Mulheres discutem o papel das mídias negras no Festival Latinidades

As mídias negras foram tema de discussão na manhã de hoje (28) no Festival Latinidades de 2016. No debate, jornalistas e pesquisadoras avaliaram o papel das mídias negras como instrumentos autônomos de produção e circulação de informações e de promoção da igualdade racial. O Latinidades, que se consolidou como o maior festival de mulheres negras da América Latina, vai até domingo (31), em Brasília.

Por Yara Aquino, da Agência Brasil

A doutora em história, jornalista e autora do livro Imprensa Negra no Brasil no Século 19, Ana Flávia Magalhães, participou do painel Nós por Nós: Mídias Negras em Ação e disse que a imprensa negra tem papel fundamental para a construção da identidade dessa parcela da população e para a promoção da igualdade racial. “Precisamos aprender a pensar nossa trajetória histórica também a partir da liberdade. E a imprensa negra é decisiva para isso”, disse.

A feminista e publicitária Larissa Santiago destacou a importância das narrativas a partir do ponto de vistas das mulheres negras e chamou todas a produzirem conteúdos para sites, blogse páginas pessoais para construção de uma ampla rede de mídia. “Comecem produzir conteúdo com os meios e maquinários que tiverem, criem sua história, sua narrativa, façam novas plataformas, e que a gente espalhe e registre nossa memória e nossa história.”

A jornalista e cofundadora da Comissão dos Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira) do Rio de Janeiro, Angélica Basthi, fez uma avaliação do ensino do jornalismo no Brasil, observando que as faculdades de comunicação permanecem sem contar a história da imprensa negra no Brasil. “A imprensa negra continua sendo olhada como uma ação de segunda, terceira categoria. Esse é um problema que precisa ser sanado”, disse. E completou “Como a mídia é dominada pelos brancos, precisamos pensar em estratégias para poder começar quebrar esse padrão que tanto nos assola.”

 

No início das discussões, a publicitária Larissa Santiago fez uma homenagem à ativista do movimento negro e ex-ministra de Políticas Públicas da Igualdade Racial Luiza Bairros, que morreu no dia 12 deste mês. Outras participantes do festival também prestaram homenagem a Luiza Bairros.

Na programação do Festival Latinidades estão previstos debates, conferências, lançamentos de livros, oficinas, cinema, feiras e shows, além de outras atividades. A programação completa está disponível no site www.afrolatinas.com.br. Organizado pelo Instituto Afrolatinas, o evento deste ano tem a parceria da Organização das Nações Unidas (ONU) no Brasil e patrocínio do governo do Distrito Federal.

+ sobre o tema

O aborto das escravas: um ato de resistência

“Enquanto o couro do chicote cortava a carne/ A...

A etnia luo: o povo de Barack Obama em estilosa celebração

ENFIM, A CASA BRANCA CONTINUA PRETA E LAICA Por: Fátima...

Mulheres negras em marcha sim: persistir e avançar sempre!

Marcha quer afirmar que mulheres estão alertas e prontas...

Discurso machista de Temer no Dia da Mulher repercute na imprensa internacional

'Eu tenho absoluta convicção do quanto a mulher faz...

para lembrar

Conheça Viviane Ferreira, a segunda negra a dirigir um longa no Brasil

Ativista e diretora de "Um dia com Jerusa" fala...

É preciso gritar

“Preciso gritarrrr”! Foi com esta expressão vibrada da energia...

‘Diferente do que dizem, aborto não foi descriminalizado’, diz autora de ações no Supremo

Às vésperas da discussão sobre a descriminalização ou não...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=