Projeto aposta em livros para empoderar e atrair meninas para carreira científica

Enviado por / FontePor Tabita Said, da USP

Meninas: arqueólogas, etnólogas, museólogas e o que mais quiserem indica obras com protagonismo feminino e promove encontros virtuais em escolas e com autoras

O projeto Meninas: arqueólogas, etnólogas, museólogas e o que mais quiserem é um serviço de curadoria de livros voltado para crianças e adolescentes do ensino fundamental e médio. Toda quinta-feira, são indicadas obras da literatura infanto-juvenil que abordem temáticas de protagonismo, representatividade e diversidade feminina. A curadoria é feita pela biblioteca do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da USP.

Originalmente criado para realizar visitas e conversas em escolas públicas do Estado de São Paulo, o projeto Meninas surgiu em resposta ao dia 11 de outubro – data estipulada pela Organização das Nações Unidas para promover igualdade de gênero entre crianças e adolescentes.

Ele foi idealizado por Viviane Wermelinger Guimarães, chefe da Seção Técnica de Expografia do MAE, que convidou todas as mulheres da equipe do museu para participar. “A ideia era fazer um bate-papo da equipe do MAE com alunas do ensino fundamental e médio sobre ingresso na universidade pública e carreiras científicas que mulheres podem ocupar, que são todas”, reforça Viviane.

Dando prioridade à rede pública de ensino, a equipe realizou encontros-piloto com uma escola estadual no bairro do Bixiga, em São Paulo. Por causa da pandemia, as visitas foram suspensas, mas a indicação de leitura continuou nas redes sociais do museu. 

“Neste mês de julho, temos o Dia do Arqueólogo. Então a gente está indicando livros relacionados a esta profissão”, conta Viviane. Ela e a equipe se preparam para continuar com os encontros nas escolas ano que vem, quando também deverão realizar uma exposição de lambe-lambes. “As escolas e o campus da USP no Butantã devem receber essa intervenção, com as frases extraídas desses encontros.”

Clube de Leitura do MAE

A indicação de livros fez tanto sucesso que deu origem a outro projeto: o Clube de Leitura do MAE. São indicações semestrais de escritoras indígenas e negras brasileiras, que estão fora do circuito comercial. Após a leitura semestral, Viviane organiza um encontro com a autora.

No mês de abril, em comemoração ao Abril Indígena, o projeto indicou a autora Auritha Tabajara. “É um livro completamente fora da caixa, porque é uma mulher indígena, nordestina, escrevendo cordel. O livro é de uma editora indígena, também”, explica Viviane.

A próxima autora será indicada nas redes sociais no domingo, 25 de julho – Dia da Mulher Negra. 

“Tudo começou com o projeto Meninas, que é para bater papo com meninas para dizer que elas podem sim estudar o que quiserem, podem estudar numa universidade pública e que a USP é lugar delas.”

Participam da equipe do projeto Meninas e Clube de Leitura do MAE: Viviane Wermelinger Guimarães – museóloga; Carla Gibertoni – arqueóloga e educadora; Monica Amaral – bibliotecária; Luciana Cecília Araujo Nascimento – beletrista; Nicolas Simoes Lener – estudante de Arquitetura e Urbanismo e responsável pelas ilustrações dos posts.

+ sobre o tema

Maioria entre informais, mulheres têm lugar central na inédita renda emergencial

Por três meses, mães chefes de família terão acesso...

Feminismo, empoderamento e solução: a singularidade de Karol Conka

Sucesso indiscutível entre a crítica e os internautas, a...

Recriando nossas potencialidades e enfrentando o medo de contar nossa própria história

Por que é tão difícil para nós mulheres negras...

Camila Pitanga é eleita Embaixadora Nacional da Boa Vontade

Atriz ganhou o título da ONU Mulheres Brasil e...

para lembrar

Não toquem em Machado de Assis

Chego tarde à discussão sobre a legitimidade de adaptações...

A alta modernidade de Machado de Assis

Em 1895, Sigmund Freud publicou em Viena Estudos sobre...

Emma Watson: ‘Mal posso esperar para ver Noma Dumezweni no palco’

Depois da bênção de J.K. Rowling, foi a vez de Emma...
spot_imgspot_img

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga caiu no chão, eu levantei ela pelo cabelo. Depois a gente riu e depois a...

Em autobiografia, Martinho da Vila relata histórias de vida e de música

"Martinho da Vila" é o título do livro autobiográfico de um dos mais versáteis artistas da cultura popular brasileira. Sambista, cantor, compositor, contador de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...
-+=