiosa

Durante encontro com o Grupo de Diálogo Inter-religioso de...

‘Por que não me respeitam?’, indaga menina agredida por ser do Candomblé

“Eu não entendo por que está acontecendo isso tudo,...
spot_imgspot_img

Na mira do ódio

A explosão dos casos de racismo religioso é mais um exemplo do quanto nossos mecanismos legais carecem de efetividade e de como é difícil nutrir valores...

Iemanjá: conheça a rainha do mar celebrada no dia 2 de fevereiro

‘Quanto nome tem a Rainha do Mar?’ O verso inicial de Maria Bethânia ecoa a presença múltipla da mãe dos orixás no imaginário brasileiro, tomando...

Celebrações para Iemanjá acontecem em Salvador e outras cidades baianas no dia 2 de fevereiro

Já há alguns anos, as celebrações a orixá Iemanjá realizadas no bairro do Rio Vermelho em Salvador entraram para o calendário das festas de largo que...
-+=