Mucane recebe exposição de desenhos em carvão e papel sobre religiões africanas em Vitória

Juliana sempre teve a fotografia como aliada para a construção do seu trabalho. A mostra reúne cerca de 50 desenhos, feitos, em sua maioria, com carvão e giz sobre papel,

Do Folha Vitória

As religiões de matriz africana despertam curiosidade e fascínio na maior parte das pessoas por unir em um mesmo espaço fé, festa e devoção. Essas manifestações religiosas serão tema da exposição “oba: entre deuses e homens”, da artista Juliana Pessoa, que abre para o público na próxima quinta-feira (13), a partir das 19 horas, no Museu Capixaba do Negro “Veronica da Pas” (Mucane).

Juliana sempre teve a fotografia como aliada para a construção do seu trabalho. A mostra reúne cerca de 50 desenhos, feitos, em sua maioria, com carvão e giz sobre papel, recriando imagens do trabalho do fotógrafo Pierre Verger, que registrou em boa parte da sua obra a cultura afrobrasileira.

Exposição oba: entre deuses e homens
Exposição oba: entre deuses e homens

“Acredito nesse poder de repercutir no meu trabalho a força da imagem retratada, só que de uma maneira renovada. Porém, não existe a intenção de ‘copiar’ o trabalho (de Pierre Verger), mas, sim, de buscar em suas imagens o vigor e a grandeza dessas filhas e filhos de santo que, no passado, foram capturados por suas lentes. Desse modo, me aproprio de um registro histórico, a fotografia, para poder fazer algo novo, o desenho”, explica a artista.

Exposição

A ideia para a mostra “oba: entre deuses e homens” surgiu a partir dos estudos sobre o mito de Dionísio, o deus grego que se manifesta por meio da possessão de suas iniciadas, para o mestrado de Juliana. A partir de uma série de leituras sobre o assunto, ela chegou a textos relacionados ao candomblé.

“Após o término do mestrado, me voltei inteiramente para o estudo dessa religião de matriz africana, que tem na festa, na dança, na música e na alegria seus principais fundamentos. Até porque, por mais interessantes que os gregos sejam, eles estão muito distantes de nós, tanto no tempo quanto geograficamente. Enquanto que o candomblé está aí vivo nos terreiros de norte a sul do país, afirmando, apesar de todas as adversidades, sua visão de mundo e seus valores. Desse modo, essa exposição é fruto de uma saudade das coisas da minha terra e de sua gente”, disse Juliana.

Exposição oba: entre deuses e homens
Exposição oba: entre deuses e homens

Religiões de matriz africana
Juliana afirma não ter religião, mas garante ter uma relação de admiração e respeito pelas religiões de matriz africana. “Sobretudo, por sua visão de mundo, seus valores, seus mitos, o modo como pensam a existência e as questões humanas, que são atemporais: nascimento, morte, prazer, dor, alegria, tristeza, bem, mal”.

Ela acredita que, como descendentes da miscigenação entre o índio, o europeu e o africano, o brasileiro deveria resgatar as múltiplas raízes e afirmar a diversidade de sua origem. “O candomblé é um patrimônio brasileiro que nos legou seu jeito de festejar, cantar, tocar, dançar, comer, se vestir, falar”.

Seminários e palestras

A programação da mostra reúne uma série de atividades que vão além da exposição dos desenhos, como a exibição de filmes, seminário e um programa educativo. “Acredito que a arte não se restringe a uma experiência passiva, subjetiva e introspectiva. Nesse sentido, essa exposição oferece a oportunidade de a pessoa ver os desenhos, assistir aos vídeos, participar do seminário e ainda realizar uma visita mediada e uma atividade de ateliê. São vários elementos que buscam viabilizar uma experiência mais aprofundada para o público”.

Currículo

Juliana Pessoa é graduada em Artes e mestre em Filosofia pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Integrou equipes de arte-educação do Museu Vale, em Vila Velha, e da Casa Fiat de Cultura, em Belo Horizonte. Em 2014, realizou a exposição individual “encorpo(r)ação”, na Galeria de Arte e Pesquisa da Ufes, que originou a mostra atual “oba: entre deuses e homens”. Atualmente faz parte, como voluntária, do Programa AFRICANIDADES do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros da Ufes.

Serviço

Exposição “oba: entre deuses e homens”

Abertura: quinta-feira (13), às 19 horas
Visitação: terça a sexta-feira, das 9 às 17 horas; sábados e domingos, das 12 às 16 horas
Onde: Museu Capixaba do Negro “Veronica da Pas” – Avenida República, 121, Centro
Agendamento de visitas e atividades de ateliê para escolas, instituições de apoio ao idoso e demais grupos interessados através do telefone (27) 3222-4560 ou pelo e-mail [email protected]
Entrada franca

+ sobre o tema

Zuma sugere que ter cachorro é parte da cultura branca

O presidente sul-africano, Jacob Zuma, foi bastante criticado...

Rede Globo aposta em atores negros

SÃO PAULO - Depois de muito retratar a boa...

Ruanda: são fruto de violação, são as filhas “indesejadas” do genocídio

Vinte e cinco anos após o genocídio no Ruanda,...

Miss Brasil 2016 fala do medo de participar do concurso por ser negra

Raissa Santana lembrou da expectativa de quando participou da...

para lembrar

Curso Sociologia dos Orixás

Nos dias 09, 16, 23 e 30 de março,...

Adriana Bombom trocará próteses de silicone dos seios

Adriana Bombom vai sofrer uma intervenção cirúrgica nesta sexta-feira...

LAB – Performance and Ritual – with Luanda Carneiro Jacoel

Based on performative aspects of Afro-Brazilian traditional dances the...
spot_imgspot_img

Da fofoca às janelas do Brasil, exposição evidencia africanidade que vive em nós

Depois da fofoca e de um cafuné no meu caçula, tentei tirar um cochilo, mas terminei xingando uma cambada de moleques que cantavam "Tindolelê" na rua. A frase ficou meio maluca, mas essa loucura tem seu método...

SP: mostra de cinema Léa Garcia – 90 Anos celebra obra da artista

A mostra inédita Léa Garcia - 90 anos, que começa neste sábado (25), celebra a obra da renomada artista do cinema nacional, que morreu em...

Coletivo Kukuru Itan realiza oficina gratuita de teatro de Nanã para idosos durante o mês de junho

Com a missão de valorizar a identificação de idosos racializados, sobretudo negros, o Coletivo Kukuru Itan criou a oficina de teatro de Nanã, que acontece durante o mês...
-+=