Pernambuco tem o maior número de crimes violentos contra população LGBTQIA+ do Brasil

Levantamento mostra que houve 604 ocorrências de lesão corporal dolosa em 2020, 78,7% a mais que em 2019

A brutalidade do caso de Roberta Nascimento Silva, travesti de 33 anos morta após ter o corpo queimado por um adolescente de 16 anos no Recife, ilustra uma realidade que se agrava em Pernambuco: o da violência contra a popuação LGBTQIA+. Em 2020, o estado foi recordista em registros de crimes contra esse público, segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, elaborado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e publicado no último dia 15. 

O levantamento mostra que houve 604 ocorrências de lesão corporal dolosa, 78,7% a mais que em 2019; 39 de homicídios dolosos, com crescimento de 30%; e 47 de estupro, taxa 104,3% superior.

São os maiores números absolutos entre todas as unidades federativas. Apesar disso, Pernambuco segue a tendência do país: o Brasil registrou crescimento de 20,9% em lesão corporal dolosa, 24,7% em homicídios dolosos e 20,5% em estupros de pessoas LGBTIA+.

No documento, o Fórum aponta para uma relação entre a expansão desses timos de crimes com o discurso e o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que mobilizaria pautas anti-LGBT e anti-feministas como plataforma política.

“Um exemplo emblemático da convergência entre bolsonarismo e LGBTfobia é revelado pela pesquisa intitulada ‘Política e fé entre os policiais militares, civis e federais do Brasil’, produzida pelo FBSP em parceria com a empresa Decode, que indicou alta incidência de comportamento LGBTfóbico entre policiais militares nas redes sociais, mesmo grupo em que foi detectado maior apoio ao presidente e à ruptura institucional, por vezes tendo como proxy, ou símbolo, o antagonismo em relação ao STF”, diz trecho do relatório. 

Coordenadora nacional da Rede Nacional de Lésbicas e Mulheres Bissexuais Negras Feministas (Candaces), Rivânia Rodrigues, concorda: “Esse aumento [da violência] é grande, e é resultado de um desgoverno nacional que impulsiona as pessoas a serem LGBTQIfóbicas. É um governo misógino e isso encanta muito quem hoje está dentro da farda, nas forças armadas, que vê o presidente da república como mito e instiga esse lado maior do preconceito”, defende.

Pernambuco é pioneiro no registro de crimes contra a população LGBTQIA+

A articuladora política da Articulação e Movimento para Travestis e Transexuais de Pernambuco (Amotrans-PE), Jana Castro pondera que os números elevados em Pernambuco refletem, na verdade, o aumento na notificação de casos de LGBTfobia. “A violência sempre existiu, ela só está sendo relatada e denunciada. O Brasil, infelizmente, é o país que mais mata pessoas LGBT do mundo”, comenta.

Sobre os índices, a Secretaria de Defesa Social de Pernambuco (SDS) responde que o estado foi um dos únicos cinco que forneceram dados completos de lesão corporal dolosa, homicídio doloso e estupro contra pessoas LGBTQIA+ ao Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2021.

“Além de compromisso com a transparência e com a qualidade das estatísticas, características destacadas pelo próprio Anuário, Pernambuco foi um dos estados pioneiros no registro de crimes contra a população LGBTQIA+. Em 2013, foi editada uma portaria estadual determinando a inclusão de vítimas de CVLI por identidade ou orientação afetivo sexual nas estatísticas criminais. A subnotificação, o que pode estar ocorrendo em outros estados, é uma forte aliada da violência”, diz, em nota.

Pernambuco é o terceiro lugar no ranking do Anuário que analisa se as unidades federativas têm um sistema de  sistema de registro e divulgação fidedigno e de boa qualidade, levando em consideração as informações registradas, informações perdidas, convergência e transparência. 

A SDS acrescenta que as forças de segurança “estão dando resposta em todos os casos de homicídios contra pessoas LGBTQIA+, identificando e prendendo autores”.

Ainda segundo nota da Secretaria, “essas ações, aliadas ao trabalho de prevenção desenvolvido pelo Comitê de Prevenção e Enfrentamento da Violência LGBTFóbica, instalado este ano pelo governador Paulo Câmara, colaboram para uma retração de crimes dessa natureza”.

Apesar disso, Rivânia Rodrigues, do Candace, critica o funcionamento do sistema de políticas estaduais voltadas para este público. “Pernambuco é o estado que mais tem mecanismo LGBTQIA+ mas não tem orçamento para fazer essa política fluir. Tem outro agravante, que nenhuma é política de estado, é política de governo”, pontua. “A gente percebe que se a política não for transversal nas várias camadas que o Executivo trabalha, desde saúde à educação, nós não poderemos atingir essa população do ponto de vista de formação. Não adianta ser um estado com muitos mecanismos, e não funcionarem”, conclui.

+ sobre o tema

Rihanna critica marcas que ‘exploram pessoas trans como ferramenta de marketing’

Rihanna criticou o que ela considera uma exploração conveniente de...

Filmes brasileiros se destacam na premiação LGBT do Festival de Berlim

Berlim, 23 fev (EFE).- O cinema brasileiro fez bonito...

Para uma menina trans, com uma flor.

Essa coisa de nascer diferente em uma sociedade, hegemonicamente,...

Americanos elegem primeiros deputados muçulmanos e indígenas

Primeiro governador abertamente gay foi outro marco; social-democrata Alexandria...

para lembrar

Pelo fim do Sexismo, da homofobia e intolerância religiosa nas Escolas brasileiras

O Plano Nacional de Educação (PNE) acaba de ser...

Jovem é agredido e queimado vivo em ritual de ‘purificação de gays’ em BH

Um jovem gay de 19 anos foi brutalmente torturado em...

Homem acusado de matar filho no Rio por ser ‘afeminado’ vai a júri popular

Alexandre Soeiro foi preso em fevereiro, por matar o...
spot_imgspot_img

PM que agrediu mulher no Metrô disse que ela tinha de apanhar como homem, afirma advogada

A operadora de telemarketing Tauane de Mello Queiroz, 26, que foi agredida por um policial militar com um tapa no rosto na estação da Luz do Metrô de São...

Comitê irá monitorar políticas contra violências a pessoas LGBTQIA+

O Brasil tem, a partir desta sexta-feira (5), um Comitê de Monitoramento da Estratégia Nacional de Enfrentamento à Violência contra Pessoas LGBTQIA+, sigla para...

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...
-+=