Quer namorar comigo?

Presidente Lula se vale de estereótipos ao elencar hipóteses para a presença de uma 'jovem afrodescendente' no palco de evento

Todos os dias me deparo com situações que evidenciam a urgência de alçar a questão racial ao centro do debate dos principais problemas do Brasil. Afinal, a raça é fator determinante de tudo neste país tão desigual.

A ponto de o atual presidente da República —um homem de esquerda, de origem popular, que deve em muito a vitória nas eleições de 2022 ao voto das mulheres e dos negros, duas maiorias neste país— se valer de estereótipos ao elencar hipóteses para a presença de uma “jovem afrodescendente” no palco de um evento da área econômica em São Paulo.

Cantora, apreciadora de um batuque —”uma afrodescendente assim gosta de um tambor”, quem sabe namorada de alguém. Foram algumas das hipóteses aventadas pelo presidente, que chegou ao disparate de perguntar se a moça queria namorar com ele. Só não lhe ocorreu de pronto que uma negra estivesse ali pela excelência de seu trabalho, ou seja, pela meritocracia.

Estereótipos são rótulos criados para generalizar. Na década de 1980, a pensadora Lélia Gonzales escreveu artigo intitulado “Racismo e Sexismo na Sociedade Brasileira” no qual afirma que a mulher negra é vista por três perspectivas estereotipadas: a “mulata” (hipersessualizada), a doméstica (para os serviços de limpeza) e a mãe preta (cuidadora).

Tomo a liberdade de acrescentar mais três: a preta raivosa (não engole desaforo), a forte (aguenta o tranco e não se abala) e a guerreira (carrega os fardos da vida). Todas formas de violência e desumanização. Como se a cor da pele tirasse das mulheres negras o direito à fragilidade, à sensibilidade, ao autocuidado, ao senso crítico, à beleza e até ao próprio corpo.

Há quem sustente que o presidente Lula estava ironizando quando se referiu à presença da “afrodescendente”. Pode ser. Mas quando o assunto é grave, não se deve dar a entender o contrário do que se quer dizer. O povo brasileiro merece e precisa ser reconhecido por suas potencialidades, não por estigmas deturpados.

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

Fátima Oliveira: Bandidos da paternidade acobertados pela Justiça

Foto - arquivo pessoal Silene Nogueira Araújo e Rosemary de...

Descendentes de rainhas: uma marca para as negras

Luana, 22 anos, filha de pai angolano e mãe...
spot_imgspot_img

Polícia Civil de Alagoas prende homem por injúria racial e ameaça

A Polícia Civil, por meio da seção de capturas da Dracco, realizou nesta terça-feira (9), o cumprimento de um mandado de prisão contra um...

SP: Vigilante que sofreu racismo religioso no trabalho deve ser indenizado

Uma empresa de segurança e um shopping foram condenados a indenizar um funcionário que foi alvo de racismo religioso por colegas de trabalho. A...

Brasileiras denunciam racismo em palestra, em Harvard: ‘Tem piolho nas tranças?’

Duas brasileiras relataram ter sofrido racismo em uma das palestras da Brazil Conference no último sábado, na universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Naira...
-+=