MÍDIA & JUSTIÇA: a contínua obscuridade dos interesses da imprensa

A imprensa hegemônica brasileira não favorece o debate. Amealha um punhado de intrigas políticas fundadas em interesses que as próprias organizações de comunicação insistem em esconder das suas redações. Publica-se o que deve ser publicado e ponto final. Das análises de sua mortificada ética e credibilidade não sobra um traço perfeito da verdade dos fatos, esta cantilena mentirosa e vil disparada em propaganda pelos próprios construtores da notícia. Luta-se antes por uma verdade que devora todas as outras, inclusive as verdades que o povo, agora navegador do mundo das informações, já interpreta como inverdade. Porque a imprensa hegemônica brasileira, de modo geral, abdica do senso comum para ser, como somente ela sabe ser, elitista.

por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés

Para as vozes que transformam o elitismo em minoria, antecipo uma contra-argumentação: a referência neste caso evidencia o apego ou a dependência da imprensa aos grandes grupos econômicos, dos interesses hegemônicos que cercam as redações, das manipulações engendradas ao longo dos tempos por interesses e privilégios que ultrapassam a simples construção do noticiário. No caso, os menos favorecidos deste modelo de elitismo midiático seriam todos aqueles que leem um jornal na expectativa de se deparar com análises verdadeiras. Verdadeiras não no sentido do absolutismo do conceito, mas credíveis, cercadas de credibilidade. E de certo modo, é preciso pensar que a imprensa já não cumpre com a verdade/credibilidade.

Por ideiais que são cada vez mais obscuros ou tortuosos, a imprensa trilha o caminho mais fácil do não debate, ou da não profundidade do debate. Ela necessita que seja assim. Incomoda quando alguém, do próprio círculo da comunicação, irrompe com uma crítica feroz. Porque a imprensa não gosta de ser criticada, não gosta de ser pautada, não gosta de regulamentações. Mas no interlúdio desta última afirmativa e a próxima, vale a pensa dizer que a imprensa vive de críticas alheias, pauta a vida dos brasileiros consumidores de informações e exerce ainda, sobre suas regulamentações, um poder indescritível nas fileiras desta república. E a imprensa tem sobrevividos de empreitadas. A última é impor aos brasileiros a derrocada fina, porque, afinal, nós nunca passamos de uma república de bananas.

A imprensa brasileira, que sempre admirou os Estados Unidos, o primeiro mundo, a Europa, não enxerga no Brasil senão o reflexo da derrota, daquilo que deveria ser e não foi. Mata-se diariamente a essência do povo brasileiro quando ele é lançado abaixo, atirado ao fosso com todas as conquistas, mesmo as menos expressivas. Degusta-se com prazer o liquido sumarento das crises políticas, do mal momento. Porque profetas de desventura, na imorensa, têm reserva em espaço VIP. Não importa o quanto se achincalhe o Brasil, suas instituições, sua política, o poder estabelecido. Dize-se: tudo em nome e defesa do povo. Mas o povo, quando reconhece o sabor amargo do veneno midiático, arqueja combalido no posfácio de sua melancolia, já derrotado de outras batalhas.

A luta não é de classes, de ideologia, de grupos ou partidos políticos. A luta é pela credibilidade de um país. E não pode haver credibilidade se a sujeira é escondida debaixo do tapete; se por vinte anos um câncer continuar escondido nas entranhas de uma estatal; não pode haver credibilidade se a imprensa e a justiça utilizam dois pesos e duas medidas para tratar de assuntos da mesma alçada; jamais poderemos ser justos se acreditamos numa imprensa que investiga além da polícia e de uma polícia que prende, acusa, para somente depois investigar; como poderemos acreditar em veículos de comunicação que interferem no ritmo das investigações e definem a construção dos fatos de acordo com seus interesses? Por isso, a ideia do marco regulatório é repugnante, cheira a censura, cassa a liberdade. Rechaçam tudo o que regula. A imprensa faz o que quer do Brasil e ponto final.

 


Mailson Ramos é Relações Públicas, criador dos sites Opinião & Contexto e Nossa Política. É também colunista do Pragmatismo Político e Observatório da Imprensa.

+ sobre o tema

Trabalho escravo: Maioria dos resgatados é do Maranhão

O Estado é um dos principais de origem dos...

Além do Espelho – Um filme de Ana Flauzina

O encontro das vozes de duas das mais importantes...

Mídia hegemônica destaca quando negro é responsabilizado pelo racismo

O antropólogo Antonio Risério e a ex-consulesa da França,...

para lembrar

Heraldo Pereira recusa cargo de porta-voz do governo Temer

Comentarista do Jornal da Globo e apresentador esporádico do...

Lelê Teles: Bolsonaro, um dos “filhos” da mídia brasileira

O QUE DISSE BOLSONARO QUANDO DISSE O QUE DISSE? por...

Uma nova alternativa para preservar a fertilidade frente ao câncer de mama

Um estudo revela que a administração de um hormônio...

Combate ao racismo é tema de curso para metalúrgicos do Rio Grande do Sul

Atividade aconteceu hoje (7) em Porto Alegre e é...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=