Maria Marighella se torna a primeira presidente nordestina da Funarte

Enviado por / FonteDa Revista Marie Claire

Vereadora e neta do guerrilheiro Carlos Marighella, morto há 53 anos, foi nomeada durante posse da ministra da Cultura, Margareth Menezes. Vereadora de Salvador, ela tem experiência na coordenação e direção de diversos espaços culturais da Bahia

A vereadora baiana Maria Marighella foi a escolhida pela ministra da Cultura Margareth Menezes para presidir a Fundação Nacional das Artes (Funarte). O nome da nova presidente foi anunciado durante a posse de Margareth, realizada em Brasília na última segunda-feira (2).

Assim, Marighella se torna a primeira mulher nordestina da história a comandar a fundação. Ela é apenas a segunda mulher a chegar ao cargo, depois da empresária Edméa Falcão, que aturou à frente do órgão entre 1983 e 1984.

Nesta terça-feira (3), ela foi ao Twitter para dizer que aceitou o cargo “com a tarefa irrefutável de retomarmos a construção da Política Nacional das Artes, interrompida pelo golpe de 2016, e conectarmos essas políticas ao Brasil do futuro”.

“Assumo com muita honra a missão que me foi confiada pela Ministra Margareth Menezes – a quem celebro e agradeço. É uma grande responsabilidade ser a primeira mulher nordestina a ocupar esta Presidência”, escreveu Marighella na rede social.

A veia política de Maria Marighella vem de berço. Ela é neta do guerrilheiro Carlos Marighella, morto por militares em novembro de 1969. Figura revolucionária, foi um dos principais opositores da ditadura durante sua vigência. Ele enfrentou o regime junto da organização de luta armada que fundou em 1968, a Ação Libertadora Nacional (ALN).

Maria também é atriz e ativista da cultura. Ao longo de sua trajetória, foi gestora do Ministério da Cultura durante a gestão do ex-ministro Juca Ferreira, durante os outros governos dos presidentes Lula Dilma Rousseff. Também foi coordenadora de teatro da Funarte e da Fundação Cultural do Estado da Bahia, e dirigiu diversos espaços culturais da Secretaria de Cultura da Bahia.

Em 2020, foi eleita vereadora em Salvador pelo PT. Durante sua atuação, apresentou o projeto de lei nº176/2021, que visava associar o dia 28 de maio ao Dia Internacional da Higiene Menstrual no calendário de eventos da capital baiana. O intuito era de realizar atividades e programações para ampliar a discussão e normalização da menstruação. Também se posicionou de maneira contundente pela justiça e preservação da memória das vítimas da ditadura militar no Brasil. Em 2022, foi candidata à deputada federal, mas não foi eleita.

+ sobre o tema

Mulheres criam protetor solar próprio para a pele negra

As nigerianas Chinelo Chidozie e Ndidi Obidoa lançaram a...

Zaika dos Santos canta o protagonismo da mulher negra

Compositora busca em sonoridades negras da Jamaica, África e...

O que é ser uma “nega metida”?

Há uns dias, uma pessoa x virou pra mim...

Stephanie Ribeiro: em poema, colunista relembra o abandono do pai

Em texto lido na última edição do TEDX, no...

para lembrar

Para mulheres negras, ‘participação política é acompanhada de violência’

“A gente já está cansada de Genivaldos, de George...

Doméstica vítima de escravidão toma posse como deputada estadual em SP

Ediane Maria (PSOL) não é apenas a primeira empregada...
spot_imgspot_img

Deputadas do PT e de outros partidos de esquerda pedem em carta a Lula mulher negra no STF

Um grupo de 25 deputadas federais da base aliada do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, das quais 15 petistas, enviou, na sexta-feira,...

O impacto trazido pela primeira juíza negra no Supremo dos EUA

A discussão sobre qual será a indicação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao Supremo Tribunal Federal (STF) após a aposentadoria de...

Juíza negra assume secretaria do CNJ e luta para não ser exceção

A cadeira da magistrada Adriana Cruz, 53, na 5ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro é um espaço que ela define como coletivo. Nela...
-+=