O dalai-lama é uma superlua em eclipse total definitivo

Conheci o dalai-lama em 1992, no salão nobre da Prefeitura de São Paulo, convidado da prefeita Luiza Erundina – à época, eu era coordenadora de saúde da Coordenadoria Especial da Mulher da prefeitura, cuja sede era no parque do Ibirapuera.

Por Fatima Oliveira Do O Tempo

Foi uma solenidade encantadora e marcante como só Clara Charf, que chefiava as relações internacionais, é capaz de fazer: uma recepção impecável para um líder religioso e um Prêmio Nobel da Paz (1989).

O dalai-lama exala simpatia, simplicidade e tem uma imponência ímpar e indescritível: olha nos olhos, sorri por inteiro, e a gente se sente especial por estar em sua presença.

Apenas à guisa de breve comparação entre dois chefes de duas diferentes religiões patriarcais. O papa Francisco, que virou xodó de meio mundo e que tenta imitar o carisma do dalai-lama, quando sorri, parece o ser humano terreno que é; já o dalai-lama possui aura divinal que espraia ternura.

Depois de ter recebido um sorriso “olhos nos olhos” naquela tarde em Sampa, busquei conhecê-lo mais. Aprendi que “dalai-lama é o título de uma linhagem de líderes religiosos da escola Gelug do budismo tibetano, tratando-se de um monge e lama, reconhecido por todas as escolas do budismo tibetano”.

E mais: “Tenzin Gyatso, Sua Santidade o 14º dalai-lama, nasceu em 6 de julho de 1935, numa família de camponeses da pequena vila de Taktser, na província de Amdo, nordeste do Tibete. Seu nome era Lhamo Dhondup até quando, aos 2 anos, Sua Santidade foi reconhecida como sendo a reencarnação de seu predecessor, o 13º dalai-lama, Thubten Gyatso. Os dalai-lamas são tidos como manifestações de avalokiteshvara ou chenrezig, o bodhisattva da compaixão e patrono do Tibete. Um bodhisattva é um ser iluminado que adiou sua entrada no nirvana e escolheu renascer para servir à humanidade” (resenha de “A Arte da Felicidade”, por Bruna Heloísa).

Anos depois, ganhei o livro “A Arte da Felicidade – Um Manual para a Vida/Um Guia para a Vida”, do dalai-lama em co-autoria com o psiquiatra norte-americano Howard C. Cutler, reconhecido como autoridade mundial em estudos da felicidade. Trata-se de uma longa entrevista e observação do cotidiano do dalai-lama.

É uma obra densa e de difícil leitura, que reli várias vezes para entender a ética budista do não julgamento. Em vão. Hoje, considero o dalai-lama um filósofo charmoso. Quando ganhei o livro, já sabia bastante sobre a vida dele, mais do que o suficiente para não cair mais em seus encantos de frases de efeito. É um anticomunista militante 24 horas por dia!

Para quem não está se lembrando, ele encarna o Tibete, para alguns, independente até 1959, quando foi anexado à China pelo líder comunista Mao Tse-Tung. Todavia, desde o século XVII é território chinês! O dalai-lama se exilou na Índia, onde vive desde 1959, e tem o Tibete livre como a sua principal causa política, com apoio incondicional dos Estados Unidos, que, como muitos afirmam, bancam suas despesas, públicas e clandestinas!

De modo que, embora saiba que o dalai-lama já tenha alardeado para os quatro costados do mundo que é feminista, não recebi com surpresa a declaração sem noção e machista dele no festival de música de Glastonbury, na Inglaterra, em junho passado, quando questionado se sua sucessora poderia ser uma mulher. Respondeu: “Há muitos problemas no mundo de hoje – é um mundo problemático. Penso que as mulheres devem assumir um papel mais importante. Se vier um dalai-lama mulher, seu rosto deveria ser muito atraente, senão não seria de muito uso”. Quer dizer: um biscuit! Sem mais palavras…

+ sobre o tema

Pernambuco sediará congresso nacional de trabalhadoras domésticas

As condições de trabalho e os direitos adquiridos pelos...

Creuza Maria Oliveira, presidenta da Fed. Nacional das Trabalhadoras Domésticas (Fenatrad) ganha Prêmio Direitos Humanos 2011

Creuza Maria Oliveira, presidenta da Federação Nacional das Trabalhadoras...

Mais de 70 entidades LGBT assinam carta antiviolência racial

Uma carta antiviolência racial veio à tona depois dos...

Jacira Roque de Oliveira: Mamãe coragem

Jacira Roque de Oliveira, 49, mãe do rapper Emicida,...

para lembrar

Kristen Stewart e a cantora Soko estão em clima de romance.Felicidades ao novo casal!

A atriz Kristen Stewart vive dias de puro romance com a...

Obama responde carta de menina que sofre bullying na escola por ter pais gays

Filha de um casal gay, Sophia Bailey Klugh escreveu...

A jornalista que teve de esconder o cabelo crespo para tirar passaporte

A história de duas mulheres que não conseguiram tirar...

Mãe Beata de Iemanjá, ialorixá, escritora e militante social, morre aos 86 anos

Morreu neste sábado a ialorixá, escritora e militante de...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=