Pavilhão do Brasil vence o Leão de Ouro da Bienal de Arquitetura de Veneza

Esta é a primeira vez em que o país é agraciado com o prêmio

O Pavilhão do Brasil foi premiado neste sábado (20) com o Leão de Ouro na Bienal de Arquitetura de Veneza. A mostra laureou o projeto “Terra”, assinado pelos arquitetos e curadores Gabriela de Matos e Paulo Tavares. Esta é a primeira vez em que o país é agraciado com a distinção.

Logo após o anúncio, a presença da ministra da Cultura, Margareth Menezes, foi exaltada pelos presentes. Alguns atribuíram a ela o apelido de “pé-quente” por supostamente levar sorte à comitiva brasileira.

Em discurso feito na abertura da mostra, a chefe da pasta afirmou que o país havia voltado a valorizar a cultura. Ao todo, seu ministério diz ter destinado R$ 1,5 milhão para o pavilhão.

“É do Brasil!”, comemorou Margareth Menezes, em publicação nas redes sociais. “Parabéns à exposição ‘Terra’, que traz nossas origens com tanta força e poesia, e aos arquitetos e curadores Gabriela de Matos e Paulo Tavares”, disse ainda.

Mais do que uma vitória histórica, a chegada do Leão de Ouro representou uma guinada de sorte para a própria ministra: enquanto estava a caminho da Bienal, na quinta (18), ela teve a sua carteira furtada de dentro da sua bolsa, como revelou a coluna. O prefeito de Veneza chegou a pedir desculpas pelo ocorrido.

Como mostrou a Folha, o pavilhão brasileiro deste ano teve como ponto de partida a tese de que Brasília foi fruto de um processo de colonização territorial, tendo sido erigida em um território originalmente ocupado por quilombolas e indígenas.

Gabriela de Matos, a primeira curadora negra da história do pavilhão brasileiro, e Paulo Tavares propuseram um olhar para o que chamam de arquiteturas ancestrais, ou seja, as realizadas por comunidades afrobrasileiras e indígenas.

A mostra foi dividida em duas salas. A primeira, “Descolonizando o Cânone”, problematiza a história oficial de Brasília com uma seleção de fotos de arquivo organizada pela historiadora Ana Flávia Magalhães Pinto, um vídeo da cineasta Juliana Vicente e a exposição de dois mapas, um comissionado para a mostra, “Brasília Quilombola”, e outro dos anos 1940 atualmente usado pelos indígenas para reivindicação de direitos territoriais.

A fachada do pavilhão brasileiro com os gradis ornados com sankofas (Foto: Gabriela de Matos e Paulo Tavares)

A segunda galeria, “Lugares de Origem, Arqueologias do Futuro”, reflete sobre o papel da terra como crucial na arquitetura brasileira. Os curadores defendem que o solo é o elemento comum nos terreiros das religiões de matriz africana e também nas estruturas indígenas.

Intitulada “O Laboratório do Futuro”, a bienal deste ano dá papel central à África. Dos 89 participantes da mostra principal, mais da metade tem origem no continente ou vem da diáspora africana.

+ sobre o tema

Filme ‘perdido’ de Bob Marley chega ao cinema

Filme 'perdido' de Bob Marley chega ao cinema. Depois de...

Ntxuva, o xadrez africano, ensina matemática de forma lúdica

Pelas ruas de Maputo, Moçambique, uma cena se repete....

Após evangélicos, adeptos das religiões afro mostram cânticos em shopping

Nos últimos meses, frequentadores de vários shopping centers do...

Negro Homem, Negra Poesia: José Carlos Limeira

JOSÉ CARLOS LIMEIRA (1951-2016) In memorian Nasceu em Salvador Bahia Brasil, no...

para lembrar

“Nunca fui escravo, mas a mãe era”, conta quilombola de 128 anos que vive em Bauru (SP)

Ele afirma ter nascido dentro do quilombo Pedra Branca,...

Fazer ou não fazer personagem racista, eis a questão

Com receio de falar sobre o tema em uma...

Alcione e Naomi Campbell estão juntas (e DESLUMBRANTES) na edição de 41 anos da Vogue Brasil

Pois bem, agora vamos à explicação: Nesta segunda-feira, 25, a...

Blogs e fanpages que mostram que valorizam a negritude

Blogs e fanpages que mostram que valorizam a negritude. De...
spot_imgspot_img

Inéditos de Joel Rufino dos Santos trazem de volta a sua grandeza criativa

Quando faleceu, em 2015, Joel Rufino dos Santos deixou pelo menos dois romances inéditos, prontos para publicação. Historiador arguto e professor de grandes méritos, com...

Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida

Em 2025, a Marquês de Sapucaí, com suas luzes e cores, será palco de um verdadeiro aquilombamento, termo que hoje define o movimento de...

Álbum de Lauryn Hill é considerado melhor da história em lista da Apple Music; veja ranking

Uma lista publicada pela Apple Music elegeu os 100 melhores álbuns de todos os tempos. Em primeiro lugar, a escolha foi para 'The Miseducation...
-+=