‘Para de atirar na gente’, pede criança do Complexo do Alemão em cartinha

Os monstros, para as crianças da Escola municipal Walt Disney, são feitos de carne, osso e chumbo. No Complexo do Alemão, moram na casa ao lado. Às vezes, no cômodo ao lado. São vizinhos, amigos, familiares de meninos e meninas, que sofrem. É que a vida dessas crianças em nada parece os contos de fadas — na favela, os finais felizes são raros. E elas transbordam isso.

Por Bruno Alfano Do Extra

Para de atirar na gente”, pediu um aluno de 7 anos da Walt Disney do Alemão.

O desabafo foi feito em um trabalhinho feito a pedido do EXTRA — que começa hoje uma campanha para dar voz a essas pequenas vítimas invisíveis da violência na cidade. Alunos do 1º e 2º ano da escola em Ramos escreveram cartinhas (que ilustram essa página) sobre o tema “paz”. Mas a violência é mais forte.

Crianças pedem paz no Alemão Foto: Fabio Rossi / Agência O Globo

Como na vida de Maria (nome fictício), menininha de 6 anos, bochechas fartas, que quis contar a sua história, mas chorou antes do fim da frase.

— Meu pai tá na cadeia. Ele é bandido. E meu irmão morreu — resume a pequena, emocionada e envergonhada.

 

Ela sente saudades do pai, acusado de matar um policial. Mas entende o certo e o errado:

— Quero ser médica quando eu crescer. Porque vou poder cuidar de um monte de criança.

Na mesma turma de Maria, está o coleguinha que pediu para parar de atirarem na gente. Sonha em ser PM porque desejar prender os bandidos. Conta que lá onde mora, na Grota, é “um pouquinho legal” porque atiram “na gente”.

Crianças fizeram cartinhas a pedido do Extra Foto: Fabio Rossi / Agência O Globo

 

— Eu desenhei um coração porque eu quero paz e amor. Eu só vejo violência. Estão atirando muito na gente. E eu fico com medo porque eu quero que não me atirem — pede.

‘Necessidade de falar’

A professora de Maria explica a história da pequena. Ela sempre foi uma ótima aluna. Por isso, era estranho o sumiço da jovem. Quando voltou, contou o drama pelo qual a família passa.

— Ela repete essa história todo dia que vem para a escola. Ela tem uma necessidade imensa de falar. Em casa ela vê o sofrimento e se resguarda. Na escola, onde ela encontra um porto segundo, ela se sente à vontade de falar — conta a professora.

 

Educar sob essas condições é um desafio permanente, avalia a equipe pedagógica da unidade. Segundo as profissionais, que não serão identificadas na reportagem por segurança, avaliam que o desempenho é afetado por causa do grande número de faltas e do emocional abalado. A escola, portanto vira um refúgio.

 

— O espaço de belo, de criança, de amizade, de conhecimento, desses valores é a escola. É isso que a gente tenta fazer para combater essa violência de lá fora — conta uma coordenadora.

 

A Secretaria de Estado de Segurança afirmou que tem como diretrizes “a preservação da vida e o controle da criminalidade”. A pasta afirma que apoiou a criação do Programa de Qualificação e Aperfeiçoamento Profissional da Polícia Militar, que tem por objetivo aumentar a responsabilidade em relação ao uso da força e de armas.

 

— Eu fiz uma pergunta para os alunos. Quis saber o que eles achavam o que era violência. E eles falaram que é bater, é chutar, é matar, é roubar, é metralhar. Eles já viveram e tiveram contato com isso tudo. Depois eu perguntei quem era o bandido para eles. Mas eu perguntei no seguinte sentido: “bandido é quem faz coisa errada, quem rouba, quem faz alguma coisa”. Isso é o que eu responderia. E eles foram para o lado pessoal. “O bandido é o meu irmão que está preso, é o meu tio”, eles disseram. Eles levaram para a vida dele. O bandido não estava distante. Eu fiquei muito assustada com isso. Era um bandido real, que estava ali. Eram pessoas próximas deles — conta uma professora.

+ sobre o tema

Reaja à Violencia Racial e Policial !

Contra o Extermino da População Negra. Do MNURio Passeata " REAJA A...

Eliminar a violência na raiz de suas causas!

A escalada da violência em São Paulo não é...

Após um ano de uso de câmeras em uniformes, mortes por policiais caem 80%

As mortes cometidas por policiais militares despencaram em 19...

para lembrar

“Quanto mais diversos formos, melhores seremos”

Uma das mais destacadas intelectuais em atividade no país,...

Rio: ONU lamenta morte de estudante no Complexo da Maré

A Organização das Nações Unidas (ONU) no Brasil lamentou...

Oprah Winfrey diz que foi “vítima de racismo” na Suíça

Apresentadora disse que entrou em uma loja de bolsas...

Dos traficados com drogas aos traficantes de drogas: Racismo e Proibicionismo no Brasil

Segundo o historiador Henrique Carneiro no artigo “As drogas:...
spot_imgspot_img

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...

A falácia da proteção à vida

A existência de uma lei não é condição suficiente para garantir um direito à população. O respaldo legal é, muitas vezes, o primeiro passo...
-+=