Pesquisadora química cria produto que remove agrotóxicos dos alimentos e chama atenção no mercado

De acordo com uma pesquisa da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês), apesar de o Brasil não ser o maior produtor de agrotóxicos, ficando atrás de países como Japão, União Europeia e Estados Unidos, o brasileiro ainda é o maior consumidor de agrotóxicos por números absolutos.

Por Karol Gomes, do Hypeness

Pesquisadora química Thainara Alves (Imagem retirada do site Hypeness)

E não é à toa: de acordo com o último relatório da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), apenas onze substâncias foram tóxicas usadas no agronegócio foram proibidas no Brasil, apesar de dezenas delas terem sido banidas na UE, nos EUA e em outros países à medida que surgiram novas evidências científicas de danos a saúde.

Ou seja, os agrotóxicos são ingredientes definitivos na alimentação diária do brasileiro e é bem difícil se livrar disso. Difícil, mas não impossível.

Para quem não encontra ou não pode investir em alimentos orgânicos, de produtos independentes, a nova esperança está nas mão da recém-formada em Gestão de Negócios e Inovação da Faculdade de Tecnologia do Estado (Fatec) e criadora da InQuimica, Taynara Alves.

Como trabalho de conclusão de curso (TCC) da faculdade, Taynara desenvolveu uma solução líquida que remove os agrotóxicos de vegetais e frutas. Agora, ela empreende com este produto, batizado de ‘Puro e Bom’, e que tem um diferencial. Ele permite uma limpeza profunda, capaz de remover até 85% dos metais pesadose substâncias químicas presentes nos alimentos, que podem ser prejudiciais à saúde.

E logo o ‘Puro e Bom’ vai deixar de ser algo revolucionário, para passar a ser de uso comum, pois Taynara tem recebido muito apoios, financeiros e educacionais, para produzir e vender com qualidade. Ela já participou do programa de aceleração da ONG Artemisia, o Lab Alimentação, foi selecionada pela Start Ambev, onde recebeu o aporte de R$ 50 mil para investir no projeto e ganhou uma mentoria prevista para começar na segunda quinzena de novembro e ainda vai participar do Vai Tech, um programa de aceleração da Prefeitura de São Paulo, que orienta os participantes sobre como viabilizar os projetos no mercado.

A química tenta amenizar os efeitos dos agrotóxicos na sua saúde (Imagem retirada do site Hypeness)

Os primeiros compradores da solução de Taynara, em embalagens de um litro que custam R$ 60, são pequenas e microempresas do segmento de alimentação saudável e alguns restaurantes.

Em meio a todas essas oportunidades, Taynara ainda encontra tempo – e muito tempo, para ficar no laboratório, pois a cada novo agrotóxico lançado no mercado, o ‘Puro e Bom’ ganha novas pesquisas e atualizações, além de sempre passar por novas revisões técnicas, para continuar cumprindo sua missão de remover substâncias químicas de alimentos.

Mas ela não faz nada disso sozinha. Para desenvolver e atualizar o produto, ela fundou a startup InQuímica. A ideia surgiu durante a graduação em Química na Universidade Federal do ABC e está indo tão bem, que Taynara pensa em expandir seu negócio para o ramo da beleza, com um demaquilante que remova as os metais pesados presentes também na maquiagem.

+ sobre o tema

Homens gays, precisamos estar atento à nossa masculinidade tóxica

Que a masculinidade tóxica sempre foi um problema todos...

Professora propõe encontro com pedófilo como trabalho escolar para aluna

Professora iria com aluna até o local do encontro...

Olimpíadas

Recusando-se a cumprir o script adotado pela mídia na...

‘Aqui não pode’, diz gerente de bar na Lapa para casal gay que se beijava

Segundo as vítimas, funcionário afirmou que o local 'era...

para lembrar

Nome social de transexuais passa a ser adotado em conselhos tutelares do DF

A Secretaria de Políticas para Crianças, Adolescentes e Juventude...

Patrioska: o fenômeno do machismo dentro do machismo

Venho fazendo anotações a respeito da discussão que vem...

Brasil, EUA e África do Sul, por Sueli Carneiro

Aconteceu de 29 de maio a 1º de junho...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=