segunda-feira, novembro 28, 2022
InícioEducaçãoMestrado de Mariana no Graduate Institute por Mariana Alves Tavares

Mestrado de Mariana no Graduate Institute por Mariana Alves Tavares

O projeto

Olá!
Meu nome é Mariana Tavares, tenho 24 anos e sou de Campinas – SP.
Muito obrigada por acessar minha página de financiamento coletivo!

Enviado por Mariana Tavares para o Portal Geledes

Para explicar o porquê preciso do seu apoio resolvi apresentar a história da minha família. A carta abaixo fez parte da documentação enviada ao Graduate Institute of International and Development Studies que me rendeu a aprovação no mestrado e a bolsa parcial.

Confira como a educação mudou a história de uma família afro-brasileira e apoie o meu projeto! :)

O valor de uma excelente educação está intrínseco na história da minha família. De acordo com o jornal Correio Popular de Campinas, a Sra. Sebastiana Sylvestre Correa, em seu aniversário de 100 anos, em 1959, lembrou-se do dia em que recebeu a sua liberdade após longos anos de escravidão no Brasil. Embora seu sonho de ser alfabetizada não tivesse sido realizado, ela sabia que o maior bem que ela poderia proporcionar à sua família era a educação que não recebera. Sebastiana foi a minha tataravó e ela é a fundação da minha família, a essência do porquê a educação sempre foi absolutamente central para nós.

Somos uma família cujos ancestrais acreditaram no poder que a educação poderia dar para lutar por direitos civis historicamente negados, de modo que isso foi passado ao longo das gerações. No Brasil, há um grande déficit entre as escolas públicas e privadas que divide a sociedade entre as pessoas que terão um futuro melhor e as que não.

Meus pais esforçaram-se para dar-me e a minha irmã o acesso à uma boa educação fundamental. Durante anos, tivemos uma bolsa de estudos em uma escola privada de renome em nossa cidade. Meu bom desempenho resultou na aprovação em uma das melhores universidades do país, a Universidade Estadual Paulista (UNESP).

Aprendi que a situação financeira ou cultural de alguém nunca deve extinguir a sua verdadeira voz. Eu escolhi estudar Comunicação Social – Jornalismo com o objetivo de usar a comunicação como uma ferramenta para aumentar o acesso aos direitos básicos em um país marcado por fortes desigualdades de gênero e raça.

Me mudei para Bauru para estudar na UNESP e, embora a universidade seja pública, as despesas da cidade com moradia, alimentação e transporte foram um fator preocupante para mim e minha família. Como resultado do desempenho acadêmico na universidade, recebi uma bolsa de estudos do governo ao longo dos quatro anos de universidade e pude investir nos estudos de francês e inglês. Além disso, complementava a minha renda vendendo semi-jóias para ajudar com as despesas.

Em 2015, fui estagiária do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV / AIDS (UNAIDS) em Brasília, uma das cidades mais caras do Brasil, sem remuneração. Continuei a estudar à distância e a minha Universidade continuou a financiar a minha bolsa de estudos para manter as ligações com a UNESP e continuei a comercializar as semi-jóias.

O meu estágio com as Nações Unidas reforçou o sonho para a carreira que desde então venho tentando criar. Como jovem afrobrasileira, me dediquei e procurei meu próximo desafio com a determinação de fazer uma contribuição maior.

E assim, após meses de estágio, fui contratada como Consultora de Comunicações para o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) , onde trabalhei durante a Reunião Regional da América Latina e Caribe para a Década Internacional de Afrodescendentes no Brasil.

Posteriormente, ingressei na Equipe de Comunicações do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) em Brasília, onde trabalhei por um ano. Nesta ocasião tive a oportunidade de aperfeiçoar meus conhecimentos em direitos humanos, aprendi novas habilidades em advocacy e governança, e ganhei experiência em cooperação internacional e desenvolvimento.

Em 2016, fui aprovada para o prestigioso Fellowship for People of African Descent do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), em Genebra, Suíça. Nessa ocasião, aproveitei a oportunidade para estar na sede das Nações Unidas para compartilhar, com orgulho, a história de perseverança de uma ex-escrava brasileira que lutou pela sua família. Sou fruto do esforço e dedicação de uma família afro-brasileira para superar as injustiças e transpor barreiras históricas.

Com grande ambição e paixão, acreditei em sonhos que por vezes pareceram distante da minha realidade e que jamais viriam a se realizar. Por anos sonhei com a oportunidade de fazer o meu mestrado no prestigiado Graduate Institute of International and Development Studies em Genebra, Suíça. Apliquei para o curso de Antropologia e Sociologia do Desenvolvimento bem como para o programa de bolsas do Instituto.

Felizmente tive a honra de ser aprovada para programa de mestrado e receber bolsa parcial para arcar com os custos de vida na cidade e parte das taxas cobradas pelo Instituto.

Sou a primeira pessoa da minha família a sonhar em estudar fora do Brasil e a minha intenção é aproveitar todas as oportunidades educacionais! Entretanto, a atual condição financeira da minha família não é suficiente para suportar os custos deste prestigioso mestrado e despesas em Genebra.

Por esse motivo, peço o apoio de todas e todos para investir e apoiar a minha formação, para que eu possa realizar o meu pleno potencial.

Agradeço antecipadamente por sua consideração.

Muito obrigada!

Mariana Tavares

Orçamento

Valor a ser arrecadado – R$10.000 (dez mil reais)

Taxa anual do Graduate Institute – CHF 2.000 (dois mil francos suíços) ou R$ 6.500 (seis mil e quinhentos reais)
Cotação Franco Suícos – Real: 1 Franco Suíço = 3,25 Reais

Taxa do Cartase – R$ 1.300

Passagem de avião (ida) – R$ 2.200 ( dois mil e duzentos reais)

APOIE ESTE PROJETO

** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench