sexta-feira, março 5, 2021

Resultados da pesquisa por 'Frantz Fanon'

(Foto: Enviado por Maria do Carmo Rebouças dos Santos ao Portal Geledés)

Amílcar Cabral: o pedagogo político-cultural das lutas anticoloniais africanas

Mario de Andrade, combatente contra o colonialismo português em Angola, primeiro biógrafo político de Amílcar Cabral e seu companheiro de luta, vai nos lembrar que na trágica história da África revolucionária, em meio a uma débil memória de grandes revolucionários, três figuras ganham indubitável destaque: Kwame Nkrumah, o visionário que liderou a independência de Gana; Patrice Lumumba, o mártir, assassinado enquanto lutava pela independência do Congo; e Amílcar Cabral, o unificador, o líder político da teoria e da ação que conduziu a luta pela independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde (ANDRADE, 2008). No 47a ano de sua morte, na coluna Amefricanidades – Apontamentos sobre o Atlântico Negro, pretendo desvelar uma pequena parte do pensamento e da ação política do principal idealizador de uma das mais bem sucedidas lutas pela independência colonial do século XX no Continente africano – Amílcar Cabral e demonstrar a potência e a contemporaneidade de suas ideias ...

Leia mais
"Nos revoltamos simplesmente porque por muitas razões não podemos mais respirar." Arte homenageia Faton - Tony Webster/ Wikicommons

Como combater um mundo estreito e repleto de violência

Dossiê do Instituto Tricontinental insere o pensamento do intelectual negro Frantz Fanon na atualidade Por Nara Lacerda, do Brasil de Fato "Nos revoltamos simplesmente porque por muitas razões não podemos mais respirar." Arte homenageia Faton - Tony Webster/ Wikicommons Em 1961, sofrendo com os sintomas de uma leucemia em estágio terminal, o pensador, pesquisador e militante negro Frantz Fanon, ditou seu último livro Os condenados da terra, no qual faz um relato angustiante sobre as divisões sociais. Nas palavras do intelectual, o sistema colonial deixava uma herança a ser combatida “um mundo estreito, repleto de violência”. Quase 60 anos depois, o pensamento e a percepção de Fanon parecem carregar ainda mais o peso da realidade. No dossiê Frantz Fanon: o brilho do metal, o Instituto Tricontinental de Pesquisa Social faz uma análise sobre a atualidade das pesquisas e conclusões do intelectual. Nascido na ilha caribenha Martinica ...

Leia mais

O chicote, o racismo e o poder de mulheres

Que existe racismo no Brasil, não há dúvidas. Que isto é estrutural, institucional ou (como diria Frantz Fanon) existencial, também é sabido por parte da população que tem autocrítica. Porém, pouco se fala sobre o que acontece quando o poder está em mãos de mulheres negras. Por  Jaqueline Vasconcellos, enviado para o Portal Geledés Jaqueline Vasconcellos (Arquivo Pessoal) Na pirâmide social da exclusão, são as mulheres negras que estão no assoalho e que são pisadas por toda sorte de opressores. Porém, em se tratando de mulheres com algum nível de poder, existe certo esforço social, em especial dos homens ao seu redor, em tornar velado o racismo e o machismo, mas ainda assim, não deixá-las achar que as ordens são dadas por elas. Alexandra Loras, ex-consulesa da França, mulher negra, denomina essa cordialidade como “apartheid cordial”, para definir o que mulheres negras enfrentam em nosso país. ...

Leia mais
Freepick

Os olhares racistas causam constrangimentos

“Você tá dirigindo um carro O mundo todo tá de olho em você, morou? Sabe por quê? Pela sua origem, morou irmão?” Racionais MC´s Por Ricardo Corrêa para o Portal Geledés Freepick "Entramos em uma loja de roupas para comprar umas peças, e num descuido de minha parte o meu filho de 10 anos abriu a mochila para pegar o pacote de bolacha pra comer. Fiquei desesperada, arranquei da mão dele e rapidinho fechei a mochila”. Esse é o relato da minha amiga, Fernanda (nome fictício), sobre a situação que a deixou bastante nervosa numa loja no centro de São Paulo. E continuou "Imagine se alguém visse a gente com a mochila aberta, poderiam pensar que estávamos roubando alguma coisa. Quem é negro precisa estar sempre atento.” Lamentei muito o ocorrido e sabia perfeitamente quais os sentimentos que a acometeram naquele momento. Nós, negros, vivemos aprisionados em ...

Leia mais

Autora e autoridade da própria história

'Aprendi mais com o candomblé do que na universidade', diz a artista portuguesa Grada Kilomba, convidada da Flip Por Paula Carvalho, Da A Revista dos livros  A escritora e artista portuguesa Grada Kilomba (Foto: Esra Rotthoff/Cortesia do Gorki Theatre e do artista Moses Leo) Na vídeo instalação Illusions 2, a artista portuguesa Grada Kilomba faz uma releitura da história do trágico Édipo, aquele que mata o pai e casa com a própria mãe em plena ignorância. Ao se apropriar da narração da tragédia grega, ela cria um nó na interpretação freudiana da história e traz à tona uma série de elementos que se relacionam ao racismo. Além de narradora, Kilomba tomou para si o papel mais enigmático de todos: o da misteriosa esfinge, o monstro que desafia a entrada de Édipo em Tebas com um enigma. “Decifra-me ou devoro-te” parece ser o mantra decolonial em torno do ...

Leia mais

VÍDEO: O professor que ajuda a desconstruir masculinidades

Caio César tem 24 anos, é morador de Mesquita e professor de geografia. Ele pesquisa e escreve sobre masculinidades desde 2016. Começou a se interessar pelo assunto depois de ler “Peles negras, máscaras brancas”, do filósofo e psiquiatra Frantz Fanon. Da ONUBR Esta leitura o fez refletir sobre temas como a solidão da mulher negra e as preferências afetivas dos homens negros. Caio percebeu a importância de debater as masculinidades negras. No final de 2017, integrou o projeto MEMOH – referência à palavra ‘homem’ de trás para frente –, que organiza oficinas e rodas de conversa entre homens para discutir o assunto. “A gente está pensando em construir homens que sejam mais saudáveis. A gente tem uma masculinidade que é montada e impossível de ser exercida sobre vários aspectos, e isso causa nos homens uma série de questões muito ruins do ponto de vista pessoal, mas também da forma com que ele ...

Leia mais

Achilie Mbembe e Sueli Carneiro: filósofos das epistemologias insurgentes

Programa Em um contexto tão refratário à reflexão e à teoria e tão apegado a crenças e opiniões, como fazer do exercício do pensamento uma forma de materialização da política, ao modo da filósofa Hannah Arendt? É possível aproximar a filosofia da vida? É plausível renová-la com aquilo que há de mais pulsante e perturbador no nosso mundo? Do Sesc São Paulo  Foto: Caroline Lima/ Nicolas Marques/KR Entendemos que o enfrentamento destas questões nos leva, pelo menos, a uma via que se bifurca em duas: de um lado, temos o predomínio de um tipo de eficácia social que se construiu desdenhando o exercício do pensar, dando primazia à razão técnica; muito rapidamente a nossa educação privilegiou a formação instrumentalizada, desconsiderando outras formas de conhecimento. De outro lado, nos deparamos com a subalternidade e invisibilidade de modalidades do saber e do pensamento que foram postos à margem ...

Leia mais

Isto é um negro?

O espetáculo é um estudo sobre o que é ser negro e negra no Brasil e, especificamente, sobre o que é ser um artista negro no país hoje. Do jornalspnorte Cena do espetáculo (Imagem retirada do site Jornal SP Norte) Algumas perguntas e tentativas de respostas permearam a construção desse ensaio: como discutir negritude e questões raciais a partir de experiências singulares? Por outro lado: como transformar teoria em cena? Partindo das leituras das obras de Fred Moten, AchilleMbembe, Bell Hooks, Grada Kilomba, Frantz Fanon (1925-1961), Sueli Cordeiro e AiméCesaire (1913- 2008), o grupo elaborou as questões que tenta materializar em cena. Dia 20/3, às 20h. Dia 21/3, às 17h. Ingresso R$40. 18 anos. Teatro Alfredo Mesquita Av. Santos Dumont, 1.770 Fone: 2221-3657

Leia mais
Onisajé (Fotos: Adeloyá Magnoni)

Espetáculo da Companhia de Teatro da Ufba tem direção de uma negra

Pela primeira vez, uma mulher negra dirige um espetáculo da Companhia de Teatro da Ufba: Pele Negra, Máscaras Brancas. Por Flavia Azevedo, do Correio 24 Horas  Onisajé (Fotos: Adeloyá Magnoni) A montagem Com elenco 100% composto por pessoas negras, a Companhia de Teatro da Universidade Federal da Bahia estreia, em março, espetáculo que traz a temática do racismo. Um momento histórico para o grupo. Ao conduzir essa equipe para a encenação de "Pele Negra, Máscaras Brancas", Onisajé (Fernanda Júlia) se torna a primeira mulher negra a dirigir um espetáculo da companhia que já tem quase quarenta anos de existência. A dramaturgia (de Aldri Anunciação) se baseia em obra homônima de Frantz Fanon, leitura obrigatória para aqueles que discutem, estudam e lutam contra o racismo.   O espetáculo passeia por três períodos (1950, 2019 e 2888) e, nessa viagem, fala sobre processo de colonização e a construção de ...

Leia mais
James Baldwin (Foto: Ralph Gatti / AFP/Getty Images)

James Baldwin. Ninguém sabe o meu nome.

O que vais ouvir, ler ou ver foi produzido pela equipa do Fumaça, um projecto de media independente, progressista e dissidente e foi originalmente publicado em www.fumaca.pt. PARTE 0 James Baldwin, escritor norte-americano, ativista anti-racista, anti-colonialista e anti-imperialista, morreu a 1 de dezembro de 1987. James Baldwin:  Uma das coisas que mais aflige este país é que as pessoas brancas não sabem quem são e de onde vêm. É por isso que pensam que eu sou um problema. Eu não sou um problema. A vossa história é. E enquanto vocês fingirem que não conhecem a vossa história serão prisioneiros dela. E não há dúvida sobre se estão a libertar-me ...

Leia mais
JACQUES d'ADESKY foto de Rosanea Santos

Jacques d’Adesky lança livro no Rio de Janeiro

‘Percursos para o Reconhecimento, Igualdade e Respeito’, de Jacques d'Adesk, será lançado na livraria da Travessa, Rio de Janeiro hoje  JACQUES d'ADESKY foto de Rosanea Santos "Ainda que o fio condutor deste livro remeta à abordagem teórica do reconhecimento de Axel Honneth e à perspectiva multicultural dialógica formulada por Charles Taylor, o livro apoia-se numa interlocução com intelectuais e universitários do Movimento Negro, sobre temas como justiça social, diversidade, igualdade de oportunidades, racismo e reconhecimento. Nesse contexto, o livro aponta que a despeito das políticas públicas de ação afirmativa brasileira que têm proporcionado avanços no campo do ensino superior, no início deste século XXI, as populações afrodescendentes permanecem no patamar mais baixo da escala social, não tendo o pleno poder de enunciação bem como o igual acesso ao poder político.” conta Jacques d’Adesky   CAPA LIVRO JACQUES DIVULGAÇÃO Confira depoimento sobre o livro:   “A trajetória intelectual de Jacques d’Adesky ...

Leia mais
JACQUES d'ADESKY foto de Rosanea Santos

“A intolerância pode se tornar nos próximos anos um inimigo comum” , diz Jacques d’Adesky

O mais novo livro de Jacques d’Adesky, Percursos para o Reconhecimento – Igualdade e Respeito –se torna urgente com seu resgate histórico e consistente do período da escravatura ao início do século XXI, com uma série de provocações que nos apontam novas alternativas para as questões étnico - raciais brasileiras. Com linguagem clara e simples, o doutor em Antropologia Social pela USP e licenciado em Ciências Econômicas pela Universidade Católica de Louvain, na Bélgica, retoma o pensamento de ícones como por Léopold Sédar Senghor, Aimé Césaire e Frantz Fanon, dialogando com a atualidade sobre racismo e as práticas coloniais. Nesta entrevista à coluna Geledés no debate, Jacques d’Adesky discute o poder de emancipação da população negra e a possível “via libertadora das mentalidades de subserviência geradas pela escravidão e colonização”. O intelectual aponta ainda que mesmo diante da vigente intolerância no Brasil, não há motivos para desanimar. [caption id="attachment_138708" align="aligncenter" ...

Leia mais
Cartaz Divulgação

“Preto”, uma peça preta

Pode algo “ser” preto? Pode uma determinação explicar um ser? Pode uma pessoa ser preta? A resposta é não e sim. A peça (de teatro) “Preto”, da Companhia Brasileira de Teatro, dirigida por Márcio Abreu, com dramaturgia dele, de Grace Passô e Nadja Naira, vai a fundo com o questionamento sobre o que significa “ser preto” no Brasil a partir, predominantemente, do “ser preta”. O carro-chefe da peça são narrativas, reflexões e performances sobre racismo, violência cotidiana, empatia e a posição da “mulher preta” no Brasil, uma construção contextualizada, em conexão com a questão abstrata por trás do racismo: da redução e reificação de pessoas a um tipo de identidade, a “ser preto”. por Thiago Aguiar Simim para o Portal Geledés Cartaz Divulgação / Companhia Brasileira de Teatro “Preto” trata o racismo no Brasil pela perspectiva da “mulher preta lésbica”, como sujeito revolucionário, como ponto de partida ...

Leia mais

Faxineira brasileira palestrará para doutores norte-americanos

A mineira Alline Parreira narrará sua história de vida em primeira pessoa na Cuny University, em Nova Iorque, na semana que vem. Evento será transmitido online Por Tássia di Carvalho para o Portal Geledés  Imagem enviada para o Portal Geledés Nem todo conhecimento vem de livros, e Alline Parreira, 27 anos, é a prova viva disso: Nascida no sertão mineiro, no Município de Manga, adotada ilegalmente na barriga de sua mãe biológica por uma mulher intersexual. Adotada novamente aos três meses de idade por uma mulher branca idosa. Alline seguiu, pobre, preta, lutando contra racismo e preconceito na construção de seu gênero e da sua aceitação identitária como mulher negra sem referência racial em sua família adotiva. Ela tem muita história para contar, e no próximo dia 15, às 19h, narrará sua trajetória em primeira pessoa em uma palestra documental inovadora, mesclando poesia, oralidade e projeções de sua trajetória de Manga ...

Leia mais
Foto: Getty Images/Arquivo

Uma quilombola brasileira em Harvard: reflexões sobre estigma e autoestima

No final do ano passado, recebi de uma amiga e companheira militante do Movimento Negro Unificado, a advogada Margareth Ferreira, uma mensagem contendo uma chamada de seleção de trabalhos para participar de um workshop de teses no Instituto de Pesquisas Afro-Latino-Americanas em Harvard.   Entrei no site e vi os critérios para seleção, que consistiam em envio do resumo da tese e uma carta do orientador falando sobre o trabalho. Fiquei pensando logo nos impedimentos com relação à língua, pois não sou fluente em inglês, mas li que os trabalhos poderiam ser enviados nas três línguas: português, inglês e espanhol. Primeira barreira, rompida. Então pensei: “Por que não?” Entretanto um complexo de inferioridade ainda falava lá dentro de mim: “Eu em Harvard?” E, por outro lado, uma voz dizia: “Vai! Por que não?” Havia também meu companheiro reforçando o lado positivo, é claro, incentivando-me a enviar o resumo. O lado ...

Leia mais
Reprodução/ Marvel

Žižek: Dois Panteras Negras

Há tempos esperávamos por um filme como "Pantera Negra", mas "Pantera Negra" não parece ser o filme pelo qual esperávamos... ou será que é? * ARTIGO ENVIADO PELO AUTOR DIRETAMENTE PARA SUA COLUNA NO BLOG DA BOITEMPO. A TRADUÇÃO É DE ARTUR RENZO Por Slavoj Žiže, do  Boitempo   Reprodução/ Marvel Há tempos esperávamos por um filme como Pantera Negra, mas Pantera Negra não parece ser o filme pelo qual esperávamos… ou será que é? O primeiro sinal de alerta que indica que estamos em terreno ambíguo é o fato de que o filme foi recebido com entusiasmo praticamente de ponta a ponta no espectro político: dos partidários da emancipação negra que viram nele uma importante afirmação hollywoodiana de representatividade e valores de empoderamento negro, passando por liberais de esquerda mais modestos que simpatizaram com a resolução razoável do enredo (educação e ajuda, ao invés de luta), até chegar a adeptos ...

Leia mais

Tiago Leifert está errado. Representatividade importa

Onde estão os negros? Os indígenas? As mulheres? Os gays e lésbicas? Quem nos representa? Quem nos tira da invisibilidade? Por Pai Rodney , da Carta Capital  Foto: Reprodução/Globo “Deixa eu falar a real. Ninguém aqui fora deu procuração para vocês representarem ninguém aí. Sem essa de representatividade, que isso não leva a nada.” Será mesmo, Tiago Leifert? Deixa eu te perguntar um negócio: em nome de quem você diz isso? Será mesmo que ninguém se identifica com seu discurso, com sua postura, com seu jeito, com sua cor, com sua orientação sexual? Será que você é o único indivíduo no planeta que não se define como um complexo de relações sociais? Vive isolado, fora da realidade, sem cultura, sem comunicação? Será, Leifert, que você realmente não representa ninguém? Será mesmo que não há nenhum interesse representado nesse seu discurso? A televisão faz pesquisas, escreve roteiros, faz edições, cria celebridades, angaria patrocinadores, movimenta ...

Leia mais
(Foto: Daniel Bockwoldt - 25.mai.17/dpa/AFP)

O lumpenradicalismo e outras doenças da tirania, por Achille Mbembe

Do fim do período colonial ao começo dos anos 1990, a maioria dos africanos viviam sob regimes civis ou militares, capitalistas ou socialistas, os adjetivos pouco importam. Eram regimes geralmente de partido único cujo líder era um tirano, isso porque a descolonização dificilmente abriu caminho para a democracia. Na África austral, onde os europeus estabeleceram colônias de povoamento nas diversas fases da longa expansão imperialista, a segregação racial era a lei. Os negros simplesmente não eram sujeitos políticos de direito, e todo o resto se desprendia desse princípio fundamental. Após a queda do muro de Berlim, importantes movimentos contestatórios, essencialmente conduzidos por uma coalização heteróclita de forças autóctones, levaram a uma relativa liberação do campo político, ao fim dos partidos únicos e à sustentação de nossas economias nos princípios do mercado. Isso acontecia à medida em que declinava e desaparecia o comunismo na Europa do Leste, antes daquilo que chamaríamos ...

Leia mais

Cotas raciais: além da pele negra, a conscientização

Nós não podemos pensar em nos unirmos com os outros até que sejamos primeiro unidos entre nós.     Malcolm X  por Ricardo Alexandre da Silva Corrêa via Guest Post para o Portal Geledés Uma das características perversas da classe dominante brasileira é a difusão do pensamento de que os negros são os responsáveis pela situação marginal em que a maioria se encontra e, por essa razão, qualquer medida oriunda do Estado para alterar esse aspecto não tem justificativa aceitável. Discordando desse pensamento, assumo a lógica do sociólogo Pierre Bourdieu ao esclarecer que análises sociológicas precisam emergir de uma visão holística, pois nada que não seja imaginário existe sem um complexo de relações. Sendo assim, algumas perguntas são inevitáveis: o período escravista foi somente um detalhe na história do Brasil? Quiçá, uma obra do acaso sem efeitos posteriores? Para avançarmos neste debate, pretendo provocar reflexões acerca das cotas raciais como elementos que ...

Leia mais

Quem controla os silêncios? (resposta a Daniela Thomas)

*Esse texto foi originalmente escrito em resposta ao texto de Daniela Thomas no site da Piauí. Não pude publicá-lo lá porque os responsáveis  acharam que seria justo que minha resposta fosse do tamanho do texto de DT. Acabei escrevendo outro, obedecendo ao limite proposto por eles, que está publicado no blog da revista em http://piaui.folha.uol.com.br/o-movimento-branco/  no Blog do Juliano Gomes Reprodução O debate ao qual Daniela Thomas se refere em seu texto O lugar do silêncio está agora online quase na íntegra. A ordem de postagem dos vídeos está um pouco confusa mas, dado o interesse pelo fato, contamos com material para melhor perceber este momento que tocou a imprensa brasileira no 50º Festival de Cinema de Brasília. Pela menção direta ao meu nome, resolvi publicar uma resposta ao texto e me ater mais ao acontecimento do que ao filme, sobre o qual já escrevi texto crítico para a Cinética, que ...

Leia mais
Página 3 de 7 1 2 3 4 7

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist