Mãe descreve racismo contra a filha e faz apelo emocionante: ‘Triste por mim e por ela’

Não foi a primeira vez que X., de 12 anos, chegou à casa triste. Mas, nesta terça-feira, a adolescente chegou ao seu limite. Chorando muito, a menina precisou da ajuda de uma amiga para verbalizar para a mãe as cenas que viveu na escola, em Nova Iguaçu, e em todo o trajeto até chegar em casa: ela sofreu com a discriminação por conta dos seus cabelos crespos em atos racistas com deboche, xingamento e intimidação. Os cerca de cinco colegas chegaram inclusive a ameaçar a garota com a postagem, no Facebook, que tiraram dos fios. Assustada com o desespero da filha, Renata Silva dos Santos, de 30 anos, escreveu um relato emocionante em seu perfil na rede, e fez um apelo para que situações como esta não se repitam.

Por Carla Nascimento, do Extra 

No texto, ela descreveu o que aconteceu com a menina e pediu o fim de atos como esse. “Não ao preconceito, nossos filhos negros e negras merecem respeito. Cor da pele, cabelo crespo ou liso não fazem o caráter de ninguém. Quantas como ela não chegaram em casa chorando ontem, vão chegar hoje e amanhã? Vamos dar um basta nisso através de uma rede social ou de qualquer maneira! Eu ia me calar, mas minha filha ia sofrer de novo e isso não posso permitir, porque já sofri quando criança e me calei. Hoje não vou me calar”.

Ao EXTRA, Renata falou de sua reação quando soube o que acabara de acontecer com a menina:

— Eu me vi nela. Quando era criança, me chamavam de neguinha do cabelo duro, cabelo de bombril, então quando vi o que ela tinha passado fiquei triste por ela e por mim. Ela sofre com racismo desde o maternal, quando tinha 2 ou 3 anos. Um dia, uma menina disse para outra amiguinha não brincar com a minha filha porque ela é preta — contou Renata, que está desempregada há um mês.

O post, forte e amoroso, tomou conta das redes sociais e, em menos de 24 horas, já tinha mais de quatro mil compartilhamentos e centenas de comentários de encorajamento. Feliz da vida, Renata espera que tantas palavras de apoio ajudem a filha e outras meninas que passam por situações de racismo.

— Já era para a minha filha acreditar que ela é linda, porque ela é. Mas agora acho que, com tantas mensagens, ela vai finalmente acreditar. Espero também que essa mensagem chegue a outras pessoas, para que ninguém passe por essas mesmas coisas. Não quero mais ver a minha filha tímida, retraída, tentando se esconder atrás de mim nas festas — diz Renata, por telefone. Nesse momento, o coração de mãe se alivia. X. acabava de chegar da escola: — Estava com medo de represálias, porque fui reclamar e as coordenadoras conversaram com os alunos que fizeram isso — revelou a mãe.

Enquanto a unidade de ensino não toma uma providência com relação aos outros estudantes, Renata quer aproveitar o sucesso da postagem: à adolescente, foram oferecidas sessões de fotos, entrevistas, presentes e muitos elogios. Para a mãe, uma oportunidade de resgatar a autoestima da menina:

— Se os alunos não forem punidos pela escola, vou à polícia. Mas agora é momento de cuidar da minha filha, que precisa de apoio — afirma.

Veja o desabafo, na íntegra:

maenegralinda
Mãe escreveu desabafo no Facebook Foto: Facebook / Reprodução

+ sobre o tema

Como as escolas de samba nos ensinam sobre ancestralidade

Desde que foram criadas, escolas de samba têm sido...

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente...

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

para lembrar

Filha sofre com preconceito racial e mãe faz desabado emocionante. Veja vídeo!

"Por mais que falamos exaltamos a autoestima deles, tem...

Presidente de clube é condenado por racismo

-Fonte: Jornal de Uberaba - Presidente de um clube...

Nos EUA, prefeita renuncia após apoiar insultos racistas contra Michelle Obama

A prefeita Beverly Walling, da pequena cidade de Clay,...

Racismo e opressão no governo italiano

Por Marina Fuser*   Novos escândalos colocam o primeiro-ministro italiano de...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=