Professores superam dificuldades tecnológicas em curso de educação quilombola

 

Após vencer barreiras no uso da informática para execução das tarefas do curso semipresencial de educação quilombola, níveis de aperfeiçoamento e capacitação, 243 professores de diversas unidades da Federação vão receber certificados no fim deste semestre. A formação foi ministrada pela Universidade Federal de Goiás (UFG), entre outubro de 2012 e maio deste ano.

Na avaliação da coordenadora do curso da UFG, Cristina de Cássia Pereira Moraes, apesar das dificuldades enfrentadas pelos educadores, especialmente aqueles das escolas quilombolas, para trabalhar na plataforma Moodle, de aprendizado eletrônico, o aproveitamento foi satisfatório. Dos 408 inscritos, 243 serão certificados, o que representa 59,55% dos ingressantes. Para alcançar esse índice, a coordenadora contou com o interesse dos cursistas e com o empenho da equipe da universidade. Da parte dos educadores, segundo Cristina, eles mostraram interesse em aprender, pois muitos não sabiam sequer ligar o computador. E da parte dos tutores da UFG, a dedicação ajudou a vencer os obstáculos.

– Nossos tutores ensinaram informática e assim fomos adiante, com aproveitamento – disse.

Outra decisão tomada para enfrentar uma realidade até então desconhecida pela universidade foi a de aumentar o número de encontros presenciais, com a instalação de polos nos municípios goianos de Alto Paraíso, Anápolis, Formosa e Uruaçu para os tutores atenderem os alunos.

O curso teve a participação de educadores de escolas dos quilombos Mesquita, Almeida, Engenho 2, Riachão, Vão do Moleque, Vão das Almas, Ema, Diadema, Forte, Tomás Cardoso, Pombal, Minaçu e Uruaçu. Também participaram educadores do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Pará, Paraná, Tocantins e Distrito Federal.
Dos concluintes, 152 que tinham licenciatura fizeram o curso de aperfeiçoamento, de 180 horas. Outros 91, com formação de nível médio, optaram pela capacitação, também de 180 horas. O conteúdo tratou do ensino de história da África, educação, história e cultura quilombola.

Da UFG, Os cursistas receberam livro, textos e cd-rom sobre educação etnorracial. Outra obra, sobre educação Quilombola, será entregue quando os formandos receberem o certificado. Cristina explica que esse material dará suporte às atividades dos educadores nas escolas.

 

Fonte: Correio do Brasil

+ sobre o tema

Modelo baiano vendia salgadinhos com a mãe e estreia na SPFW aos 17 anos

Gabriel Pitta tem uma relação bem próxima com doces e...

O moinho do samba precisa da água dos novos compositores de calçada

Alcemir Gomes Basto, o Bandeira Brasil, afirmou em um...

Universidade abalada por racismo na África do Sul

Algumas semanas depois de uma estátua de Cecil John...

O atletismo tem uma nova campeã olímpica: Elaine Thompson vence os 100 metros rasos

O Engenhão viu a primeira conquista olímpica de Elaine...

para lembrar

Zezé Motta e Sérgio Dumont cantam Elizeth Cardoso e o poeta

Show celebra em Ipanema centenário de Vinicius de Moraes...

TERREMOTO HAITI:Obama e FMI anunciam ajuda de US$ 200 milhões para o Haiti

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou nesta...

Estados Unidos y la desigualdad. Una reflexión crítica para Latinoamerica

Estados Unidos y la desigualdad. Una reflexión ética...

Milton Nascimento anuncia despedida dos palcos com turnê em 2022

O cantor e compositor Milton Nascimento anunciou de maneira sutil e...
spot_imgspot_img

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...
-+=