Prêmio Lélia Gonzalez estimula ação de entidades de mulheres negras

Organizações de todo o país poderão desenvolver projetos de combate ao racismo que estavam comprometidos por falta de verbas.  O prêmio Lélia Gonzalez, que distribuiu na última semana R$ 2 milhões, será o incentivo para que 13 entidades brasileiras, que trabalham com a autoestima e a autonomia de mulheres negras, possam iniciar ou continuar executando seus projetos.

Foto: Acervo JG/Foto Januário Garcia

Por: Aline Leal

O projeto Bahia Street, que há 18 anos cuida de meninas entre 6 e 17 anos em situação de vulnerabilidade social em Salvador, busca quebrar o ciclo da pobreza com educação e cidadania. Iniciado e desenvolvido com verba de entidades norte-americanas e há dois anos sem financiamento, a entidade vai usar o prêmio para ajudar a manter o centro de acolhimento, que recebe anualmente 75 meninas no turno contrário ao da escola.

As meninas têm reforço escolar, aulas de artes, alimentação, orientações úteis, como higiene e comportamento, e acompanhamento psicológico. “Com esse trabalho, queremos fazer com que essas meninas tenham consciência da realidade do racismo, do sexismo e das drogas e se defendam da melhor forma possível”, explica uma das fundadoras da entidade, Rita Conceição.

Na Paraíba, a Bamidelê – Organização das Mulheres Negras – tem, entre as ações do projeto premiado, promover a quarta edição da campanha “Morena não. Eu sou negra”, que eleva a autoestima da mulher. Além disso, o projeto pretende, com o dinheiro do prêmio, tirar do papel um projeto que vai trabalhar a imagem da mulher negra, com debates, palestras e oficinas, chamadas Enegrecendo a Pauta. Para a coordenadora da entidade Terlúcia Silva, a veiculação da imagem da mulher negra ainda traz muito racismo embutido.

A Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras, do Rio Grande do Sul, ganhou o prêmio apresentando o projeto de uma pesquisa nacional que mostra como o racismo afeta a vida de brasileiras de todos os níveis sociais. Para Simone Cruz, coordenadora do projeto, os resultados podem servir para desenvolver políticas públicas direcionadas para ajudar a resolver o problema do racismo. “Com a verba do prêmio, vamos começar imediatamento a pôr o projeto em prática”.

A antropóloga Lélia Gonzalez, homenageada pelas secretarias de Políticas de Promoção da Igualdade Racial e de Políticas para as Mulheres da Presidência da República promotoras do prêmio, foi professora universitária, tendo publicado vários artigos e livros sobre as condições de exploração e opressão do negro e da mulher. Como não se via representada pelas entidades existentes, criou o Movimento Negro Unificado e é inspiração de diversos movimentos de mulheres negras existentes hoje.

 

 

Fonte: Agência Brasil 

+ sobre o tema

Conheça a vereadora que desbancou políticos tradicionais e bateu recorde de votação em BH

Pela primeira vez na história de Belo Horizonte, uma...

Estudante branco agride mulheres negras durante Virada Antirracista na UFSC

No dia de protesto antirracismo na UFSC, hoje (25), o...

Sobre o maçante e doloroso assunto “Solidão da mulher negra”

Tem um ponto a respeito do maçante e doloroso...

para lembrar

Lélia Gonzalez

Filha de um ferroviário negro e de uma empregada...

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...

Encontro discute direito de mulheres negras

Um Seminário ocorrido no Rio Grande do Sul, discutiu...

A presença de uma Juíza Negra no STF é uma questão de coerência, reparação histórica e justiça

A Constituição Federal, estabelece como objetivo da República Federativa...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=