Queria tanto ser amada…

Cresci ouvindo aqui e ali que isso não é coisa pra preto não. Entre escolhas e desistências acabei por sufocar a negra que eu nasci. Me deixei direcionar, dizer como e porque era. Me descontrui toda.

Na escola os apelidos eram recebidos por mim com risos amarelos e respondidos com chacotas maiores.
O menino de olho azul não queria ser meu namorado, o pretinho corria atrás da pele clara. Compreensível até. Ele não queria desaparecer na névoa do não ser nada.

Queria tanto ser amada. Ouvi dizer que tinha que limpar a raça. Permiti o mal trato do branco, mas tinha algo.
Veio a idade da dúvida, e nos bailes da vida, nunca dancei Alisei cabelo, usei lentes verdes, dei suporte à amigas brancas. Queria tanto ser amada.

E chegou a idade da consciência, nela encontrei o amor. Na verdade veio o rebento, clarinho, como a lei. Fruto de um querer branco. Queria tanto ser amada.

Vinte e cinco anos depois o amor branco embranqueceu. Parti em busca da negra sufocada, presa na garganta e a encontrei nas terras de Jorge Amado. Ela deixou o cabelo aparecer, seus olhos castanhos brilharam, ela renasceu.

Reconstruindo permanece, feito colcha de retalhos, preta, preta, retinta…

 

Leia Também:

Duas ou três questões sobre mulheres negras, relações não monogâmicas e questões raciais

Carta às mulheres solteiras: agência, amor próprio e a solidão da mulher negra

 

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

+ sobre o tema

A ambiguidade dos corpos de nossos iguais: do desprezo à solidariedade

Tenho pensado em alguns episódios que vivenciei e testemunhei...

O algoritmo e a internet: a invisibilidade do corpo negro nas redes sociais

Nesses últimos tempos, tem sido bastante comum a discussão...

Seguir Movendo, seguir vivendo, é tudo pra ontem!

Enfim chegamos a um ano da Coluna Negras que...

para lembrar

Vini traz a tona a realidade cotidiana, estrutural e excludente da sociedade espanhola

Não é a primeira vez que jogadores negros sofrem...

A ambiguidade dos corpos de nossos iguais: do desprezo à solidariedade

Tenho pensado em alguns episódios que vivenciei e testemunhei...

Meu corpo preto e meu dinheiro as marcas racistas não veem

O “Zara zerou” é mais um exemplo de como...

Confluências astronômicas: reelaborando a Astronomia com Nêgo Bispo

Eu me sentia estranha ao escrever e falar sobre...

De uma mana preta

De uma mana preta! Mulher,Mulher mãeMulher filhaMulher netaMulher periféricaMulher duraMulher de lutaMulher quenteMulher sobreviventeMulher, negra.Estereotipada, objetificada, escravizada Batalhadora, queimando sua pele ao sol na lavoura, triste...

A recuperação e reestruturação da Fundação Cultural Palmares: Os desafios do movimento negro brasileiro pós desgoverno Bolsonaro

Agora que vivemos novos tempos, em que novas perspectivas históricas e de relações sociais se fazem presentes, após todo terror de desmonte dos conjuntos...

Fanon pela construção de uma psicologia tão anticolonial quanto antimanicomial, ou… Antimanicomial porque anticolonial.

Qual a atualidade das discussões sobre raça e colonialidade num país que desenvolve sua identidade a partir de um mito de democracia racial? O...
-+=