Passe Livre se une a movimentos por pactos em favor da ‘maioria do povo brasileiro’

Entidades que conduziram luta pela redução da tarifa do transporte público pedem pacto por educação, saúde, transporte, moradia e trabalho, além do fim da violência policial

O Movimento Passe Livre (MPL) se juntará a centrais sindicais e movimentos sociais de esquerda amanhã (3) para realizar uma marcha em São Paulo em defesa dos direitos constitucionais e dos serviços públicos de qualidade, e contra as violações cometidas por governos e pela polícia nos preparativos para a Copa do Mundo de 2014. Com o tema “Da Copa eu abro mão: Quero dinheiro para Moradia, Saúde, Educação e Transporte de Qualidade!”, o protesto está marcado para as 17h na Praça Oswaldo Cruz, no Paraíso, região da Avenida Paulista.

“Essas bandeiras, que fazem parte das lutas dos movimentos sociais no Brasil há muitos anos, nesse momento ganham adesão de milhões de brasileiros, em especial da juventude”, diz a convocatória da manifestação, que está sendo difundida pela página do MPL e pelas redes sociais. “A juventude e os trabalhadores que estão nas ruas tiveram e ainda têm que enfrentar um forte aparato de repressão policial. Com a desculpa de atacar os vândalos, os manifestantes são vítimas de muita violência da PM. Nesse sentido, a luta pela desmilitarização das polícias também está na ordem do dia.”

“Somos um movimento de esquerda anticapitalista e, dentro dessa compreensão política, apoiamos todas as lutas populares do país”, esclarece a estudante Mayara Vivian, 23 anos, militante do MPL. “Nossa pauta prioritária é a tarifa zero e o transporte público de qualidade, e entendemos que as demandas pelo direito à cidade expressas por estas entidades fazem parte da luta. Além disso, os movimentos sociais estão abraçando o passe livre como suas próprias exigências ao poder público.”

Os movimentos sociais que organizam a marcha defendem a “ampliação das mobilizações” para exigir que os governos federal, estaduais e municipais atendam às reivindicações dos trabalhadores e da juventude. “Também defendemos a total liberdade de expressão nestes atos e a participação de todos os movimentos sociais, com suas bandeiras”, esclarecem, na tentativa de evitar que membros de partidos políticos sejam novamente agredidos por pessoas contrárias à presença de suas bandeiras na marcha, como ocorreu no último 20 de junho, em São Paulo.

Pactos populares
“Dilma apresentou a proposta de cinco pactos para o Brasil. Entendemos que estes pactos não são para os trabalhadores. Por isso, as organizações dos trabalhadores desafiam a presidenta a assumir 5 pactos que realmente interessam à maioria do povo brasileiro”, propõem as entidades, na tentativa de restabelecer a pauta inicial do movimento pela redução da tarifa do transporte público iniciado na capital em 6 de junho, que se diluiu em múltiplas reivindicações após ter se ampliado.

“Os 5 pactos elaborados pela presidenta Dilma Rousseff são mais conciliatórios do que qualquer outra coisa. Os movimentos elaboraram seus próprios pactos para mostrar que o povo não quer os pactos dela, mas esses aqui”, avalia Mayara, do MPL. “As demandas da Fifa e do capital têm sido atendidas pelo governo, mas as do povo, não. As reuniões com a presidenta, na semana passada, foram uma grande sabonetada. Não vimos nenhuma medida concreta. Nenhuma esfera de poder mencionou, por exemplo, podar lucro dos empresários de transporte neste país. Só falaram em desonerações.”

Como não poderia ser diferente, o primeiro pacto proposto pelas organizações populares diz respeito ao transporte: tarifa zero para o transporte público e estatização do sistema, que hoje em dia é operado por meio de concessões a empresas privadas na maioria das cidades brasileiras, como São Paulo. Em segundo lugar, aparece um pacto pelo trabalho, em que as organizações populares pedem redução da jornada de 44 horas para 40 horas semanais, bandeira histórica e unitária do movimento sindical.

A lista continua com um pacto pela moradia, com controle estatal sobre o valor dos aluguéis, uma das principais razões da existência de famílias sem-teto nas capitais do país; e fim das remoções forçadas, que se intensificaram em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro devido às obras de preparação para a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016. De acordo com a Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa (Ancop), há mais de 250 mil pessoas ameaçadas de despejo devido ao megaevento.

Os cinco pactos dos movimentos concluem com um duplo compromisso pela saúde e educação, que se cumpriria com a destinação de 10% do PIB para a educação e o fim da privatização do sistema de saúde, que, acreditam as entidades, hoje em dia se dá pela ação das organizações sociais (OSs). As reivindicações refletem a atuação política dos movimentos que convocam a marcha: MTST, Resistência Urbana, CSP-Conlutas, Intersindical, Unidos Pra Lutar, Terra Livre, FOS, Fórum Popular de Saúde, Mopat, Psol, PSTU, PCB, Espaço Socialista, MPL, ANEL, Tribunal Popular, Rompendo Amarras, Domínio Público, Coletivo Levante, Juntos e Rede Emancipa.

Por: Tadeu Breda

Quem são e o que querem os membros do Movimento Passe Livre

 
 

Fonte: Brasil de Fato

+ sobre o tema

Trabalhador que aderir à greve não pode ser demitido por justa causa

Contra a Reforma da Previdência e Trabalhista, movimentos sindicais...

Ligações entre Demóstenes e Cachoeira seriam para resolver questão amorosa

  Vinicius Sassine Publicação: 04/03/2012 09:31 Atualização: O bicheiro...

Caso Afroreggae:Policiais são denunciados por órgão militar

Fonte: Folha de S. Paulo A promotora Christiana de...

Após depoimento de Lula, jurista pede para retirar artigo de Moro em livro

“Sérgio Moro me deixou triste e decepcionado com tudo...

para lembrar

Movimentos iniciam coleta de assinaturas pela Reforma Política

Plataforma de diversas entidades sociais precisa recolher 1,5 milhão...

Campanha tucana mobiliza subprefeituras de São Paulo para pedir votos a Serra

Com “dedo” de Kassab, encontros reúnem lideranças comunitárias por...

Cidadania: Advogado ganha indenização de R$15 mil por pegar trem da CPTM lotado em São Paulo

A Justiça paulista condenou a CPTM (Companha Paulista de...

Moradores se recusam a colaborar com o Censo, no interior paulista

Em alguns casos os recenseadores são obrigados a recorrer...

Em 20 anos, 1 milhão de pessoas intencionalmente mortas no Brasil

O assassinato de Mãe Bernadete, com 12 tiros no rosto, não pode ser considerado um caso isolado. O colapso da segurança pública em estados...

CPMI dos Atos Golpistas: o eixo religioso

As investigações dos atentados contra a democracia brasileira envolvem, além dos criminosos que atacaram as sedes dos três Poderes, políticos, militares, empresários. Um novo...

Como pôr fim ao marco temporal

A tese do marco temporal, aprovada na Câmara nesta terça-feira (30), é ancorada em quatro pilares: genocídio, desinformação, atraso e inconstitucionalidade. Dos dois últimos, deve-se dizer...
-+=