Miss é eliminada por ser mãe. Em que ano estamos?

Enviado por / FonteDW, por Nina Lemos

Alguns concursos de beleza continuam apegados a regras da década de 1950, mas outros se modernizam. Na Alemanha competição passou a premiar mulheres não só pela beleza, mas por trabalhos sociais. É o mínimo, não?

Elas precisam ser lindas, altas e magras. Além disso, é necessário que tenham entre 17 e 27 anos, não sejam casadas e não tenham filhos.

Parece que estou descrevendo as regras para participar de um concurso de beleza dos anos 50 ou de um evento que vai apresentar mulheres “boas para casar” para a sociedade no seriado “Bridgerton”, ambientado no século 19. Mas não. Esse é o regulamento do concurso Miss Mundo de 2024 mesmo. E ele é levado a sério.

Nos últimos dias, um vídeo de uma mulher chorando viralizou no Brasil. Tratava-se de Carla Cristina, que foi escolhida como Miss Acre em julho do ano passado e representaria o estado na disputa que escolheria a brasileira que participará do próximo Miss Mundo.

Carla tinha ganho o concurso, mas foi desclassificada por uma razão para lá de antiquada e injusta: ela tem um filho. “Acabei de ter meu título retirado. Quem me conhece sabe, quem vive comigo sabe o quanto trabalhei, fiz rifas, vendi até sopa para pagar minha taxa, que era de R$ 5.000, e eles não trabalham com reembolso.”, desabafou.

A coordenadoria do evento afirmou em nota que:

“Desde a sua criação, em 1951, o Miss Mundo tem como regra que as candidatas devem ser solteiras, não serem mães, sem nunca terem sido. Todas as coordenações estaduais conhecem tal regra e seus concursos devem ocorrer de acordo com as regras do concurso Miss Mundo e Miss Brasil Mundo. As candidatas que participam do concurso devem ser informadas sobre as regras do concurso em que estão participando.”

De fato, “não ter filhos” é uma regra do concurso – o que é chocante. E ela ter sido criada em 1951, ou seja, há mais de 70 anos, explica bem o descompasso com os dias atuais.

Carla não é a primeira a passar por isso. Em 2019, a ucraniana Veronika Didusenko venceu o concurso nacional e foi desclassificada quatro dias depois devido ao mesmo motivo: ser mãe. Na época, ela afirmou que processaria os organizadores da competição.

Absurdo? Com certeza. Afinal, só a ideia de um show onde mulheres desfilam de maiô para terem seus corpos medidos e analisados por jurados, em geral, homens, já parece antiga, machista e sem propósito em 2024. Com essas regras e esse tipo de discriminação, tudo fica ainda mais anos 50.

Sem desfile de maiô

Mas alguns concursos de miss se modernizam no mundo todo. Na Alemanha, por exemplo, depois de ser duramente criticado, o concurso mudou totalmente e passou, desde 2020, a premiar mulheres não só pela sua beleza, mas pelo seu comprometimento e trabalhos sociais. Desde então, a premiação também permite a participação de mulheres casadas e mães (ufa) e elevou o limite de idade em dez anos para incluir mulheres de até 39 anos. Além disso, o concurso aboliu a prova onde as mulheres desfilam de maiô.  É o mínimo, não?

Em 2022, a eleita foi a brasileira Domitila Barros, então com 37 anos. Ela é modelo, atriz e empreendedora social. Domitila foi escolhida, entre outras coisas, pelo seu comprometimento com causas sociais, como o trabalho que realiza com as crianças da favela onde ela cresceu no Recife. A final deste ano acontece no próximo sábado (24/02) e inclui, por exemplo, Christina Modrzejewski, ativista pela inclusão e cadeirante, que pode virar a primeira mulher com deficiência a ser eleita Miss Alemanha. Tomara.

Em temos de meninas feministas e Barbies se revoltando (falo do filme, claro) até o Miss Universo, o concurso mais famoso do mundo se modernizou (pelo menos um pouco).

Desde o ano passado, eles passaram a aceitar candidatas mães, casadas e divorciadas. Desde 2012, mulheres trans também podem participar do concurso.

E a partir desse ano, uma grande novidade vai ser implementada: não vai haver mais limite de idade para as participantes. Chega a ser meio ridículo ter que comemorar mudanças tão óbvias. Mas vamos lembrar que em alguns concursos, como o Miss Mundo, do qual Carla foi expulsa, nada mudou e eles seguem apegados à cartilha “como ser uma boa moça nos anos 50”. Será que esse tipo de concurso tem futuro?

Sinceramente, acho (e espero) que não. Sim, eu gostava de ver o concurso quando criança. Mas as coisas mudam e não faz mais sentido que mulheres desfilem de maiô, tenham seus corpos julgados e sejam tratadas como “bobinhas” que só leram um livro: “O Pequeno Príncipe”.

Outros países podiam copiar a Alemanha nessa. E se é para os concursos continuarem existindo, tomara que mais mulheres fortes como Domitila sejam premiadas. Independentemente de serem mães, casadas, divorciadas ou solteiras.

+ sobre o tema

Maioria entre informais, mulheres têm lugar central na inédita renda emergencial

Por três meses, mães chefes de família terão acesso...

Feminismo, empoderamento e solução: a singularidade de Karol Conka

Sucesso indiscutível entre a crítica e os internautas, a...

Recriando nossas potencialidades e enfrentando o medo de contar nossa própria história

Por que é tão difícil para nós mulheres negras...

Camila Pitanga é eleita Embaixadora Nacional da Boa Vontade

Atriz ganhou o título da ONU Mulheres Brasil e...

para lembrar

São Paulo publica estudo sobre mobilidade das mulheres na cidade

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano (SMDU) acaba de...

Demência atinge 6,6 milhões de mulheres, mais do dobro dos homens

A demência atinge na Europa cerca de 6,6 milhões...

Como a maternidade regula a vida sexual e afetiva das mulheres

Que a maternidade é uma ferramenta de opressão violenta...

Artigo: Mulheragem

Expressão ao ato público como mostra de admiração a...
spot_imgspot_img

Tempo para início de tratamento de câncer de mama é 3 vezes maior que o previsto em legislação

O tempo médio para o início do tratamento de câncer de mama no SUS (Sistema Único de Saúde) é quase o triplo do período previsto pela Lei...

Ação da ApexBrasil faz crescer número de empresas lideradas por mulheres nas exportações

Para promover mudança é preciso ação, compromisso e exemplo. Disposta a transformar o cenário brasileiro de negócios, há um ano a ApexBrasil (Agência Brasileira...

‘Não tenho história triste, mas ser mulher negra me define muito’, diz executiva do setor de mineração, sobre os desafios para inclusão na indústria

Diretora de relações governamentais e responsabilidade social da Kinross Brasil Mineração, Ana Cunha afirma que a contratação de mulheres no setor, onde os homens...
-+=