quarta-feira, setembro 22, 2021
InícioGuest PostQueria tanto ser amada…

Queria tanto ser amada…

Cresci ouvindo aqui e ali que isso não é coisa pra preto não. Entre escolhas e desistências acabei por sufocar a negra que eu nasci. Me deixei direcionar, dizer como e porque era. Me descontrui toda.

Na escola os apelidos eram recebidos por mim com risos amarelos e respondidos com chacotas maiores.
O menino de olho azul não queria ser meu namorado, o pretinho corria atrás da pele clara. Compreensível até. Ele não queria desaparecer na névoa do não ser nada.

Queria tanto ser amada. Ouvi dizer que tinha que limpar a raça. Permiti o mal trato do branco, mas tinha algo.
Veio a idade da dúvida, e nos bailes da vida, nunca dancei Alisei cabelo, usei lentes verdes, dei suporte à amigas brancas. Queria tanto ser amada.

E chegou a idade da consciência, nela encontrei o amor. Na verdade veio o rebento, clarinho, como a lei. Fruto de um querer branco. Queria tanto ser amada.

Vinte e cinco anos depois o amor branco embranqueceu. Parti em busca da negra sufocada, presa na garganta e a encontrei nas terras de Jorge Amado. Ela deixou o cabelo aparecer, seus olhos castanhos brilharam, ela renasceu.

Reconstruindo permanece, feito colcha de retalhos, preta, preta, retinta…

 

Leia Também:

Duas ou três questões sobre mulheres negras, relações não monogâmicas e questões raciais

Carta às mulheres solteiras: agência, amor próprio e a solidão da mulher negra

 

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.
RELATED ARTICLES