“Porto de Luanda: o Caminho Sankofado” | Atlânticos em transe sob a lua de Luanda, por Cidinha da Silva. Ep.2

O mar vinha até aqui, depois aterraram tudo, cimentaram. A Odebrecht se meteu a construir esses prédios, essa fachada. A Dubai angolana, estás a ver?

Até o outro lado da marginal, que ainda não havia, era tudo mar, mas mataram a água. Interromperam o fluxo das ondas, das algas, e a água morreu. Virou esta podridão, uma lixeira. E um mundaréu de gente que não tem uma vivenda corre ali a construir um barraco e logo, logo, temos um musseque, e crianças que morrem de diarreia, febre tifoide, fome, desnutrição.

O mar tomava conta dessa marginal, não existia o Fortaleza. Tínhamos o Forte mais para dentro, invadiram o terreno para construir o shopping, como fazem com tudo o que é histórico, cá não tem vez a História, mana.

O governo de quando em quando aparece e acaba com o musseque, dispersa o pessoal. Daí a pouco outra massa depauperada se aglomera no charco e constrói as moradas que o destino de viver como ratos lhe impõe.

E seguem nessa alternância entre o musseque e as periferias onde não há escolas e não há transporte público. A frequência às escolas mais distantes é dificultada pela necessidade de deslocamento em autocarros, a maior parte da gente não pode pagar. Como resultado, a presença dos estudantes na sala de aula é quase sazonal, e a perda do ano letivo é elevada.

Na estação das chuvas tudo piora, e o precário sistema de transportes disponível deixa de funcionar, haja vista a quantidade absurda de lama, a qual os carros velhos e deficitários não têm tração para enfrentar. Além disso, avolumam-se os acidentes no sistema de eletricidade das casas e pessoas morrem em decorrência deles. Água e fios desencapados não combinam, estás a ver?

Os dois governos que tomaram conta de tudo no pós-independência prometeram um país à juventude, mas esse país não foi entregue, e o tempo da fartura, ou pelo menos da estabilidade econômica, nunca chegou. Não chega. A guerra e a corrupção ampliaram o fosso entre os ricos muito ricos e os pobres, e entre estes e os miseráveis. Não há solução, e para viver, as pessoas precisam se alimentar, e se conseguem qualquer tipo de trabalho, qualquer um, é a possibilidade de comer que precisa ser agarrada de todos os modos. Moradia em condições desejáveis e adequadas é detalhe, luxo.

Eu me pergunto, mana, que diferença há entre esses tempos de agora e aqueles em que éramos capturados e trazidos dos interiores d’Angola e passávamos pela região do aeroporto, e caminhávamos amarrados, enfileirados, seminus pela Rua dos Mercadores, e éramos depositados nos quintalões, acorrentados, feridos e famintos, e aguardávamos por um futuro desconhecido, para o qual embarcaríamos no Porto de Luanda, um caminho sem volta feito por cima das águas.

É o que me pergunto todos os dias, quando vejo a miséria se alastrar como mato. E nossos jovens a migrar para, como tu me disseste, minguar no teu país, para definhar na mendicância ou no crack. Se aqui tinham emprego, terra ou automóvel, algum posto familiar herdado da guerra, alguma economia da vida toda, vendem o que têm, endividam-se, prometem pagar depois de estabelecidos no Brasil. E tu me contas como sofrem ao trocar os ganhos certos, mesmo que insuficientes daqui, pela realização de sonhos que derrapam no pesadelo racial que é o Brasil. Como não conseguem integrar os 20% que logram legalizar a situação e pululam nos abrigos à espera de qualquer doação, e enlouquecem, e perambulam pelas ruas das metrópoles, vendem barato a força de trabalho e são mortos porque cobram pagamentos atrasados, como aconteceu àquele congolês, tão moço ainda, que lástima. Que Áfricas somos nós, minha irmã? Onde, nas Áfricas que construímos fora do continente, cabem nossos sonhos de liberdade, nossos infinitos?


Cidinha da Silva/Foto: Daisy Serena

Cidinha da Silva (MG) publicou entre outros livros, os premiados: “Um Exu em Nova York” (Biblioteca Nacional, 2019) e “O mar de Manu” (APCA 2021, melhor livro infantil). Tem dois livros no acervo do PNLD Literário (FNDE), “Os nove pentes d’África” (2020) e “Oh, margem! Reinventa os rios!” (2021). Suas obras integram ainda outras políticas públicas de formação de acervo nas escolas do Brasil. É curadora de Almanaque Exuzilhar (Youtube), conselheira da Casa Sueli Carneiro e doutora em Difusão do Conhecimento.


Veja o Episódio 1

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

Lágrimas de homem abalam o machismo no futebol. E o racismo? Voa impávido em céu de brigadeiro

As lágrimas dos jogadores brasileiros pressionados pelo terror de...

O orgulho do cabelo crespo é uma resistência ao racismo

A primeira vez que me detive na expressão do...

Cidinha da Silva: O ano em que nos proibiram o sonho e a alegria

2015 entrará para meu recordatório pessoal como o ano...

Zeca – por Cidinha da Silva

Por Cidinha da Silva O homem montado no quadriciclo engana...
spot_imgspot_img

Chega a São Paulo Um defeito de cor, exposição que propõe uma revisão historiográfica da identidade brasileira por meio de uma seleção de obras em...

De 25 de abril a 1º de dezembro, o Sesc Pinheiros recebe "Um Defeito de Cor". Resultado da parceria entre o Sesc São Paulo...

Aos 76, artista trans veterana relembra camarins separados para negros

Divina Aloma rejeita a linguagem atual, prefere ser chamada de travesti e mulata (atualmente, prefere-se o termo pardo ou negro). Aos 76 anos, sendo...

Frugalidade da crônica para quem?

Xico, velho mestre, nesse périplo semanal como cronista, entre prazos apertados de entrega, temas diversos que dificultam a escolha, e dezenas de outras demandas,...
-+=