Porque marcham as mulheres negras?

Programa

O ciclo propõe refletir acerca do papel da mulher negra na sociedade brasileira contemporânea através de aspectos como ancestralidade, estereótipos raciais e de gênero, mobilização social e outros.

Do Sesc

13/10 – Desconstruindo imagens estagnadas

Os estereótipos acerca das mulheres negras, como a hipersexualização, subalternidade e agressividade, ainda são frequentes nas produções culturais, na mídia e nos veículos de comunicação. Hoje, a partir de marcos legais, da atuação de artistas, produtores culturais e dos movimentos sociais – especialmente as feministas negras – há uma significativa produção de um contradiscurso que visa desconstruir essas imagens estagnadas.

 

Com Conceição Evaristo e Helena Theodoro. Mediação de Kelly Adriano de Oliveira.

 

14/10 – Iyalodês em luta pela preservação da ancestralidade

As Iyalodês são por excelência as guardiãs da cultura afro-brasileira. São lideranças femininas ligadas – em grande parte, mas não só – às religiões de matriz africana. A partir das vivências e pesquisas das palestrantes serão discutidas as contribuições das mulheres negras para a preservação e difusão da cultura afro-brasileira. Como a cultura tradicional – ancestralidade, oralidade, identidade – pode subsidiar marcos civilizatórios entre as gerações a partir do olhar e da atuação de mulheres negras.

 

Com Vilma Piedade e Kiusam de Oliveira. Mediação de Alessandra Ribeiro Martins

 

15/10 – De corpo e alma: violência simbólica e adoecimento

O adoecimento emocional gerado pelo racismo é um campo ainda negligenciado pelos estudos acadêmicos, embora tenham surgido nos últimos anos mais estudos que enfrentam a questão. Racismo e sexismo produzem um tipo de violência simbólica que leva mulheres negras ao adoecimento emocional e físico. Maria Lúcia Silva e Lucia Xavier discutem os mecanismos geradores dessa condição.

 

Com Maria Lúcia da Silva e Lucia Xavier. Mediação de Mafoane Odara.

 

16/10 – Nossos passos vem de longe: herdeiras de Lélia Gonzalez

Lélia Gonzalez, antropóloga e uma das fundadoras do Movimento Negro Unificado (MNU), deu importante contribuição para a formação de uma consciência crítica em relação aos preconceitos que mantém mulheres negras em desvantagens na sociedade. Tendo como ponto de partida a sua trajetória, serão discutidas nesse encontro, as manifestações mais recentes empreendidas pelos grupos e organizações de mulheres negras.

 

Com Dulce Maria Pereira e Sueli Carneiro. Mediação de Gevanilda Santos.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do inicio da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Palestrantes

1

Sueli Carneiro

Doutora em Educação (USP). Coordenadora executiva do Geledés – Instituto da Mulher Negra.

2

Kelly Adriano Oliveira

Doutora em Ciências Sociais (UNICAMP). Gerente-adjunta da Gerência de Ação Cultural do Sesc São Paulo.

3

Kiusam de Oliveira

Doutora em Educação e Mestre em Psicologia pela Universidade de São Paulo. Arte-educadora que tem atuado como contadora de histórias da mitologia afro-brasileira.

4

Conceição Evaristo

Doutora em Literatura Comparada pela UFF, autora de “Ponciá Vivêncio” (2003) e “Olhos d’água” (2015).

5

Helena Theodoro

Escritora. Mestre em Educação e Doutora em Filosofia. Pesquisadora de cultura afro-brasileira.

6

Vilma Piedade

Especialista em Literatura Brasileira-Ciência da Literatura pela UFRJ. Atua na articulação política, mobilização e formação na temática Racial e de Gênero junto a RENAFRO – Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde.

7

Maria Lúcia da Silva

Psicóloga e psicoterapeuta do Instituto AMMA Psique e Negritude.

8

Lucia Xavier

Assistente social, formada pela Faculdade de Serviço Social da UFRJ. Coordenadora Técnica da ONG. Crioula – RJ.

9e

Dulce Maria Pereira

Arquiteta com especialização em Comunicação social. Foi presidente da Fundação Cultural Palmares (1996-2000).

10e

Alessandra Ribeiro Martins

Doutoranda em Urbanismo na PUC – Campinas. Gestora da Casa de Cultura Afro Fazenda Roseira e Liderança da Comunidade Jongo Dito Ribeiro, reconhecido pelo IPHAN em 2005 como Patrimônio Cultural Nacional.

square

Mafoane Odara

Mestre em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo e ativista em Direitos Humanos. Coordenou a Plataforma de Inovações para Juventude da Ashoka Brasil por sete anos e assumiu recentemente a Gerência de Educação e Mobilização para a transformação do Instituto Arapyaú.

11e

Gevanilda Santos

Mestre em sociologia pela PUC-SP, fundadora da Soweto Organização Negra.

 

Seviços:

Data

13/10/2015 a 16/10/2015

Dias e Horários

Terça a Sexta, 14h às 17h.

Local

Valores

R$ 18,00 – credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes

R$ 30,00 – pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante

R$ 60,00 – inteira

+ sobre o tema

A cor do pecado: no século xix, a sensualidade da mulher negra

______________________   Resumo Esta pesquisa tem por objetivo principal analisar a presença...

Bruna da Silva Valim é primeira negra a representar SC no Miss Universo Brasil

Bruna da Silva Valim, candidata de Otacílio Costa, foi...

A Mulher Negra Guerreira está morta…

Há poucas horas, enquanto lutava com a realidade de...

Elizandra Souza celebra 20 anos de carreira em livro bilíngue que conta a própria trajetória

Comemorando os 20 anos de carreira, a escritora Elizandra...

para lembrar

Carta aberta a uma mãe

Carta aberta de uma mãe que não sabe o...

Descolonizar a língua e radicalizar a margem

Uma resenha sobre “Um Exu em Nova York” de...

“Kbela”, filme sobre a relação da mulher negra com o cabelo crespo, foi eleito melhor do MOV

O curta-metragem carioca Kbela, da diretora Yasmin Thayná (PUC-Rio),...

Evento gratuito voltado à literatura afro-brasileira é realizado em Porto Alegre

12ª Festipoa Literária começa nesta segunda-feira (29) e segue...
spot_imgspot_img

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...
-+=