Netflix desfalca Disney e contrata Kenya Barride criador série negra por US$ 100 milhões

Na guerra por conteúdo para o streaming, a Netflix venceu mais uma batalha contra a Disney. A plataforma firmou nesta quinta (16) um contrato de três anos com Kenya Barris, que gira em torno de US$ 100 milhões (R$ 390 milhões). Criador de Blackish, Barris era contratado do ABC Studios, pertencente ao grupo Disney, que planeja lançar um serviço de video on-demand no próximo ano.

por João da Paz no UOL

imagem: UOL

Produtor e roteirista de séries negras, como The Game (2006-2015) e Girlfriends (2000-2008), Barris explodiu em Hollywood com Blackish. Lançada em 2014, a série traz uma família negra, que mora em um bairro rico, rodeada por vizinhos brancos. O publicitário Andre Johnson (Anthony Anderson) faz de tudo para ensinar aos filhos mimados a beleza e os valores da cultura negra.

Aclamada pela crítica, Blackish é a única comédia da TV aberta dos Estados Unidos que concorre ao Emmy deste ano. Em 2017, a comediante Tracee Ellis Ross levou o Globo de Ouro de melhor atriz, primeira negra a vencer essa categoria em 34 anos. Tracee interpreta a médica Rainbow Johnson na trama.

Barris deixa o posto de showrunner (o faz-tudo de uma série) de Blackish, mas continua listado como produtor-executivo. Esse é o cargo dele também em Grownish, filhote de Blackish, uma comédia de sucesso do canal Freeform, também da Disney.

A série derivada acompanha a vida da jovem Zoey Johnson (Yara Shahidi), filha mais velha do casal Andre e Rainbow, que dá os primeiros passos na vida adulta ao entrar na faculdade. Grownish elevou o status de Yara ao nível de ícone da juventude norte-americana pelo seu engajamento político.

Os três anos de Barris na Netflix podem se estender para mais dois, dependendo do desempenho de suas produções. O contrato é de exclusividade, e o produtor irá comandar todos os novos projetos, o que inclui escrever os roteiros.

Time de estrelas

Barris é mais um produtor de conteúdo que a Netflix tira dos estúdios da rede ABC. Há um ano, a gigante do streaming fechou com Shonda Rhimes um acordo que o jornal The New York Times disse valer US$ 150 milhões (R$ 585 milhões), por quatro anos.

Ela encerrou uma carreira de 15 anos na ABC, na qual criou séries históricas, como Grey’s Anatomy e Scandal (2012-2018). No mês passado, a Netflix anunciou as sinopses de nada menos do que sete séries (e um documentário) que Shonda produzirá para a plataforma. Na década e meia que passou na TV aberta, ela trabalhou em nove séries.

Em fevereiro, Ryan Murphy (de American Crime Story e Glee) acertou com a Netflix um contrato de cinco anos, na casa dos US$ 300 milhões (R$ 1,17 bilhão). Ele trabalhava para o estúdio de televisão do grupo Fox, recentemente comprado pela Disney.

Esses desfalques que a Netflix fez na Disney, em uma grande jogada nos bastidores, não saíram barato. Ao todo, a empresa irá desembolsar R$ 2,15 bilhões para contar com o talento desses três superprodutores pelos próximos cinco anos, no mínimo.

+ sobre o tema

Piauí terá uma das maiores comunidades quilombolas do País

A Superintendência Regional do Incra no Piauí iniciou...

A reconciliação de Mandela – por Vladimir Safatle

Ao que tudo indica, a África do Sul, dentro...

Festa Literária Noroeste começa dia 29/11 e homenageia Milton Santos

Poetas, escritores(as), slammers e demais artistas da palavra participam...

para lembrar

Cantora Rihanna perde comercial por ser ‘muito sexy’

A estrela do pop Rihanna, 24 anos, foi considerada...

Narrativas Afro-brasileiras na Biblioteca Paulo Duarte, em São Paulo

Toguna – Narrativas Afro-brasileiras na Biblioteca Paulo Duarte,...

“Adoro ser um ícone para outras meninas negras”, diz Taís Araújo

Taís Araújo, que está nos palcos vivendo a história...
spot_imgspot_img

Cientistas revelam mistério por trás dos antiquíssimos baobás, as árvores da vida

Cientistas afirmam ter resolvido o mistério em torno da origem dos antigos baobás. De acordo com análises de DNA, as árvores teriam surgido pela primeira...

Álbum de Lauryn Hill é considerado melhor da história em lista da Apple Music; veja ranking

Uma lista publicada pela Apple Music elegeu os 100 melhores álbuns de todos os tempos. Em primeiro lugar, a escolha foi para 'The Miseducation...

Da fofoca às janelas do Brasil, exposição evidencia africanidade que vive em nós

Depois da fofoca e de um cafuné no meu caçula, tentei tirar um cochilo, mas terminei xingando uma cambada de moleques que cantavam "Tindolelê" na rua. A frase ficou meio maluca, mas essa loucura tem seu método...
-+=