Mulher que teve corpo queimado e filhos assassinados pelo marido faz alerta contra violência doméstica

A jovem Barbara Penna, de 20 anos, que teve parte do corpo queimado pelo marido há seis meses, fez um alerta contra a violência doméstica. Na época, os dois filhos dela morreram no incêndio, em Porto Alegre (RS).

Barbara compareceu à Assembleia Legislativa do Estado para falar pela primeira vez sobre a violência que sofreu. No dia da tragédia, ela acordou com seu marido João Guatimozin Moojen Neto, de 22 anos, agredindo-a. A jovem pediu que parasse com as agressões para não acordar as crianças. Além disso, ela o perdoaria e ninguém ficaria sabendo que ele batia nela. Moojen a ameaçou mais uma vez de morte e continuou as agressões.

Barbara, que havia desmaiado, contou que acordou com o apartamento já em chamas. Ela correu para a cozinha, onde não havia grades na janela e gritou por socorro. Em seguida, o marido a arremessou do 3º andar. As duas crianças — um bebê de três meses e uma menina de dois anos — morreram. O vizinho Mário Enio Pagliarin, de 76 anos, também não resistiu. O suspeito, que confessou o crime e disse que era usuário de drogas, está preso.

Barbara foi socorrida em estado gravíssimo. Ela sofreu queimaduras graves por todo o corpo e ficou 38 dias internada na UTI.  Para a jovem, nenhum tipo de violência deve ser tolerado.

— Eu queria fazer um apelo para que as mulheres denunciem, não deixem chegar nesse ponto que eu cheguei. Quando os homens começarem a agredi-las verbalmente já denunciem.

Assista ao vídeo:

 

Fonte: R7

+ sobre o tema

Ato das trepadeiras contra mais um femicídio na MPB

Não é um problema do RAP, não é um...

Para Mulheres Negras, a quem o estupro diz respeito, raça precedeu questões de gênero – Por Maria Rita

Estupro é sempre CRIME Apesar das mudanças legislativas, da implementação...

Aluna é punida após denunciar estupro em universidade nos EUA

Antes que pudesse se mudar para um dormitório na...

Fé, menina. De homem pra homem.

30 homens estupraram uma menina. 30! e sabe o que mais? eles...

para lembrar

spot_imgspot_img

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...

Dois terços das mulheres assassinadas com armas de fogo são negras

São negras 68,3% das mulheres assassinadas com armas de fogo no Brasil, segundo a pesquisa O Papel da Arma de Fogo na Violência Contra...
-+=