Morre Nalu Faria, símbolo da luta feminista no Brasil

Uma das militantes mais importantes do país desde a década de 1980, ela influenciou a formação de centenas de mulheres

Faleceu nesta sexta-feira (6) a militante feminista Nalu Faria, uma das mais importantes figuras da militância nacional, coordenadora da Marcha Mundial das Mulheres e integrantes da Sempreviva Organização Feminista (SOF). Na luta popular desde a década de 1980, ela influenciou a formação de centenas de companheiras e teve papel essencial na articulação pelos direitos das mulheres no Brasil.

Psicóloga de formação, Nalu Faria entrou para a militância estudantil no fim da década de 1970, quando estava na graduação, em Uberaba (MG). O primeiro contato com o movimento aconteceu por meio da pauta do passe livre para estudantes. 

Em entrevista para a Revista Estudos Feministas, concedida em 2012 – uma das raras ocasiões em que falou da própria trajetória – ela contou que, em 1980, participou da primeira celebração do 8 de março na região. A partir daí, o feminismo passou a fazer parte da vida da militante. 

Nalu Faria se mudou para São Paulo em 1983. Participou do grupo Democracia Socialista (DS), tendência interna do Partido dos Trabalhadores (PT) em atuação até os dias de hoje. Na conversa de 2012 com as pesquisadoras Carmen Susana Tornquist e Soraya Resende Fleischer, ela falou sobre o período.

“Passei a participar de um debate mais estruturado sobre o feminismo. Desenvolvi minha militância no PT, no trabalho de mulheres nos sindicatos e na Central Única dos Trabalhadores (CUT), e, a partir de 1986, passei a atuar na Sempreviva Organização Feminista (SOF) e, portanto, com muita presença no movimento popular.”

Essa atuação esteve muito focada na formação e no questionamento crítico, inclusive dentro do próprio movimento, “ao longo dos anos 1990 na SOF, questionamos muito sobre qual deveria ser uma estratégia de construção do movimento de mulheres para incorporar os vários setores e também para ter uma agenda mais global que desse conta de pensar na totalidade da problemática das mulheres”, disse ela à revista.

Em artigo publicado no Brasil de Fato em março passado, Nalu Faria ressaltou a grandeza das celebrações mundiais do Dia Internacional das Mulheres em 8 de março e a invisibilidade do trabalho cotidiano e revolucionário das mulheres.

“Essa grandeza nos conduz a olhar de forma muito aguda para a realidade vivida por nós, mulheres. De um lado, salta aos olhos como nós, mulheres, sustentamos a vida com o trabalho interminável, marcado por múltiplos afazeres simultâneos, precariedade, racismo, controles e imposições sem fim. Assim, as mulheres garantem o cuidado da vida na casa e na sociedade em geral, e atuam também na resistência aos ataques contra os territórios e às tentativas de destruição dos modos de vida. Todo esse trabalho tem uma dimensão invisível: as mulheres estão garantindo conexões entre as pessoas, os tempos, as gerações, os conhecimentos, os afetos.”

Assista à entrevista que Nalu Faria deu ao Brasil de Fato em 2017:

Nalu Faria estava em tratamento por insuficiência cardíaca e havia sido internada há dois meses na cidade de São Paulo. Relatos de amigas, companheiras de luta e da família contam que ela mantinha o ânimo a garra e a determinação de sempre. Ela faleceu aos 64 anos.

+ sobre o tema

Feministas indicam desafios para avanço das políticas para as mulheres

Em reunião com a ministra da Secretaria de Políticas...

Graciliana Selestino Wakanã: ‘O que a gente quer é viver bem’

Graciliana Selestino Wakanã, do povo Xucuru Kariri, fala sobre...

Vozes femininas disputam espaço na Rio+20

"Se alguém acha que somos invisíveis, está na hora...

Agressor de mulher terá que pagar gastos do INSS

Medida começará por Espírito Santo e Brasília, mas deve...

para lembrar

Desvendando Luiza Mahin: Um mito Libertário no cerne do Feminismo Negro

Desvendando Luiza Mahin: Um mito Libertário no cerne do...

Toda mulher precisa enlouquecer de vez em quando, ou acaba por enlouquecer de vez

Curiosamente, um mundo loucamente imperfeito nos exige perfeição o...

Dia Internacional da Mulher: a luta continua

No dia 8 de março de 1857, em uma fábrica...

Nísia Floresta: A feminista brasileira que você não encontrará nos livros de história

Pouco estudada, a escritora nordestina que viveu no século...
spot_imgspot_img

Angela Davis completa 80 anos como ícone marxista e antirracista

A obra de Angela Davis, 80, uma das mais importantes intelectuais do campo do pensamento crítico, se populariza a passos largos no Brasil, país...

Os feminismos favelados inscritos nos corpos das mulheres da Maré

Andreza Jorge cresceu em Nova Holanda, dentro do maior e mais populoso conjunto de favelas do Rio de Janeiro: o Complexo da Maré. De...

“O feminismo branco foi construído em cima da precarização do trabalho da mulher negra”, diz Ana Maria Gonçalves

O Roda Viva recebe nesta segunda-feira (17) a escritora Ana Maria Gonçalves, autora do premiado livro 'Um Defeito de Cor'. Durante a entrevista, a autora defende a manutenção...
-+=