Mulheres latinas têm 20% menos direitos legais do que os homens

Enviado por / FontePor AFP, no EM

As mulheres da América Latina e do Caribe têm 20% menos direitos legais do que os concedidos aos homens, aponta um estudo do Banco Mundial divulgado nesta terça-feira, embora o mesmo destaque que a paridade das leis de gênero na região é melhor do que a média mundial.

Segundo o relatório “Mulheres, Empresas e o Direito 2022”, que avalia leis e regulamentações em 190 países em oito áreas que impactam a participação econômica feminina, na América Latina e no Caribe as mulheres têm uma pontuação média de 80,5 em um total de 100, acima da global, de 76,5.

Os países mais bem classificados da região em termos de leis de igualdade de gênero são Peru (95,0) e Paraguai (94,4), e os piores, Haiti (61,3) e Dominica (62,5).

“Ao revelar como as leis discriminatórias impedem que as mulheres contriubam plena e igualmente para suas economias, o relatório defende reformas concretas para a igualdade de gênero”, diz a economista-chefe do Banco Mundial, Carmen Reinhart, no prefácio do documento.

Para elaborar seu índice sobre a igualdade legal de gênero, o estudo se baseou em oito áreas: mobilidade, trabalho, remuneração, casamento, parentalidade (leis que afetam o trabalho das mulheres depois de terem filhos), empreendedorismo (restrições para abrir e gerenciar uma empresa), ativos (direitos de propriedade e sucessões) e aposentadoria.

A América Latina e o Caribe estão bem classificados em termos de ativos (pontuação média de 97,5), mobilidade (92,2) e casamento (90,6). Mas há nuances.

As mulheres da região podem viajar da mesma forma que os homens, mas ainda há oito países que diferenciam homens e mulheres no processo de solicitação de passaporte.

Continua havendo brechas importantes na parentalidade (pontuação média de 48,1), remuneração (72,7) e trabalho (78,1), segundo o Banco Mundial. Na área de parentalidade, 19 dos 32 países da América Latina e do Caribe não possuem legislação que garanta 14 semanas de licença-maternidade remunerada.

Apenas 11 países da região exigem remuneração igual por um trabalho de valor semelhante, e nove limitam os trabalhos industriais que as mulheres podem desempenhar.

Na área de empreendedorismo, a pontuação média é boa (82,8), mas apenas 11 países proíbem a discriminação no acesso ao crédito com base no gênero, o que pode restringir as mulheres de fazerem negócios.

Outro aspecto a melhorar é no campo da aposentadoria (81,3), em que 14 dos 32 países não incluem no cálculo do benefício os períodos de afastamento do trabalho devido a licenças para cuidado infantil.

+ sobre o tema

Teoria que não se diz teoria

A separação entre teoria e prática é um histórico...

Globo de Ouro exclui mulheres e negros em premiação

O apresentador Ricky Gervais causou polêmica ao debochar da...

Sou mulher. Suburbana. Mas ainda tô na vantagem: sou branca

Ontem ouvi algo que me cativou a escrever sobre...

“Queremos disputar nossa própria agenda na política”, afirma ativista indígena equatoriana

Vereadora feminista, Paolina Vercoutere lembra participação de mulheres indígenas...

para lembrar

O ódio que cresceu 550% na América Latina

O ódio é proporcional ao feito de redução das...

João Doria diz que cortará secretarias de LGBT, Mulheres, Igualdade Racial e mais 4 pastas

Tucano João Doria fez campanha na manhã desta quinta-feira...

Um legislativo pela vida das mulheres no Brasil

A reivindicação pela saúde das mulheres não se restringe...
spot_imgspot_img

Quase metade das crianças até 5 anos vivia na pobreza em 2022, diz IBGE

Quase metade das crianças de zero a cinco anos vivia em situação de pobreza no Brasil em 2022, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (9) pelo IBGE (Instituto Brasileiro...

Tempo para início de tratamento de câncer de mama é 3 vezes maior que o previsto em legislação

O tempo médio para o início do tratamento de câncer de mama no SUS (Sistema Único de Saúde) é quase o triplo do período previsto pela Lei...

Famílias famintas e mães desdentadas: o retrato da miséria na ditadura que ficou ‘escondido’ nos arquivos do IBGE

O Brasil vivia a rebarba do milagre econômico — período de acelerado crescimento na primeira metade da Ditadura Militar (1964-1985) — quando o Instituto Brasileiro de Geografia e...
-+=