Pesquisa: 67% dos brasileiros acham que violência sexual acontece porque homem não controla impulsos

Dados preliminares da pesquisa “Violência Sexual – Percepções e comportamentos sobre violência sexual no Brasil”, realizada pelo Instituto Patrícia Galvão e pelo Instituto Locomotiva, apontam que ainda é alta a porcentagem de brasileiros que concorda com frases que de alguma maneira justificam a violência sexual: Alarmantes 67% dos participantes acreditam que a violência sexual acontece porque os homens não conseguem controlar seus impulsos; 58% colocaram a culpa no álcool ou nas drogas e 32% creditaram a violência sexual à presença de “problemas mentais”.

Por Nana Soares, do Estadão

fear-1131143_1280

A pesquisa, realizada em julho de 2016, ouviu 1.000 pessoas de ambos os sexos. Entre os homens, 42% disseram que a violência sexual acontece porque a mulher provoca, enquanto 69% das mulheres associaram a violencia ao machismo.

Já quando o assunto foi estupro, os dados são mais positivos: quase a totalidade dos participantes (97%) concordou que nenhuma mulher merece ser estuprada, independente se “sóbria, chapada, vestida ou pelada”, e o mesmo percentual concordou que sexo sem consentimento é sempre estupro. Metade dos entrevistados (49%) avaliam que a maior parte dos estupros acontece dentro de casa e 64% concordaram que o estuprador muitas vezes é um conhecido, como colega de estudo ou de trabalho. É uma avaliação que faz sentido, como mostram os dados da pesquisa Estupro no Brasil, uma radiografia segundo os dados da Saúde (Ipea, 2014). A porcentagem é surpreendente, já que quando se fala de estupro ainda é muito comum a associação com um rosto desconhecido na calada da noite, cenário que representa apenas parte da realidade.

Para 89% dos entrevistados, estar bêbado não é justificativa para um homem abusar de uma mulher e 96% concordam que é preciso ensinar os homens a respeitar as mulheres ao invés de ensiná-las a ter medo.

OPINIÃO: Pelo o que vejo nestes dados, os brasileiros  demonstram alguma percepção sobre como se dá a violência sexual, mas têm dificuldade de entendê-la como um fenômeno estimulado socialmente (o que chamamos de cultura do estupro). Quando 2 em cada 3 pessoas entendem que um homem é incapaz de conter seu impulso de violentar uma mulher (ainda que isso seja errado), naturaliza-se a violência que nos acomete. Chega a ser contraditório com o praticamente consenso de que os homens devem ser educados para respeitar as mulheres. De que adianta ensinar se eles são incapazes de se segurar?

Também chama a atenção os 32% que acham que os agressores têm problemas mentais. Ainda que isso possa ser uma realidade em diversos casos, nem de longe é uma regra ou dá conta do assombroso número de violência sexual no país. Fossem todos os estupradores doentes, não registraríamos cinco casos por hora. Pelo contrário, esse número só é possível porque toda nossa sociedade ampara os agressores e abandona as vítimas. Silenciando-as, desestimulando a denúncia, desacreditando de sua palavra, culpabilizando as mulheres e não punindo os agressores. Se fôssemos um país em que os violentos são naturalmente doentes e uma sociedade cujos homens não se pode controlar, seríamos uma sociedade já falida e sem conserto, o que é muito mais uma desculpa para não agir do que a realidade.

Um dado que infelizmente não surpreende é a discrepância entre o que homens e mulheres apontam como o motivo da violência. As mulheres, imensa maioria das vítimas da violência sexual, apontam o machismo, ao passo que os homens – esmagadora maioria dos agressores – culpam…as mulheres. Note-se aí a diferença: as mulheres não culpam os homens, mas sim o machismo, um sistema que os beneficia e que nos cala e submete. Como principais afetadas por ele, conseguimos identificá-lo ao nosso redor. Os homens, como beneficiados, não. E assim somos sistematicamente culpabilizadas por um crime que nos atinge, que causa traumas e têm consequências que em muito extrapolam o momento do ato. Nós, mulheres, ainda temos que provar que não causamos nossos estupros.

A pesquisa “Violência Sexual – Percepções e comportamentos sobre violência sexual no Brasil” ouviu 1.000 pessoas de ambos os sexos, com 18 anos ou mais, em 70 municípios das cinco regiões do Brasil, entre os dias 6 e 19 de julho de 2016, e será divulgada na íntegra na terça-feira (13) na Agência Patrícia Galvão. Foi realizada com apoio da Secretaria de Políticas para as Mulheres e da Campanha Compromisso e Atitude pela Lei Maria da Penha

+ sobre o tema

Crise no Rio de Janeiro sucateia rede de atendimento a mulheres

Espaços que prestavam atendimento social e jurídico às vitimas...

Decisão de afastar José Mayer inclui pressão de funcionários da Globo

Anunciada na noite de segunda-feira (03), a decisão de...

Justiça usa educação para reduzir machismo e violência doméstica

Juízes e promotores já não esperam reduzir a violência...

para lembrar

A violência doméstica está perto de você e independe de renda ou escolaridade

Fabiane Boldrini, confeiteira, casada por 16 anos. Luiza Brunet, atriz,...

Estudante cabo-verdiana é assassinada no Brasil

Namorado, de nacionalidade brasileira, poderá ser o autor do...

Coronel da PM é preso em flagrante acusado de estuprar menina de 2 anos

Um coronel reformado da Polícia Militar foi preso, na...

Mortes de mulheres negras aumentam 54% em dez anos

A violência contra as mulheres brancas diminuiu, mas contra...
spot_imgspot_img

Violência sexual em espaços noturnos e responsabilização de agressores

As recentes notícias de que duas mulheres teriam sido vítimas de estupro coletivo em uma mesma casa noturna na Lapa, no Rio de Janeiro ,...

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

Robinho chega à penitenciária de Tremembé (SP) para cumprir pena de 9 anos de prisão por estupro

Robson de Souza, o Robinho, foi transferido para a Penitenciária 2 de Tremembé, no interior de São Paulo, na madrugada desta sexta-feira (22). O ex-jogador foi...
-+=