Nike permite Jesus e Cristo, mas veta Exu e Ogum de camisas da seleção brasileira

Enviado por / FonteExtra

A customização das camisas da seleção brasileira já havia causado controvérsia por conta do veto a nomes de políticos, como Lula e Bolsonaro, ou a termos ideológicos, como comunismo ou socialismo. Mas as restrições da Nike, fornecedora do material esportivo, espalham-se por outros campos. Nas redes sociais, internautas apontam ressalvas a termos religiosos, com critérios não muito claros.

É possível, por exemplo, estampar as palavras “Jesus” ou “Cristo” no uniforme que os comandados de Tite usarão para buscar o hexa no Catar, entre novembro e dezembro. Mas não se pode escolher “Exu” ou “Ogum”, duas entidades cultuadas em religiões afro-brasileiras.

Por outro lado, está liberado usar termos como “Oxóssi”, “Iemanjá” e “Judas”.

Quando as restrições vieram à tona, O GLOBO procurou a Nike para entender como funciona a ferramenta disponível em seu site. A marca explicou ao blog Panorama Esportivo que o sistema, além de termos políticos e religiosos, rastreia palavras racistas e até palavrões.

“Este sistema é atualizado periodicamente visando cobrir o maior número de palavras possíveis que se encaixem nesta regra”, explicou a Nike em nota.

Procurada novamente, a empresa afirmou que houve uma falha no sistema “que permitiu a customização de algumas palavras de cunho religioso” e que ela “está sendo corrigida”.

O GLOBO também publicou, no sábado, uma reportagem mostrando que a CBF e seus parceiros comerciais desejam despolitizar o uso da camisa amarela da seleção a pouco mais de três meses do início do Mundial do Catar. Especialistas, porém, veem um prazo curto para ressignificar o uniforme.

+ sobre o tema

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente...

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria...

para lembrar

Niterói – Abertura da Semana Municipal do Combate à Intolerância Religiosa

O Vereador Leonardo Giordano convida a todos e todas...

Especialistas opinam sobre a “psicologia cristã”, defendida por Marisa Lobo

Após cassação de Marisa Lobo, psicólogos explicam a diferença...

Em meio a protestos, deputados derrubam projeto que proíbe sacrifício de animais

Por 11 votos contrários e um a favor, parlamentares...
spot_imgspot_img

Na mira do ódio

A explosão dos casos de racismo religioso é mais um exemplo do quanto nossos mecanismos legais carecem de efetividade e de como é difícil nutrir valores...

O Brasil que segue tolerando o intolerável

No dia 07 de julho de 1920, o jornal A Noite noticiou uma batida feita pela polícia do Rio de Janeiro – então capital federal –...

Intolerância religiosa representa um terço dos processos de racismo

A intolerância religiosa representa um terço (33%) dos processos por racismo em tramitação nos tribunais brasileiros, segundo levantamento da startup JusRacial. A organização identificou...
-+=