Negros do PSDB: Serra bota Marrey para abafar crise no Conselho de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra

Fonte – Afropress –

 

S. Paulo – Depois de três adiamentos consecutivos, o Conselho de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra de S. Paulo, se reúne nesta sexta-feira (05/06) para tomar posição diante da crise desencadeada após o Secretário de Relações Institucionais, ao qual o Conselho está subordinado, José Henrique Reis Lobo, ter declarado que “ações afirmativas só em 500 anos”.

Depois da reunião, marcada para as 14h, na Rua Antonio de Godoy, sede do Conselho, está previsto um encontro com o Secretário da Justiça e Cidadania, Luiz Antonio Marrey. A reunião com Marrey, que não estava prevista, segundo observadores, denota a preocupação da área política do Governo, com a repercussão das declarações de Lobo e os prejuízos eleitorais que a ausência de políticas para os negros e a falta de sensibilidade, pode representar para a candidatura do governador José Serra à Presidência da República no ano que vem. Marrey é considerado um dos secretários mais próximos à Serra.

Segundo a presidente Elisa Lucas Rodrigues, que vem sendo cobrada por ainda não ter se posicionado, no entanto, a reunião com Marrey é para tratar da Conferência de Promoção da Igualdade Racial, que acontecerá entre os dias 10 e 12 deste mês no Largo de S. Francisco. “Ele me sugeriu a reunião por causa da Conferência, para que pudéssemos conversar”, acrescentou.

A reunião com o Secretário da Justiça de Serra também pode significar a decisão do Governo – que estaria sendo cogitada – de transferir o Conselho da Secretaria das Relações Institucionais para a Secretaria da Justiça, o que significaria tirar o Conselho do comando de Lobo e, com isso, acenar com mudanças para abafar a repercussão do caso.

A avaliação da área política mais próxima à Serra é de que Lobo não tem jogo de cintura nem sensibilidade para lidar com o tema e que isso provoca desgaste para Serra, em um Estado que tem a maior população negra do país em números absolutos – 12,5 milhões – e que tem o maior eleitorado – 1/3 do qual de afro-brasileiros.

Tensão

Durante a reunião para a qual foram convidados os 32 conselheiros – 22 representando a sociedade civil e 10 o Estado – o conselheiro Paulo César Pereira de Oliveira (o segundo da esquerda para a direita na foto), coordenador do Centro Cultural Orunmilá de Ribeirão Preto, e uma das lideranças negras de maior prestígio no interior, proporá a renúncia coletiva dos conselheiros.

Ele próprio se desfiliou do PSDB, partido a qual estava ligado, e disse ter sido acompanhado por dezenas de outras lideranças negras de Ribeirão Preto e região. O primeiro a anunciar oficialmente o desligamento do Partido, foi o conselheiro João Benício, ex-coordenador da CONE/SP, e responsável pela Comissão da Diversidade da Secretaria do Trabalho do Município de S. Paulo.

“O momento é esse para se dar uma resposta à altura. É preciso aproveitar esse momento para fazer política negra, para além dos partidos. Esse Conselho está esvaziado e não tem mais papel algum”, afirmou Paulo César.

Renúncia

Elisa, por sua vez, disse que a reunião será uma reunião normal e descartou qualquer possibilidade de renúncia, hipótese que começou a ser ventilada, depois que ela cancelou compromissos de sua agenda no interior. “Não há nenhuma possibilidade de renúncia. Não estou preocupada nem um pouco com a reunião. Não tenho medo da reunião. Não tenho medo de dizer a verdade. Na hora certa vou me posicionar. Não sou ativista profissional e não dependo de emprego. Sou autêntica”, afirmou, acrescentando não estar movida por espírito de arrogância.

Segundo ela, a proposta da renúncia coletiva é isolada. “Essa idéia não pegou. Não precisei ligar prá ninguém. Ninguém se manifestou. Não acompanhou. Eu respeito o Paulo, mas não colou”, disse Elisa.

Segundo Paulo César, contudo, a proposta tem a simpatia de outros conselheiros. Afropress apurou que a defesa da renúncia deverá ter os votos de, pelo menos, mais dois outros conselheiros, que já se solidarizaram com o seu autor.

Cobrada por conselheiros que gostariam de ter um Conselho com uma posição mais altiva diante do Governo do Estado, Elisa se defende. “Esse é um grande momento, mas não adianta vir com fuzil na mão. Ninguém negocia com a faca no pescoço”, finalizou.

 

Matéria original: Serra bota Marrey para abafar crise no Conselho de negros

+ sobre o tema

Rede social para negros quer dar visibilidade a políticos e empreendedores

A Black & Black, uma rede social brasileira indicada...

Exposição na Casa França Brasil conta a história do negro no Rio

Mostra reúne 500 peças, como bronzes do Benin, máscaras...

Quilombolas entrarão na justiça por danos morais

Federação Nacional de Associações Quilombolas (FENAQ) entrará com uma...

para lembrar

Zumbi é homenageado em cavalgada pela liberdade

Doze horas a cavalo pelas serras da Barriga...

ONU aprova Década do Afrodescendente a partir de 2013

Luciano Nascimento Repórter da Agência Brasil Brasília - O ano de...

HILTON COBRA – Novo Presidente da Fundação Palmares

Hilton Cobra, é o novo  presidente da Fundação Cultural...

Plano Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana

A íntegra da política já está disponível para download. Lançado...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=