domingo, dezembro 4, 2022
InícioQuestão RacialCasos de RacismoMovimentos sociais fazem protesto em biblioteca após caso de racismo em SP

Movimentos sociais fazem protesto em biblioteca após caso de racismo em SP

Grupos com faixas e bandeiras afirmaram que local é um espaço de cultura e não de estupidez

Dois movimentos sociais ocuparam nesta quarta-feira (3), de forma simbólica, as cadeiras e mesas da Biblioteca Mário de Andrade, na República, região central de São Paulo, em protesto contra os ataques racistas e homofóbicos ocorridos no local no dia anterior.

O Movimento Raiz da Liberdade e o MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) foram à biblioteca com faixas e bandeiras para afirmar que não aceitarão a ocupação de espaços públicos por “gente fascista que só quer disseminar ódio e preconceito”.

Na terça-feira (2), Wilho da Silva Brito, 39, foi preso após uma série de afirmações racistas e homofóbicas na biblioteca. Os ataques foram registrados em vídeo que circula nas redes sociais. O Tribunal de Justiça de São Paulo converteu a prisão do homem em preventiva e ele deve ser encaminhado para um CDP (Centro de Detenção Provisória).

Wilho estava com os livros “Minha Luta”, de Adolf Hitler, e “Uma Breve História do Tempo”, de Stephen Hawking.

Na manifestação desta quarta, integrantes dos movimentos sociais leram páginas de livros como “O Alienista”, de Machado de Assis, e “Não Culpe sua Mãe”, de Paula Caplan.

Nas escadarias da biblioteca, os ativistas afirmaram, em jogral, que a biblioteca é um espaço de cultura, aprendizado e conhecimento e não de estupidez.

“O objetivo do ato foi mostrar que um espaço de cultura e conhecimento não é espaço para racismo e lgbtfobia. Não iremos nos calar. Basta de discurso de ódio e da naturalização do absurdo”, disse Ediane Maria, coordenadora dos dois movimentos.

Segundo a Prefeitura de São Paulo, responsável pela biblioteca, o acusado já havia causado outros problemas no local.

Por meio de nota, a Secretaria Municipal de Cultura repudiou as falas e as atitudes “nazistas, homofóbicas e racistas”. Segundo a nota, “o espaço é marcado pelo respeito às diferenças de gênero, raça, orientação sexual e pela celebração da diversidade”.

Ainda de acordo com a prefeitura, as equipes da biblioteca e de outros equipamentos culturais da cidade têm passado por treinamentos para lidar com atitudes racistas, transfóbicas e misóginas. Há também um trabalho de conscientização dos funcionários.

“A Prefeitura esclarece que as pastas da Cultura e de Direitos Humanos e Cidadania estão em diálogo para tratar do caso”, finaliza a nota.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench