Professor Ivanir dos Santos condena intolerância religiosa envolvendo Lázaro com religiões de matriz africana

Enviado por / FonteO DIA

Em Goiás, policiais entraram em terreiro quebrando portas e agredindo caseiro. O babalawô e historiador Ivanir dos Santos lembrou que fenômeno semelhante aconteceu há seis anos

O babalawô e professor do programa de pós-graduação em história comparada da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Ivanir dos Santos, condenou os ataques que religiões de matriz africana vem sofrendo em Goiás em função das investigações e buscas contra o serial killer Lázaro Barbosa, de 32 anos. O pai de santo André Vicente de Souza denunciou que policiais militares entraram no terreiro de candomblé na região e bateram no caseiro, além de quebrar portas e tirar fotos de objetos religiosos para ligar Lázaro à religião, taxando-a como algo “demoníaco”.

Ivanir lembrou que, há seis anos, a região onde ocorrem as buscas pela captura de Lázaro também foi palco de intolerância religiosa. O relato do pai de santo sobre a situação de preconceito foi feito em um vídeo que circula na internet.

“Primeiro, precisamos observar que a região onde está acontecendo as buscas pela captura de Lázaro Barbosa, mais ou menos uns 6 anos atrás, aconteceu violentos e sistemáticos ataques a terreiros de candomblé. Isso gerou, inclusive, a necessidade da retirada de alguns sacerdotes do Estado para que não fossem assassinados. Na época, a Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR) acompanhou o caso para dar as ajudas necessárias”, afirmou.

O babalawô, que também é interlocutor da CCIR, relatou ainda que vem observando o disparo de notícias falsas fake para criar um ambiente hostil às religiões de matriz africanas aos olhos do público médio.

“No caso atual, é muito curioso as tentativas de ligações do criminoso ao cultos de matrizes africanas como justificativa para invadir, violar e perseguir os religiosos da região uma vez que o próprio sacerdote veio a público explicar que o acusado não tem nenhuma ligação com o terreiro”, pontuou.

Criminoso não é religioso

Imagens viralizaram na internet de peças e conchas na casa em que Lázaro estava e foram associadas – de forma racista e preconceituosa – a um assentamento de candomblé.

Ivanir dos Santos explicou que não há como identificar, reconhecer ou ligar peças de rituais africanos a qualquer liturgia, como se pudesse legitimar ou justificar as atitudes do criminoso. Ele explicou que nenhuma religião prega atos como os praticados pelo serial killer. Para o professor, os casos de perseguições e intolerâncias a qual passamos hoje é fruto do desconhecimento das nossas práticas religiosas alimentadas pelo racismo epistêmico e estrutural.

“É um equívoco associar religião a uma pessoa em visível desequilíbrio. O uso de notas e situações inverídicas sobre as religiões de matrizes africanas é, infelizmente, comum no Brasil! Frequentemente associadas ao satanismo, as bruxarias ou construídas de forma negativa no imaginário social coletivo brasileiro, as religiões de matrizes africanas precisam, a todo momento, criar mecanismo de defesa para sobreviverem e resistirem contra séculos de pressões e tentativas de silenciamentos”, finalizou.

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

Ato inter-religioso marca aniversário da Comissão de Combate à Intolerância

Nielmar de Oliveira, Representantes de várias religiões estiveram presentes na...

“Ser macumbeiro e morar na favela é risco de vida”

Opinião sobre a situação da intolerância religiosa atualmente no...

Secretaria da Justiça vai criar uma Coordenadoria de Diversidade Religiosa

Durante encontro com o Grupo de Diálogo Inter-religioso de...

‘Por que não me respeitam?’, indaga menina agredida por ser do Candomblé

“Eu não entendo por que está acontecendo isso tudo,...
spot_imgspot_img

SP: Vigilante que sofreu racismo religioso no trabalho deve ser indenizado

Uma empresa de segurança e um shopping foram condenados a indenizar um funcionário que foi alvo de racismo religioso por colegas de trabalho. A...

Ditadura invadiu terreiros e destruiu peças sagradas do candomblé

Desde criança, a iyalorixá Mãe Meninazinha d’Oxum ouvia a avó Iyá Davina, a iyalorixá Davina de Omolu, dizendo “nossas coisas estão nas mãos da...

Geledés discute racismo religioso na ONU

Geledés – Instituto da Mulher Negra segue com sua agenda nas Nações Unidas neste ano. Neste dia 8 de março, o instituto realiza na...
-+=