sexta-feira, novembro 26, 2021
InícioÁfrica e sua diásporaEntretenimentoQuem é Regé-Jean Page, a estrela da série "Bridgerton"?

Quem é Regé-Jean Page, a estrela da série “Bridgerton”?

Se você for como nós, sua obsessão de férias tem sido Bridgerton, a série escapista incrível da Netflix, da rainha da TV Shonda Rhimes (ela tem um contrato para desenvolver oito séries com a plataforma). A trama, baseada nos romances de época de Julia Quinn, segue Daphne Bridgerton (Phoebe Dynevor), a filha mais velha da família Bridgerton de oito filhos, que começa a ter um falso noivado com Simon Basset, o duque de Hastings, interpretado por nossa mais nova paixão, Regé-Jean Page.

E isso nos leva ao ponto desta matéria: estamos coletivamente obcecadas por Regé-Jean Page. O ator de 30 anos é a inegável estrela da série de sucesso e um lindo homem – tanto dentro quanto fora da tela. Se todas as partes do seu corpo formigam e vibram como borboletas toda vez que você o vê na tela (ou fotos dele no Google ou no Instagram), então você veio ao lugar certo. Aqui está tudo o que você precisa saber sobre Regé-Jean Page, também conhecido como Simon Basset, também conhecido como Duque de Hastings, também conhecido como a melhor coisas que vimos nas telinhas recentemente.

Ele explicou exatamente como pronunciar seu nome
Aprender a pronúncia correta do nome das pessoas é apenas uma questão de boas maneiras e Page tornou mais fácil para quem não sabe como pronunciar o nome dele. Ele esclareceu qualquer confusão potencial em um tweet de 2017, explicando que é “Regé como no reggae, Jean como no Wyclef.”

blank
Regé-Jean Page cresceu no Zimbábue e em Londres (Foto: Reprodução/Instagram)

Ele cresceu no Zimbabué e em Londres
Page nasceu em 1990 em Harare, capital do Zimbabué. Seus pais eram uma enfermeira zimbabuense e um pregador inglês, de acordo com a Square Mile. Quando ele tinha 14 anos, Page e sua família se mudaram para Londres. Crescer em culturas tão diversas teve um grande impacto em sua ideia de “casa” até hoje. “Casa é um conceito relativo”, disse ele em uma entrevista. “Casa é onde quer que seu povo esteja e onde você se enquadre.”

O fato de ser birracial o fez sentir-se como uma “declaração política ambulante”
Page se abriu sobre sua identidade birracial e como ter nascido de um casal mestiço o impactou quando criança crescendo no Zimbabué, onde ele disse que era uma “declaração política ambulante”.

“Só de andar por aí com meu rosto, eu estava dizendo: ‘Meus pais fizeram uma coisa bastante revolucionária que irrita alguns de vocês’”, disse ele ao Interview. Em entrevista ao The Guardian, Page acrescentou: “O Zimbabué ainda era um país relativamente jovem quando eu morava lá, e sua sociedade pós-apartheid foi recém-formada. Ser uma criança mestiça naquele ambiente significa que você precisa pensar em criar sua própria identidade e você questiona por que pertence a esse mundo. ”

blank
Regé-Jean Page (Foto: Reprodução/Instagram)

Ele alterna muito entre sotaques na vida real
Muitos atores dominam vários sotaques como parte de seu trabalho, mas Page vê os sotaques como uma forma de linguagem e emprega sotaques diferentes em momentos diferentes e com pessoas diferentes em sua vida real.

“Meu pai falava parecido com o inglês de um apresentador de notícias da década de 1920, e eu aprendi esse sotaque de poder no Zimbabué pós-colonial. Então eu aprendi isso, e aprendi como copiá-lo, e aprendi como mudar, mas também falar como os parentes da minha mãe na aldeia”, disse ele à Square Mile. “Sotaques não são sotaques, eles são a linguagem… É quase como um código. Porque essa é a chave de quem você é: é como você expressa quem você é. E como você expressa quem você é, é como você fala.”

blank
Regé-Jean Page fez parte de uma banda punk (Foto: Reprodução/Instagram)

Ele fazia parte de uma banda punk
Quando adolescente, Page e seu irmão formaram uma banda punk. Page cantou, tocou bateria e pintou o cabelo de cores vivas como verde, azul e roxo, no verdadeiro estilo punk rock.

“Quando era adolescente, a ideia de correr e gritar com as pessoas era muito atraente para mim”, disse ele ao The Fall. “Encontrei conforto na agressão, em romper paredes falsas e desafiar as normas.”

Explorar a música levou Page a sua vocação como ator
“Quando me envolvi na cena punk, minha noção do que era uma carreira mudou”, explicou ele ao The Fall. “Percebi que uma carreira nas artes consiste, na verdade, em ter as pessoas e a comunidade para apoiá-lo na criação de sua arte.”

blank
Regé-Jean Page estudou na melhor escola de teatro de Londres (Foto: Reprodução/Instagram)

Ele estudou em uma das melhores escolas de teatro de Londres
Assim que Page decidiu se tornar ator, ele estudou em uma das melhores escolas de teatro do mundo, o Drama Centre London. “Tem a reputação de ser excessivamente intenso e assustador e isso chamou minha atenção da maneira certa”, explicou Page à Variety. “Aprendi a ser leve em relação ao meu trabalho, levando-o a sério.” (Essa reputação “assustadora” pode ser mais literal do que você imagina; o Drama Centre London anunciou que fecharia em março, após uma revisão do bem-estar do aluno, de acordo com o Arts Professional.)

Ele já trabalhou com Shonda Rhimes antes
Os fãs de Shondaland podem reconhecer Page por ter participado no drama jurídico de Rhimes, For the People, que foi ao ar por duas temporadas na ABC.

blank
Regé-Jean Page participou de For The People (Foto: Reprodução/Instagram)

Mas seu papel de destaque nos Estados Unidos foi em Roots
A grande chance de Page para o público americano veio em 2016, quando ele interpretou Chicken George no remake de Roots do History Channel, um papel que ele achou “extremamente intimidante”, mas uma “honra” de assumir, de acordo com o Deadline.

Em uma entrevista recente para a InStyle, ele explicou como era fazer parte do remake de uma série que “literalmente mudou a sociedade” nos anos 1970. “É um pouco como se alguém trouxesse seu precioso sapato velho e você fosse o sapateiro, e eles dissessem, ‘Por favor, você pode consertar isso e colocar alguns remendos nele e trazê-lo para o século 21?'”, disse. “E é como, ‘Ah, cara, você adora esse sapato. Isso é muito importante para você. Preciso dar o meu melhor nisso.'”

Ele é um fã dos livros nos quais Bridgerton se baseia
Quando foi escalado para Bridgerton, Page leu imediatamente O duque e eu, o primeiro livro da série Bridgerton de Julia Quinn. E ele adorou. “É tão incrível virar as páginas, digerível e delicioso”, explicou ele em uma entrevista à Entertainment Weekly.

Obviamente, isso significa que ele está mais do que pronto para retornar à Londres do século 19 quando o segundo Netflix der luz verde para uma segunda temporada de Bridgerton. “Eu acho que há muitas histórias boas para serem contadas neste mundo”, disse ao OprahMag.com sobre potenciais futuros episódios da série. “Há uma infinidade de personagens e cada um deles tem primos, tios e cachorros, e eu acho que as pessoas gostam de explorar todas essas profundezas e recantos e fendas.”

blank
Regé-Jean Page e Phoebe Dynevor estrelas de Bridgerton (Foto: Reprodução/Instagram)

Ele diz que dançar foi a chave para sua química explosiva com a co-estrela de Bridgerton, Phoebe Dynevor
Quando questionado sobre o segredo por trás da química dele e de Phoebe Dynevor na tela, Page apontou para “horas e horas” de ensaios de dança que eles fizeram. “Eu acho que quando vocês passam tanto tempo literalmente pegando um ao outro enquanto caem e voam em uma sala nos braços um do outro, é uma maneira muito eficiente de construir uma intimidade entre os artistas”, disse Page ao OprahMag.com. Ele também disse que, considerando o cenário do show no século 18, a pista de dança representava a melhor chance de seu personagem promover a intimidade. “Você tem esse espaço para flertar e se comunicar em particular. Mesmo que os olhos do mundo estejam em você, é aquela pequena bolha de honestidade entre esses dois personagens.”

Ele é um romântico
Bridgerton é basicamente pornografia romântica e Page está totalmente aqui para isso. “Sou um grande fã do conceito de romance. Romance é uma coisa maravilhosa e precisamos de mais disso no mundo”, disse ele à Entertainment Weekly. “A maioria das coisas em sua essência são histórias de amor de qualquer maneira, quer eles percebam ou não. É hilário, quanto mais a sério um programa tenta se levar e se separar disso, mais a história de amor geralmente tende a aparecer.”

Isso se transfere para o que ele pensa que pode ser o próximo para o duque e a duquesa de Hastings nas futuras temporadas de Bridgerton. “Não tenho certeza se acredito no paraíso. Sei que o gênero romance geralmente acredita – parte do acordo é que você terá um final feliz”, disse ele ao TV Guide. “Mas, no que diz respeito a continuar a explorar os personagens, acho que o amor é uma coisa em evolução. É uma coisa viva, que respira, que precisa de cuidados, que precisa de consertos quando se gasta ou rasga. Eles se casam muito jovens. Eles ainda têm muito que crescer. Eles têm muito que fazer e acho que sempre será divertido vê-los fazer isso juntos.”

blank
Regé-Jean Page (Foto: Reprodução/Instagram)

Ele acha que a inclusão é a chave para os dramas de época no futuro
Bridgerton é um drama de época, mas não no sentido tradicional. Em vez disso, a série emprega um estilo vibrante de realidade elevada e elenco diversificado que, embora não seja um livro preciso para o período de tempo, se encaixa perfeitamente nos temas maiores que estão sendo explorados. Page falou abertamente sobre a necessidade de um casting inclusivo para peças de época nas artes.

“Eu acho que é imensamente importante para as pessoas serem capazes de se ver em suas altitudes mais elevadas”, disse ele à Esquire. “Para ver que você é digno de amor, romance, glamour e status. Todos são dignos de todas essas coisas, e é nosso trabalho nas indústrias criativas criar um ambiente que reflita isso. Todos merecem encontrar o amor e desfrutar fantasias escapistas de uma vida de dança, romance e ambição.”

blank
Regé-Jean Page (Foto: Reprodução/Instagram)

Ele quer continuar a destacar a alegria dos negros em seus projetos futuros
Page tem falado frequentemente sobre o desejo não apenas de aumentar a representação na tela, mas de destacar especificamente as histórias de alegria negra. “O que acontece frequentemente na cultura é que você volta no tempo e apenas os brancos ficam felizes”, disse ele à InStyle. “E sabe de uma coisa? Todos nós sabemos como sorrir desde o início dos tempos. Todos nós nos casamos desde o início dos tempos. Todos nós tivemos romance, glamour e esplendor. Representar isso é incrivelmente importante, porque o drama de época para pessoas que não são brancas não deve significar apenas traumas como destaque.”

Ele expandiu ainda mais essa ideia em sua entrevista com a Esquire: “É perfeitamente possível destacar a alegria dos negros”, disse ele. “Definir a história no passado não significa que os negros não fazem nada além de sofrer. Nós sempre vivemos, rimos, amamos, nos casamos, dançamos e vivemos as expressões mais verdadeiras de nossas vidas por meio de restrições sociais, assim como todo mundo.”

RELATED ARTICLES