Mulheres negras e indígenas celebram o 25 de julho na capital paulista – SP, 25/07/2017

Mulheres negras de várias regiões da cidade e indígenas das aldeias do Jaraguá e Parelheiros denunciam as múltiplas formas de violência machista, racista e de classe que enfrentam cotidianamente, e defendem o Bem Viver. Ato acontece no Dia de Tereza de Benguela e da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha, e vai da Praça Roosevelt ao Largo do Paissandu.

Do Instituto Patrícia Galvão

(Agência Patrícia Galvão, 20/07/2017) Na próxima terça-feira, 25 de julho, a Marcha das Mulheres Negras de São Paulo realizará o ato “Mulheres Negras e Indígenas por nós, por todas nós, pelo bem viver”. A manifestação acontece no Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha e Dia Nacional de Tereza de Benguela – liderança quilombola reconhecida no Brasil por meio da Lei Federal 12.987/2004. Uma data que une mulheres negras internacionalmente no enfrentamento a todas as opressões sofridas e pelo objetivo de superá-las.

As mulheres, em especial as negras, sempre foram protagonistas dos movimentos por saúde, habitação, educação – que conquistaram o SUS, os mutirões habitacionais, as lei 10.639/03 e 11.645/2008, e, recentemente, as cotas raciais na Unicamp e USP, entre outros direitos historicamente sonegados. Mas a violência, racismo e machismo perenes na sociedade brasileira desde a sua fundação sob o modelo escravista de produção ainda fazem com que as mulheres negras e indígenas vivam uma realidade de desigualdades e discriminações em todos os aspectos da vida. E, no último período, a intensificação das violações decorrentes da atuação em defesa de direitos, como se evidencia nos recorrentes assassinatos de lideranças quilombolas e indígenas.

A articulação de diversas redes de mulheres negras em nível nacional levou à Marcha das Mulheres Negras contra o racismo, o machismo, a violência e pelo Bem Viver, em 2015. Pela primeira vez na história do Brasil, 50 mil mulheres ocuparam as ruas de Brasília para cobrar políticas públicas e reparação pelas desigualdades estruturais enfrentadas. As demandas prioritárias das 49 milhões de pretas e pardas brasileiras foram consolidadas na Carta das Mulheres Negras 2015.

O coletivo autônomo e independente Marcha das Mulheres Negras de São Paulo ajudou a construir a Marcha em 2015, e organizou no ano passado a primeira marcha pelo 25 de Julho na cidade de São Paulo, que levou mais de três mil mulheres às ruas do Centro.

“No momento em que o Brasil atravessa uma grave crise política, com o desmantelamento de políticas públicas duramente conquistadas, com desmandos por parte de governos elitistas e conservadores, nós negras de São Paulo trazemos para toda a sociedade questões que nos afetam diretamente e que queremos ver enfrentadas por todas as pessoas que acreditam num novo projeto de nação”, afirma o manifesto do ato.

O ato contará com as presenças do grupo Ilú Obá De Min, da DJ Luana Hansen, Mc Soffia, e diversas intervenções artísticas durante toda a marcha.

Serviço:

Dia: 25/07/2017 (terça-feira)

Concentração: às 17h00 – Praça Roosevelt

Encerramento: Largo do Paissandu

Contatos para mais informações:

Alê Almeida – [email protected] – (11) 99259.8052
Andréia Alves – [email protected] – (11) 99141.7865
Juliana Gonçalves – [email protected] – (11) 98525.9387
Luciana Araújo – [email protected] – (11) 97619.9076
Mara Minassian – [email protected] – (11) 99816.8218
Nilza Iraci – [email protected] – (11) 99584.0637

+ sobre o tema

Cacau Protásio fala de quebra de padrões e conta episódios de preconceito na infância

“Posso dizer que quando bebezinha eu fui feliz. Era...

‘Festival Latinidades’ tem programação linda sobre representatividade

Bora valorizar a cultura e as narrativas das mulheres...

“O racismo é uma problemática branca”, diz Grada Kilomba

A artista interdisciplinar portuguesa aborda questões como gênero, memória...

Com Lei Maria da Penha, cresce divulgação dos direitos da mulher no País

BRASÍLIA - O terceiro aniversário da implementação da lei...

para lembrar

Senado dos EUA aprova nomeação de 1º juiz negro abertamente gay

Darrin Gayles foi designado para o tribunal federal do...

‘Assumir é tirar um peso’, diz Sandra de Sá sobre ser gay

'A homossexualidade é como a inteligência ou qualquer outro...

Projeto Ilumina Oyá discute violência e gênero com adolescentes

O Projeto Ilumina Oyá trabalha com a formação critica...

Uma voz entre as mulheres negras

Do anonimato para a internet, a estudante de Arquitetura...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=