Orlando Silva: “luta contra o racismo não é da esquerda ou da direita, é da civilização”

Enviado por / FonteHora do Povo

Deputado do PCdoB- SP será o relator do projeto de lei que prevê a prisão de até três anos para quem cometer crime de racismo nos estádios de futebol

O deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP), afirmou em entrevista à CNN nesta sexta-feira (9) que o combate ao racismo está crescendo no Brasil e as penas contra os racistas nos esportes devem endurecer. “Não basta se indignar quando Vinícius Jr. sofre de racismo na Espanha, é preciso punir os racistas dentro do Brasil”, disse.

Ele será relator do projeto de lei que prevê a prisão de até três anos para quem cometer crime de racismo nos estádios de futebol. O texto, de autoria do deputado federal Alceu Moreira (MDB-RS), tipifica como crime a prática de injúria contra jogadores, torcedores ou outros profissionais a partir da utilização de “elementos referentes à raça, cor e etnia”.

Questionado se há condições de aprovação da proposta, Orlando disse que o tema tem ampla maioria na Câmara. “Acredito que há ambiente para votar medidas para endurecer penas para quem praticar atos racistas. Esse não é um tema da direita ou da esquerda, é um tema da civilização. É inaceitável que o Brasil siga convivendo com manifestações racistas”.

Assista a entrevista

Entre as sanções previstas, há ainda a aplicação de multa e a proibição de comparecimento às proximidades de estádios, ou qualquer local em que se realize evento esportivo. O tempo de afastamento pode variar de três meses a três anos. O texto original traz ainda a possibilidade de penalização de torcidas e times, a depender do caso.

O deputado avaliou também a atual situação política do Governo Lula no Congresso Nacional, e falou que é necessário “mobilizar todo o governo” para que haja uma maioria política no Legislativo. Orlando lembrou que o país está fraturado e que a frente ampla é necessária para governar e avançar na pauta vitoriosa nas urnas.

“Hoje na Câmara há uma instabilidade na base do governo. Porque nós temos 150 deputados apoiadores, 150 radicalmente contra e cerca de 200 onde o governo deve buscar apoio para ter uma maioria”, explicou o parlamentar. Ele disse que “são necessários gestos em que eleitores que votaram em Lula, mesmo não sendo de seu campo político, se sintam representados pelo governo”.

“Não basta o presidente Lula entrar em campo. Não basta criar mecanismos, como facilitar o acesso ao Orçamento, ou receber líderes. É necessário mobilizar todo o governo no esforço de construção de uma maioria política. Muitas vezes inúmeros ministros ficam alheios a política, em um distanciamento do Parlamento”, criticou. “E a tarefa de formar maioria a favor do governo deve ser de todo o governo”, acrescentou o parlamentar.

Sobre o projeto contra as fake news, relatado por ele, o deputado disse que continua trabalhando para formar uma maioria no plenário da Câmara. Estamos aperfeiçoando o texto e ouvindo mais sugestões de setores envolvidos no assunto. Ele citou uma reunião com o representante mundial do Google que esteve no Brasil e fez questão de se reunir com o deputado.

+ sobre o tema

Nath Finanças entra para lista dos 100 afrodescendentes mais influentes do mundo

A empresária e influencer Nathalia Rodrigues de Oliveira, a...

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do...

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga...

Concurso unificado: saiba o que o candidato pode e não pode levar

A 20 dias da realização do Concurso Público Nacional...

para lembrar

spot_imgspot_img

Gibi, 85 anos: a história da revista de nome racista que se transformou em sinônimo de HQ no Brasil

Um dicionário de português brasileiro hoje certamente trará a definição de gibi como “nome dado às revistas em quadrinhos” — ou algo parecido com isso....

Estudante negra de escola pública ganha prêmio com pesquisa que apontou racismo em dicionários: ‘racismo enraizado na fala’

Uma aluna do Ensino Médio do Instituto Federal São Paulo, de Bragança Paulista (IFSP), conquistou medalha de ouro após apresentar uma pesquisa sobre racismo, durante a...

Alunos de colégio em Brasília sofrem ataques racistas em torneio de futsal

A Escola Franciscana Nossa Senhora de Fátima afirma que estudantes do colégio Galois chamaram seus alunos de "macaco", "filho de empregada" e "pobrinho" durante...
-+=