Começa nos EUA novo julgamento sobre morte de negro pela polícia

Um emblemático julgamento pelo homicídio de um homem negro em um furgão da polícia começou nesta quinta-feira em Baltimore, cidade símbolo nos Estados Unidos da ruptura entre comunidades.

Edward Nero, o policial acusado, compareceu livremente e tomou seu lugar na sala vestindo terno e gravata, cercado de seus advogados. Nem ele, nem seus defensores estão autorizados a falar com a imprensa.

O policial é acusado de violência intencional, colocando em risco a vida de terceiros, e erros pessoais, e é um dos seis agentes que será julgado separadamente na cidade portuária pela morte de Freddie Gray, de 25 anos.

A vítima sofreu uma fratura brutal nas vértebras cervicais enquanto era transportado pela polícia. Sua morte reavivou o debate nos Estados Unidos sobre a suposta brutalidade das autoridades policiais contra afro-descendentes.

Um dos seis agentes já foi julgado em dezembro, mas após duas semanas de audiência, o processo foi concluído com uma surpreendente anulação: os juízes não conseguiram chegar a um veredicto.

Assim, mais de um ano depois da morte de Gray, ninguém ainda foi condenado e não existem respostas sobre o que se passou naquele furgão.

Os policiais acusados (três brancos e três negros, incluindo uma mulher) sustentam a versão de morte acidental.

Para a família de Gray e boa parte dos afro-americanos da cidade, se trata, pelo contrário, de um caso clássico de brutalidade policial contra a sua comunidade.

“O homicídio“, como o promotor do estado de Maryland se refere ao caso, foi considerado racista em algumas ocasiões.

Os fatos deram espaço a motins, distúrbios, saques e vandalismo. O presidente Barack Obama condenou a violência, ainda que assinalando os “inquietantes questionamentos” que continuavam sem resposta.

De muitas maneiras, o caso Grey se tornou emblemático, por ilustrar a ruptura entre as comunidades e os supostos abusos da polícia de Baltimore, acusada de atuar apenas de forma repressiva contra os negros.

+ sobre o tema

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

Conversas sobre o luto: quando uma mãe preta retorna ao mundo das encantadas

O encantamento é uma das principais heranças deixadas por...

E assim vamos nós, lutando pela existência de nossas gerações

Vamos que vamos! Frase muito usada por quem sonha...

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção...

para lembrar

Shoppings mudam estratégia e tentam atrair adeptos do rolezinho

Por Wanderley Preite Sobrinho Associação de shoppings planeja evento cultural...

ROSÁRIO QUER O FIM DOS “AUTOS DE RESISTÊNCIA”

  Para a ministra da Secretaria de Direitos...

Ato político-cultural em SP lembra morte de Cláudia Ferreira

Organizações de mulheres negras de São Paulo fazem na...
spot_imgspot_img

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Parentes de vítimas do “Massacre de Paraisópolis” pedem justiça

Familiares dos jovens assassinados no caso que ficou conhecido como Massacre de Paraisópolis realizaram nesta sexta-feira (1°) um ato para lembrar o aniversário de quatro anos...
-+=