Pornografia infantil não é ficção

É crime, sim, produzir crianças-robôs sexuais em escala industrial

Hélio Schwartsman (“Ficção ou realidade?”, 7/2) defendeu neste espaço a seguinte “solução” para “transformar a pornografia infantil em crime sem vítima”: inteligência artificial (IA). A coluna reage a um dado estarrecedor: de 2022 a 2023, cresceram 77% as notificações de imagens de pornografia infantil (71.867), de acordo com a SaferNet, muito delas por IA. A lei, aliás, já pune especificamente desde 2008 simular pornografia infantil por meio de IA, bem como distribuí-la (artigo 241-C do Estatuto da Criança e do Adolescente).

O texto resta na premissa de que um crime sem vítima de carne e osso seria menor ou nem sequer seria crime. Bem, do ponto de vista legal, não é. Há crimes formais (que independem do resultado), como ameaça; e os de mera conduta (que apenas geram o perigo): porte ilegal de arma, por exemplo. A lei permite que se puna a conduta que tem crianças como vítimas ao expô-las a uma sociedade onde haja a produção em escala industrial de robôs sexuais infantis.

Outros argumentos se valem de uma querela séria —os limites da arte— para defender outra coisa menos louvável —a produção, uso e divulgação de pornografia infantil por IA. No queijo suíço argumentativo, fica difícil entender o argumento utilitarista em abstrato, que tem desdém pela realidade na qual deveria incidir: o Brasil é o quarto em casamento infantil e cerca de 90% dos abusos contra crianças são cometidos por conhecidos. Não há um muro separando esses dados e a indústria de IA em pornografia infantil.

Utilitarismo sério não é egoísmo: não se preocupa com a maximização do prazer do abusador, mas sim com a maximização do bem para o maior número de pessoas, o que razoavelmente inclui proibir condutas que se entendem como insustentáveis, seja pela lei penal, seja por políticas públicas de outras naturezas.

Discordo, portanto, de todos os argumentos trazidos por Schwartsman, seja por serem uns objetivamente errôneos, seja por outros serem um consequencialismo onde realidade vira ficção.

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

Educação sexual para prevenir, aborto seguro para não morrer 

É impossível que você não tenha ficado sabendo: o...

Uma nação fracassada

Fracassaram o Estado que não impede e a sociedade...

Truculência nas ruas materializa autoritarismo nada gradual

Para negros, LGBTs, pobres e mulheres, a deterioração democrática...

Não é sobre Zanin, mas sobre equidade

Ao nomear seu amigo e advogado pessoal para o mais alto...
spot_imgspot_img

‘Meu filho é órfão de mãe viva’: veja relatos de 5 mulheres acusadas de alienação parental após denunciar homens por violência ou abuso

Cristiane foi obrigada a ficar sem contato com a filha e entregá-la ao pai por 90 dias. Isabela* foi ameaçada pelo companheiro. Jéssica* e...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Um samba de cor e de protesto

"Eu aprendi o português, a língua do opressor / Pra te provar que meu penar também é sua dor." Com versos tão cortantes quanto...
-+=