Professor assedia alunas adolescentes na Bahia

Alunas da escola Djalma Pessoa, em Salvador, na Bahia, denunciaram um professor de geografia que tinha o hábito de assediá-las através da internet. Ele adicionava as alunas no Facebook (alunas menores de idade, importante ressaltar), começava o bate-papo informal e depois partia para os assédios.

Ele costumava chamar as alunas de “delícia”, “linda” e obviamente elas acabavam desconversando por não saberem como se comportar numa situação dessa.

Por Rayssa Gimenes, para ONDDA

Após juntarem provas com os prints das conversas, as alunas se uniram e denunciaram o professor ao Ministério Público, à OAB da Bahia e ao Ministério da Educação. Antes mesmo de qualquer medida oficial ser tomada, o professor saiu da escola alegando ter passado no exame da OAB como advogado.

Apesar disso, uma das alunas afirma que ele continua dando aulas em outra instituição e muitas meninas que sofreram o assédio têm medo de denunciar porque ele é muito conhecido e influente na área da educação. Essa mesma aluna comentou que questionou o professor certa vez sobre as mensagens que ele enviou para ela, ele negou e disse que havia deixado seu Facebook aberto e outra pessoa havia escrito aquilo. Depois ele entrou em contradição e alegou ter enviado as mensagens para a pessoa errada.

O Sesi Bahia é o responsável por essa escola particular e sua assessoria de imprensa emitiu a seguinte nota:

“O Sesi Bahia tomou conhecimento, nesta segunda-feira, 2 de janeiro de 2017, por meio das redes sociais, de suposto assédio praticado por professor de uma de suas escolas contra uma aluna.
Diante da gravidade do assunto, o Sesi Bahia determinou a apuração imediata e a adoção de todas as providências cabíveis.O Sesi Bahia repudia incondicionalmente qualquer ato de desrespeito à pessoa e está integralmente comprometido com os valores estabelecidos no Código de Conduta Ética da entidade, que coíbe toda e qualquer prática de assédio, violência e desrespeito ao indivíduo”.

Confira alguns prints das conversas:

 

+ sobre o tema

Quase metade das mulheres brasileiras sofreu algum tipo de assédio em 2022

A mulher brasileira não tem, literalmente, um segundo de...

Oficina capacita mulheres para a área da construção civil; inscreva-se!

A oficina gratuita “Cimento&Batom” capacitará mulheres que têm o...

Lésbicas são mais bem pagas do que mulheres heterossexuais, diz pesquisa

Diferencia chega a média de 20% nos EUA, segundo...

Mostra em SP exibe filmes dirigidos por mulheres e promove debates

“Mulheres e cinema” é o tema do terceiro encontro...

para lembrar

Aborto supera câncer de mama em internações pelo SUS

No banco de dados do Ministério da Saúde, as...

Meninas de 12 países reproduziram o discurso mais famoso de Malala; assista ao vídeo

Em homenagem à Malala Yousafzai, vencedora do Prêmio Nobel...

PDF: Pensar o Brasil para o Enfrentamento do Racismo, do Sexismo e da Lesbofobia

Relatório Final do Grupo de Trabalho para Fortalecimento das Ações...

“Meu gênero é feminino. Sou mulher”, diz primeira coordenadora travesti da SDH

Symmy Larrat conta sua trajetória em entrevista exclusiva à Agência...
spot_imgspot_img

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...
-+=