O que a venda da Forbes diz sobre a mídia — a de fora e a do Brasil

Paulo Nogueira

O caso Forbes – a venda da revista para um grupo de capital chinês — é um marco sob vários aspectos.

O principal deles é o que todos sabemos: a Forbes, uma das marcas mais reluzentes da mídia tradicional, não resistiu à internet.

Como tantas outras marcas da Era do Papel, foi diminuindo, diminuindo, diminuindo até virar nada, ou quase nada.

Ninguém mais lê revistas.

Em seus dias de glória, a Forbes era leitura obrigatória de executivos não apenas dos Estados Unidos, seu berço – mas de todo o mundo.

Jornalistas de negócios não podiam também passar sem ela. Como editor da Exame, sempre tinha a Forbes em minha mesa.

O melhor diagnóstico veio de Steve Forbes, filho do fundador: “Nosso negócio foi tornado obsoleto pela internet.” Foi Steve que comandou a venda.

Houve vários triunfos da esperança, nos últimos anos, para as revistas tradicionais.

Os editores acharam, em certo momento, que a cobrança de conteúdo na internet compensaria, ao menos em parte, o dinheiro perdido na publicidade e na circulação.

Não deu certo.

Mais recentemente, os editores se animaram com a perspectiva de que os tablets seriam a salvação das revistas na era digital.

Também não deu certo.

Os tablets são usados para o consumo de notícias novas, frescas – e não para a leitura de conteúdo antigo de revistas.

Um estudioso de mídia americano usou, ao comentar o caso da Forbes, uma expressão dura e verdadeira: “Não existe bala de prata para a mídia impressa.”

Segundo fontes, a empresa foi vendida por 475 milhões de dólares, cerca de 1 bilhão de reais.

Mas o mercado duvida que essa cifra seja verdadeira. Há a suspeita de que o número seja bem menor.

Por que comprar um negócio que o próprio dono classifica de “obsoleto”? Há, aí, uma questão simbólica. É a China se apropriando de um ícone americano.

É interessante colocar o assunto à luz do mercado brasileiro.

O quadro é, ao mesmo tempo, igual e diferente. Igual na obsolescência que a internet trouxe às revistas.

Diferente nas alternativas colocadas à frente das empresas proprietárias.

Imagine que algum grupo chinês, para ampliar sua presença no Brasil, tivesse interesse em comprar uma editora de revistas.

Não conseguiria. A reserva de mercado que vigora na mídia impede o controle de acionistas estrangeiros.

É uma ironia.

Durante décadas, as grandes companhias de beneficiaram da reserva. A competição de fora foi afastada.

Mas agora o que era uma vantagem competitiva – na realidade uma mamata, mais um dos tantos privilégios – é um obstáculo.

Onde existe, no Brasil, dinheiro suficiente para a compra de uma grande empresa de mídia? A oferta nacional de potenciais compradores é extraordinariamente rarefeita.

Isso pode obrigar os donos a carregar seu negócio até que ele se extinga.

As companhias brasileiras teriam muito mais chances de fazer negócio se pudessem vender para investidores estrangeiros.

Mas não podem.

É um fato doído para seus donos, e também uma espécie de justiça poética.

Sobre o Autor

O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

Fonte: DCM

+ sobre o tema

Jornal pioneiro contra racismo deu voz a movimento negro há 100 anos

Há 100 anos, a criação de um jornal na...

Marco Civil da Internet entra em vigor

Começam a valer hoje (23) as novas regras para...

Por que a mídia não assume?

Por Alberto Dines A imprensa saiu da ditadura sem um...

para lembrar

Governo cria grupo de trabalho para mapear crimes de ódio na internet

A ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Ideli Salvatti,...

Brasileiro nunca pesquisou tanto na internet sobre racismo quanto em 2020

Os casos recentes de violência contra negros no Brasil...

Merkel e Dilma estão entre as três mais poderosas, aponta ‘Forbes’

Apesar dos extremos desafios enfrentados pelas duas chefes de...

A força política de um turbilhão chamado internet

- Na semana passada, a Petrobrás passou a publicar,...
spot_imgspot_img

Mulheres negras blogueiras, responsabilidade e ação

O trabalho de uma mulher negra blogueira não tem o devido reconhecimento e visibilidade, mesmo que seus artigos alcance milhares de leitores. Existe uma visão...

Ação orienta pais sobre combate à violência digital contra crianças

Em ação realizada nesta terça-feira (13) no Terminal do Metrô Jabaquara, em São Paulo, pais, mães e responsáveis por crianças e adolescentes receberam orientação...

Padrasto e enteada negros são alvo de ataques na internet após vídeo com trajes da Oktoberfest

Um homem de 44 anos e a enteada dele, de 12 anos, ambos negros, foram vítimas de racismo após aparecerem em um vídeo nas redes...
-+=