Por que precisamos de reitoras negras?

  E viva Billie Holiday!

Enviado por Cidinha da Silva  via Guest Post para o Portal Geledés

Porque as mulheres negras que hoje se candidatam ás reitorias atuaram na criação e efetivação dos programas de ação afirmativa nas universidades públicas federais e estaduais do Brasil, no início da década de 2000.

Porque elas fizeram parte de um processo coletivo de ampliação do acesso de pessoas negras a essas universidades.

Porque elas, expressando o discernimento comum à boa parte das mulheres na política, reconhecem-se como partícipes dos processos e não reivindicam a si mesmas como heroínas isoladas e solitárias, parideiras disso ou por daquilo.

Porque temos nos mostrado ótimas como vice-reitoras, pró-reitoras, diretoras de unidades e centros, chefes de departamentos, mas é passada a hora de nos mostrarmos excelentes como cabeças de chapa, como aquelas preparadas para ocupar posições de responsabilidade maior.

Porque nossa voz precisa ser emitida em todos os lugares, especialmente aqueles de poder e transformação, para que reverbere e chegue a todos os cantos.

Porque, ao longo da história brasileira, as mulheres negras têm demonstrado que quando exercem os poderes instituídos, o fazem em nome da coletividade.

Porque além de referências bibliográficas, nos cabe ocupar os lugares de referência no exercício do poder.

Porque Ana Rita Santiago, candidata à reitoria da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, materializa essa história e esses compromissos. Por isso meu voto é dela, mesmo não tendo qualquer vinculação institucional com a UFRB. Porque advogo pelo Brasil grande que a abordagem multirreferencial (olhar plural sobre objetos e fenômenos de variados significados e sentidos, e uso de múltiplas linguagens para apreendê-los em sua pluralidade constitutiva) das mulheres negras pode construir no microcosmo da universidade.

 

+ sobre o tema

Coletivo Luiza Bairros: conheça grupo que atua no combate ao racismo institucional na UFBA

A principal estratégia utilizada é na exigência do cumprimento...

Após reivindicação do movimento negro, sítio arqueológico no centro do Rio será preservado

Diferente das ossadas humanas descobertas durante escavações próximas à...

Agenda única de eventos em novembro celebra a consciência negra na UFMG

Iniciativa, que une comunidade e gestão, integra formação, informação...

para lembrar

spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=