Os pretos dos EUA são demais!

“Cristina, o Uber tá chegando”, avisa Marta, sem desgrudar os olhos da televisão. Na sequência, emenda: “Os pretos dos EUA são demais!” Sem tecer comentário sobre as imagens da tv, Cristina, dirigindo-se à porta de saída, informa: “Coloquei as marmitas do final de semana no congelador. Até segunda, Dona Marta.” No elevador, Cristina sente um aperto no peito. O joelho que sufoca o pescoço até a morte. O policial branco com as mãos no bolso. O rapaz negro no chão sem poder respirar. “Tem que colocar fogo em tudo mesmo!”, Cristina diz para si mesma.

O Uber chega. A viagem é longa e silenciosa. A cabeça de Cristina não descansa. Medo e raiva se alternam como companheiros de viagem. O temor vem pela lembrança do filho Joaquim, naquele momento, deve estar fazendo entrega para o Ifood pela cidade. O coração de Cristina acelera. Moto sem manutenção. Avanço da pandemia.

No sinal vermelho, a raiva compartilha o percurso. Bastou Cristina se lembrar do entusiasmo de Marta com os pretos dos EUA. “Ela elogia porque o ódio deles está longe dela.”, pensa em voz alta. Daí, Cristina rememora que Marta não demonstrou nenhuma paciência para ouvir o reclamo de Pedro, o porteiro, enquanto o moço relatava a abordagem policial que havia recebido quando se deslocava para o trabalho. Na ocasião, Marta estava ansiosa para perguntar se o pacote da Amazon chegara na portaria do prédio. Cristina recorda com nitidez que Marta permaneceu silenciosa quando Marlene, a manicure, alterou o tom da voz para contar sobre o dia em que foi perseguida pelo segurança dentro do supermercado. Naquele dia, quando chegou a casa, Marta confessou a Cristina que estava com medo que a manicure, movida pela emoção, tirasse bife de sua cutícula. Cristina recupera, com riqueza de detalhes, quando Marta não conseguiu dissimular condescendência com Vanusa, a moça do caixa do supermercado, que, revoltada, gritou contra a humilhação que estava sofrendo de um cliente. Naquele momento, Marta, atrasada para aula de Pilates, só queria passar rapidinho pelo caixa.

Na lombada, o carro freia, e Cristina sussurra: “Os pretos daqui estão com muita raiva”. Ela mesma tem um ódio que não cessa. De todas a aversões, a que mais odeia é ser tratada como um bicho de estimação. “Não vivo sem a Tina”; “Tina faz a melhor quiche da cidade”; “Tina me conhece mais que meu analista”. Nessas ocasiões, Cristina tem vontade de gritar: Meu nome é Cristina Pereira da Silva, e seu corpo se transforma em pólvora, prestes a explodir. Um tipo de revolta aquecida pelo fogo da sobrevivência.

O Uber se aproxima de sua casa. Os pensamentos de Cristina não desaceleram. Ela se pergunta como Marta agiria se Joaquim fosse assassinado pela polícia ou morresse durante a entrega de comida. Cristina, que conhece a patroa melhor que Freud, visualiza: ao receber a notícia, Marta franze a testa, gesto que costuma fazer quando recebe notícia ruim, diz uma palavra de consolo e oferece ajuda financeira com os preparativos do velório. Em poucos dias, após a morte de Joaquim, Marta segue com sua vida facilitada pelos aplicativos.

O carro chega à porta da casa de Cristina. Antes de sair, ela ajeita as sacolas e diz para o motorista: “Espera um pouquinho que a raiva vai descer comigo.”

+ sobre o tema

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

para lembrar

Lázaro Ramos causa alvoroço na Marcha contra Genocídio do Povo Negro em Salvador

Por: Marivaldo Filho O ator baiano Lázaro Ramos participou, na...

Justiça decreta prisão de major envolvido no caso Amarildo

Outros três policias envolvidos no desaparecimento e morte do...

A Bahia está mergulhada num mar de sangue

Postura radical é inaceitável para policiais acostumados a chutar...
spot_imgspot_img

Atirador mata três homens negros na Flórida; crime teve ‘motivação racial’, diz polícia

Um homem branco matou três homens negros do lado de fora de uma loja de descontos em Jacksonville, no estado americano da Flórida, em...

Ato em Copacabana pede justiça por rapaz morto em ação policial

Familiares, amigos, moradores da Cidade de Deus, artistas e apoiadores realizaram um ato, neste sábado (19), pedindo justiça por Thiago Menezes Flausino, 13 anos...

Justiça realiza audiência de instrução do julgamento dos PMs acusados de matar Kathlen Romeu

A Justiça Fluminense marcou para esta segunda-feira (29) uma audiência de instrução e julgamento dos PMs acusados de atirar contra a jovem Kathlen Romeu. Marcos Felipe...
-+=