Mulheres protagonizam marcha histórica pelas ruas de Florianópolis

Numa diversidade de bandeiras, sem carro de som e com mulheres indígenas e negras puxando a marcha, as mulheres e homens que participam do evento internacional Mundos de Mulheres e Fazendo Gênero, que acontece durante toda a semana na UFSC, protagonizaram nas ruas de Florianópolis a maior marcha feminista já vista no Estado.

no Sul 21

Nesta quarta-feira (2), mesmo dia em que Michel Temer estava sendo julgado na Câmara de Deputados sobre crime de corrupção passiva, as mulheres com representações do mundo todo foram para as ruas com faixas e cartazes denunciando a sociedade machista que assedia, controla, limita e mata mulheres de todas as raças, do campo e da cidade.

Com a mistura de ritmos, gritos de ordem, cores de bandeiras, mistura de raças as mulheres percorreram as principais ruas da cidade e fizeram paradas estratégicas em locais que representam algum espaço opressor da sociedade. A primeira parada foi em frente a uma agência bancária para representar o sistema financeiro que tanto oprime através da exploração do capital.

A segunda foi em frente à catedral da igreja católica, que representa o patriarcado que mata mulheres e homossexuais todos os dias. A terceira parada foi em frente à agência do INSS, para representar o repúdio das trabalhadoras para com as reformas do Temer.

A quarta foi próximo ao mercado público em que as índias celebraram a terra e o espaço que um dia já foi ocupado por seus povos e hoje os coloca à margem da sociedade.

A presidenta da CUT-SC, Anna Julia Rodrigues, falou em nome das organizações das trabalhadoras na parada em frente ao INSS e ressaltou que as reformas trabalhista e previdenciária e o congelamento dos gastos do serviço público são medidas de extrema violência contra as mulheres trabalhadoras.

“Sob nossos ombros que as reformas do Temer serão mais duras. Nós mulheres que ocupamos as vagas mais precárias de empregos, somos nós, as que buscam serviços das políticas públicas. Essas reformas do Temer são um atentado violento contra todas as brasileiras”, disse.

A Marcha se encerrou uma hora antes do final do julgamento do Michel Temer, que teve o seu processo encerrado na Câmara. Apesar do resultado negativo do julgamento do Temer, a secretária nacional de formação da CUT, Rosane Bertotti, acredita que são mobilizações como a do Mundos de Mulheres que fortalecem a luta e empoderam as mulheres para fazer o enfrentamento.

“A energia que sentimos nas ruas de Florianópolis, com um ato organizado e protagonizado por mulheres, nos mostra que as mudanças virão da classe trabalhadora e das mãos feministas. Com leveza e alegria dava para perceber o engajamento das trabalhadoras que passavam pela Marcha e demonstravam o apoio a cada cartaz e a cada grito de ordem. Não podemos e nem vamos desanimar. Continuaremos nas ruas mostrando a posição da CUT que sempre esteve na defesa dos direitos e das trabalhadoras”, destaca Rosane.

O Mundos de Mulheres que começou no último domingo, dia 30 de julho, termina nesta sexta-feira, dia 4 de agosto, e pela primeira vez leva o movimento social para debater junto com a universidade.

+ sobre o tema

Negra? Eu?! Demorei mais de 30 anos para aprender a ser preta

Não nasci negra, mas desde muito menina meu cabelo me...

Renato Janine Ribeiro: Possuir, dar, comer

O que pode significar a apropriação de certas palavras...

Prefeitura de Santo Antonio da Patrulha faz convite sexista para Conferência de Política para Mulheres

Da página Iniciativa das Mulheres Unidas do RS “A Prefeitura de...

Sabrina Vechi, a mais nova vítima de feminicídio no Brasil

Feminicídio: Sabrina Vechi foi assassinada pelo marido no dia...

para lembrar

“Como foi descobrir o câncer de mama enquanto amamentava”

Conheça a história de uma mãe que foi diagnosticada...

Para o futuro chegar mais rápido

Meninas: são elas a força capaz de acelerar os...

‘Honestamente, você tem que saber rir de si mesma’, diz Rihanna

Há dois anos sem lançar nenhum álbum novo, Rihanna...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=